segunda-feira, 31 de maio de 2010

Mais um jogo para nós, o do ano para os outros

Saudações alvinegras praianas!

E ontem tivemos nosso primeiro grande revés no ano. Santos 2, Corinthians 4 e não tenho muito para falar. Primeiro e sobretudo porque não vi o jogo e nem mesmo consegui ouvir a partida pelo rádio. Ontem, eu tinha compromissos mais importantes, aliás, estava assumindo compromissos mais importantes. Agora ficar noivo de uma corinthiana bem no dia em que o Santos perde para o Corinthians é crise na relação. Hehehehehe...

Acabei não acompanhando o jogo e, devido a este fato também, eu não estava com nenhuma das minhas muitas camisas do Peixe. E, quando isso acontece, eu conto nos dedos os resultados positivos do Santos. É engraçada essa relação que o torcedor tem com seu time, por isso que a gente fica tão triste quando perde, a gente acha que fez algo de errado, ficou fora de uma tradição e essa tradição faltou no apoio para conseguir a vitória do time. O futebol é algo realmente louco e apaixonante.

De resto, pelo que li, vi que o time foi para frente, foi ao ataque, mesmo perdendo. O pessoal está dando a maior cornetada no Dorival por ter tirado o Dracena e entrado com o Zezinho. Só que quando ele fez praticamente isso contra o Ituano, com o Santos metendo goleada, aí ele era genial. Dorival, parabéns! É isso aí, o Santos é para frente, se perder, perde jogando bola, indo ao ataque, sem melindres de uma derrota. E assim que eu gosto de ver o Santos jogar. Infelizmente, os jogadores é que estão tendo uma má jornada. O Santos criou bastante e perdeu dois gols que não se podem perder em um clássico. Um com o Neymar que com o goleiro batido, não tirou do Chicão, e outro com o Madson que perdeu um gol cara a cara com Felipe dando uma canelada e ainda poderia ter passado para o Marcel, que deixou mais um ontem.

E chega de querer por crise no Santos. Se na quarta o Peixe meter 3 no Cruzeiro em pleno Mineirão, já vão mudar todo o discurso. Perder é normal, é do jogo. Claro que bom seria vencer sempre, principalmente os rivais mais próximos. Só que felizmente isso não é possível, deixaria o futebol sem graça e modorrento. Ainda bem que não é assim e que nunca seja.

Antes de ontem, estava meu irmão, Cristian, Tele e eu conversando sobre futebol. Meu irmão vaticinou que o Corinthians deveria vencer, pois faria o melhor jogo do ano e o Santos, até por estar passando por um momento de baixa produção, não conseguiria um resultado melhor. Eu concordei na hora e quando vi a escalação do Corinthians, falei para o Cristian que realmente estava difícil para o Peixe, pois o jogo era no Pacaembu. A derrota não foi uma surpresa e não é para ser o fim do mundo. O placar elástico foi devido à ousadia do Dorival, nem sempre ser ousado resolverá, mas não arriscar é sinal de covardia profunda e crônica.

E falando em covardia, que bundão esse Ralf, hein? Foi lá tirou um barato e depois disse que não tinha intenção de provocar? Achei legal o pessoal do Corinthians comemorando gol fisgando o Peixe. Mostram duas coisas: uma o quanto o Santos incomoda, fato; outra coisa que o futebol é isso, é brincadeira, é zoação e ontem foi a vez deles, ponto. Agora vir depois dizer que não foi bem isso, aí ficou feio e soou covardia para mim.


Agora é acertar os pontos e trabalhar nesse curto tempo até quarta.

Pra cima deles, Santos!

Nenhum comentário: