quarta-feira, 2 de março de 2011

Hoje tem que ter


Saudações alvinegras praianas!!!

Hoje tem! E tem que ter grande futebol, senão... ah... bicho pega. E tem que pegar para os jogadores, que andam um tanto quanto acomodados, não acham? E não estou falando de Neymar, pois nem teve tempo de mostrar jogo mesmo. A jóia foi explorada no sulamericano e está sem condições físicas, abaixo do peso, destroçado nos músculos. Mas o resto do elenco...

Eu era a favor da saída do Adilson Batista. Apesar de nos últimos textos me dizer surpreendido com o trabalho do técnico, surpreendentemente ele voltou àquilo que se esperava dele. A questão que precisa ficar clara é que quem não é santista praticamente não entende bem a saída do técnico, talvez os corinthianos entendam, mas a crônica passa longe de entender. Não foram os resultados que o fizeram cair, e sim a falta de perspectiva, um time perdido em campo, não dá para entender porque ele deixou a ofensividade e botou jogadores que vinham bem no banco. A volta do Professor Pardal não foi suportada, principalmente pela passagem desastrosa que ele teve no Corinthians.

O pior é ver o pessoal falando que o problema é o elenco na saída do Adilson, que a culpa é principalmente do Neymar. Não que eu esteja muito feliz com a postura dos jogadores, mas a mídia, paulistana, sobretudo, adoraria ver o Santos ruir. Não sei por que, mas esse é fato. E de fato o Adilson cavou sua própria cova, não escalou bem, não armou bem, não nos deu perspectiva. Minha paciência começou a acabar no jogo contra o Santo André, pois ali as invenções ainda pareciam ter sentido, mas já tinha ligado o alerta para elas pararem. Contra o Norusca, mesmo com Vitória, ficou claro que o técnico não tinha condições. Táchira, Corinthians e São Bernardo só comprovaram o fato.

Contudo, se o elenco do Santos tivesse um pouquinho mais disposto, mesmo o Adilson ferrando o Neymar, colocando-o no meio de campo, o Peixe poderia ter hoje uma vida mais serena. Mas uma má vontade, sobretudo do Senhor Zé Eduardo, paira sobre o elenco. É impressionante. Por mais que o time estivesse mal escalado contra o São Bernardo, era nítida a cadência do time como se tivesse comido uma feijoada antes do jogo. O Santos perdeu mais por isso do que pelo time mal armado. O gol de empate que tomamos sai dessa lesera latente. E o Zé Eduardo se arrastou em campo, não justificando a vaia da torcida em sua saída. A vaia tinha que ser pela substituição seis por meia dúzia.

Enfim, hoje tem! E espero que tenha Santos de novo. Porque não é tão difícil assim ser Santos de novo, basta fazer o simples, basta não inventar, basta não estorvar (vai um cafezinho, Adilson?). E o Martelotte nesse sentido está escolado e deve fazer a melhor escalação, sabe onde cada um rende mais. E ao invés de implorar Ney FRACO a CBF, vamos de Martelotte até ter um técnico com maior prestígio na área. Aliás, até Dunga já foi sondado. Sai pra lá!!! Mas se me perguntarem, eu não tenho dúvida, nem vergonha de falar: Volta, Dorival!

Por ora, vamos concentrar nossa torcida e vibrações para o Peixão no jogo de hoje à noite. Será parada dura, mas dá para vencer bem e sair com o grupo fortalecido. Precisamos lavar a alma e acho que hoje será o dia.

Pra cima deles, Santos!!!

Nenhum comentário: