segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Ronaldo


Ronaldo, Fenômeno, Melhor do Mundo, Guerreiro, Brasileiro, agora se diz mais em um “bando de loucos”. Ronaldo, hoje, oficialmente, ex-jogador. Ronaldo, um dos maiores que vi jogar, um dos maiores que o planeta bola já teve, planeta bola que parou para vê-lo anunciar seu fim.

Gordinho, se explicou demais para dizer seus motivos para parar. Não precisava, até porque serviu para levantar uma polêmica e ver os mais críticos, como eu, acharem alguns pontos no mínimo duvidosos em suas fala. Não, Ronaldo, não é novidade que você sofre de hipotireoidismo. Desde o Milan todos sabiam disso, e quem se fez surpreso, ou está gagá ou babaca mesmo. E não, Ronaldo, isso não é motivo para você se apresentar tão acima do peso. Claro que com isso fica mais difícil de perder peso, mas o bom profissional se cuida para não engordar, coisa que você não fez. Todo gordinho tem um motivo para estar assim, mas a nobreza está em reconhecer que a gente, e digo a gente por estar acima do peso também, reconhecer que temos feito pouco para ser diferente. E não, Ronaldo, não de novo. A reposição hormonal não geral doping. Ou seja, era melhor não ter falado nada.

Mas mesmo com todos os problemas de lesão - e isso sim o hipotireoidismo influencia, pois retarda a recuperação-, mesmo tão acima do peso, mesmo estando parado há tanto tempo, em sua volta ao Brasil, você, Fenômeno, fez o que estava acostumado a fazer: dar a volta por cima. Foi sempre, não? Você sempre foi talentoso, mas até fome passou para seguir seu sonho de jogador. Depois veio a Copa de 98 e as lesões, você o que fez? Se recuperou, com classe, com estilo, da melhor forma, a forma que só os melhores podem ter, foi Campeão Mundial em 2002, sendo artilheiro e marcando os dois gols da final emocionante contra a Alemanha. Foi eleito de novo o melhor do mundo aquele ano, mas não era estranho ver isso, pois falamos de Ronaldo. Aí sim começa uma parte questionável de sua carreira, onde você parecia estar andando para o futebol. Mas você sabia que não dava para simplesmente parar assim do nada, ainda faltava alguma coisa e por isso você veio para o Brasil... e sim, como já disse no início desse parágrafo, você foi você de novo, fenomenal, deu a volta por cima, brilhou.

Tinha para mim, ainda mais como você tinha terminado o campeonato brasileiro de 2009, que você deveria ter parado ali. Mas o que importa o que alguém pensa além de você? Depois da Copa de 98, muitos queriam te mandar para o INSS. E antes de 2002? E mesmo antes de 2009? Eu mesmo já ‘o tinha aposentado’. Então, só você poderia decidir isso, mas era fato que você já se arrastava em campo e era uma pena ver que apenas um nome estava em campo.

A hora de parar é muito complicada. Poucos, mas muitos poucos mesmo sabem, e podem, para como Pelé parou, no auge, com estrela, com lembranças positivas apenas. E você só você poderia decretar o seu fim, pois médico nenhum mais ousaria em dizer que você não poderia jogar mais bola, mesmo que você perdesse uma perna. As graves lesões que você sofreu foram quase como perder uma perna e você superou voltando a ser melhor do mundo. Então, ninguém, além de você poderia por fim a sua própria carreira. E você achou no Corinthians uma casa onde você teria a liberdade para isso, assim como o Corinthians achou a imagem de credibilidade necessária para apagar o passado recente de escândalos resultados de má administração financeira e corrupção.

Mas é o fim. De um jogador vitorioso individualmente e, sobretudo, com a seleção brasileira. Sim, se Ronaldo é Ronaldo, se deve a Nike, com um projeto fantástico para divulgar sua marca no futebol, achou um garoto boa praça e muito bom de bola na seleção brasileira. Apenas na seleção brasileira Ronaldo ganhou tudo o que foi possível, suas passagens em clubes não foram tão vitoriosas assim, títulos importantes, como o da Champions, ele não conquistou. Aliás, foi o continental da América que ainda o motivava jogar. Mas na seleção, Ronaldo foi sensacional, uma geração de fãs de futebol se deu por conta de suas exibições. Grande, Alejo no International Super Star Soccer. Mas no fim das contas, Ronaldo resolveu jurar amor ao Corinthians, vincular a imagem dele fortemente a um clube brasileiro, coisa que não tinha feito durante sua carreira toda na seleção. Há ônus e bônus nisso, pois muitos gostavam dele e podem criar uma rejeição pela marca Corinthians. Só que é fato que ser eternizado por uma torcida, ajuda a eternizar ainda mais uma imagem, uma marca no Brasil. Se bem que deu a impressão que o Ronaldo é mais ligado ao Andrés do que ao próprio time, ele que vai continuar no Corinthians agora, mas talvez saia assim que o grupo político do Andrés saia do poder no Corinthians.

Gostaria apenas de finalizar agradecendo a Ronaldo, o Fenômeno! Por todos jogadas geniais que ele proporcionou, por todos os gols na seleção que marcou, pela Copa inesquecível de 2002 que jogou. Valeu, Ronaldo!