quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

E acaba mais um ano Santástico


Saudações alvinegras praianas! O último texto do ano... e que ano! É fim do ano de 2010! Um ano Santástico, aliás, mais um desses 98 anos de história do Peixe.

Lembro que no meu primeiro texto de 2010, falava sobre a felicidade de ver o fim do império de Teixeira, mas ainda sem esperança alguma de um grande ano. Acreditar sempre! Mas é preciso ter no mínimo bom senso, e o bom senso mostrava que este seria um ano de reconstrução. O clube estava afundado em dívidas e a vida não prometia ser nada fácil, aliás, não foi.

LAOR e sua equipe foram competentes. Conseguiram fazer contratações precisas para o time de futebol, técnicos e dirigentes. Conseguiu também renegociar as dívidas e estabeleceu limite para os gastos com o futebol. Sendo assim, mesmo com o Santos conseguindo pagar suas contas, até então não era possível vislumbrar nenhuma contratação de peso. Apostando na base que sempre lança ótimos nomes e na política do bom e barato nos reforços adquiridos, nem o mais otimista dos santistas acreditaria em resultados tão rápidos.

Uma vitória, uma derrota e um empate. Essa foi a seqüência dos primeiros resultados do Peixe no Paulistão, mas para quem entende de bola, dava para ver que estava surgindo um time encantador, de futebol veloz, atrevido, coletivo e goleador. Não demorou muito para o Santos ir para o topo do campeonato e ficar lá até o final da fase classificatória.

Com um time voando baixo, chamando a atenção de todos e um Robinho bastante infeliz na Inglaterra, doido para se preparar melhor para a Copa, o que parecia impossível virou uma sonho realizado. O Rei das Pedaladas estava de volta, em uma curta passagem, mas extremamente marcante. Robinho era a cereja do bolo, a peça que faltava para tornar o time inesquecível.

Campeão Paulista e da Copa do Brasil! Um dos melhores ataques da história recente do futebol brasileiro, top 15 entre os ataques do Santos, mesmo contando com ataques santásticos da década de 60. Repercussão nacional impressionante! Principalmente no primeiro semestre, era impossível falar de futebol sem falar do Santos. Internacionalmente, o Peixe também ganhou muito destaque. E não há o que reclamar.

Claro que ficou um gostinho de quero mais, se o Brasileirão viesse também seria ideal e a impressão é que dava, mas o relaxamento e vários problemas extra-campo impediram a tríplice coroa. Robinho foi embora, não tinha com ser de outra forma. O André, nosso grande 9, também foi. E até o Wesley, que voltou para sua redenção, também pegou caminho da roça, ou melhor, da Europa. O time sentiu muito a ausência deles, ainda perdeu o Ganso por lesão.

O maior problema foi a saída de Dorival. Juro que eu tinha esperança de ele voltar ainda no fim do ano, ele foi ótimo técnico, para mim, hoje é o melhor do Brasil. O Neymar foi extremamente execrado, mas superou. O Santos superou seus problemas e começa a consertar o que teve problemas e montar um bom time para 2011.

O Adilson Batista foi contratado. Não sei se é uma grande tacada, mas é o melhor que tinha no mercado, disso não há dúvidas. Com muito mais tempo para contratar, com uma análise de todo ano de 2010, o novo comandante fez seus pedidos, contratações e dispensas. Talvez, o Santos seja hoje o time mais adiantado nesse sentido.

Breitner, um baita jogador, foi para o Figueirense para ganhar experiência. Madson foi para o nosso recuperador de jogadores, Atlético Paranaense. Marquinhos voltou para o Avaí, o cara realmente não estava muito querendo saber de Santos e desejava voltar a seu time de coração, só acho que ele deveria ter um redução salarial, já que foi por empréstimo para lá e o Peixe bancará 30% de seus vencimentos. Maranhão foi com o Marquinhos, Zézinho foi para o Bahia. Ainda outros meninos da base foram emprestados para times como Santo André para ganhar experiência.

Nas contratações, o Santos vem liderando! Primeiro o maior reforço, por ora, dos times brasileiros, Elano, um baita jogador que será de extrema importância para esse ano que está para nascer. Também vieram Jonathan e Charles, lateral direito e volante. Espero que dessa vez acertemos na lateral direita, que está sofrida nos últimos anos e o volante comporá bem o meio-campo, já que devemos voltar a jogar com quatro no meio na falta de um grande terceiro atacante. Vieram também o goleiro Aranha e o meio Vitor Hugo, mas são jogadores para compor o elenco, até porque não vejo o Rafael sem a 1 hoje.

A baixa agora no fim do ano foi a saída do Jameli. Uma pena. Um baita cara, gosta do Santos, merecia ficar. A diretoria disse que procura um profissional com perfil diferente, parte do elenco também não topava com ele e sua saída era esperada no meio do Brasileirão, como não veio, achei que não sairia mais. Achei que o LAOR estava reconhecendo o bom profissional. Enfim, vida que segue também e agradeço ao Jameli pelo excelente trabalho que possibilitou esse ano Santástico.

2010 foi um ano que deu certo, houve muita competência nas oportunidades que apareceram. Sorte é a união da competência com a oportunidade.Os profissionais do Santos merecem parabéns! Marketing, Futebol, tudo! Principalmente o LAOR.

Espero que se mantenha o pé no chão, o Santos inovou no futebol brasileiro ao segurar Neymar e Ganso, ao trazer Robinho e depois Elano, mas sempre sem fazer loucuras, mantendo os pés no chão. Isso é importante. 2011 promete e estaremos aqui torcendo para que tenhamos mais um ano Santástico!!! Vai, Santos!!!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Reverenciar a história sim, babaquice não!


Os ouriçados invejosos do reconhecimento dos brasileiros anteriores a 71 continuam com seu chororô interminável, com argumentos estapafúrdios, em que esquecem de pensar na história do futebol e partem para a agressão gratuita, para a ridicularização de idéias. Ou seja, não há espaço para debates, só há espaço para agressões e muita falta de informação.

Isso posto, agora eu quero criticar o querido Presidente Santista, o nosso LAOR. Caríssimo, o título de 1.968 se trata de um Recopa Mundial, é um título de caráter mundial, mas não era a principal competição mundial. É como o Santos hoje, é octa brasileiro e possui nove títulos nacionais, pois foi campeão da Copa do Brasil. O Santos possui três títulos de nível mundial, mas campeonatos mundias mesmo apenas dois. E ponto!

Não me venha com essa balela de pleitear o campeonato de 68 para colocar uma terceira estrela no peito! Isso é ridículo e o Santos não precisa disso. A terceira estrela que queremos colocar no peito tem que ser fruto de uma conquista futura, e nós da torcida esperamos que seja já neste 2.011 que está para nascer.

Lembro-me bem que o senhor presidente foi extremamente crítico ao Marcelo Teixeira por essa idéia estapafúrdia.

Então, venho aqui reforçar a idéia de que precisamos reverenciar a história, precisamos preservá-la, mas digo já que de jeito maneira podemos manchá-la com babaquices oportunistas.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Unificado


Para terror dos recalcados, o martelo foi batido, os títulos foram unificados!

Mais uma vez venho dizer, infelizmente a discussão foi mal conduzida. E só veio agora, pois é muito oportuno à CBF e ao Ricardo Teixeira que essa discussão ocorra agora, acoberta seus erros, alfineta adversários políticos. Só por isso a CBF desenterrou um pedido feito há tanto tempo, que foi reforçado no ano passado, mas a decisão só veio agora, pois só agora a ela interessa.

Só que boa parte dos críticos está na ala dos recalcados. Sim! Eu não vou fechar os olhos para a decisão política, para a grande manobra, mas também não vou alisar opiniões totalmente carregadas da inveja de quem não foi consultado.

A nação santista sempre conheceu sua própria história, sabe que é octa-campeã brasileiro desde 2004. Sabe que em 2010 conquistou seu nono título nacional. A diretoria sempre fez essa conta, independentemente da chancela de qualquer instituição. O Santos sempre terá dois títulos de um torneio chamado Copa Intercontinental, nem por isso deixará um dia de ser chamado de bi-Mundial! E se vencer daqui para frente o torneio, agora organizado pela FIFA e chamado de Campeonato Mundial de Clubes, será tri, tetra e por assim em diante.

Os títulos já foram comemorados a época, hoje apenas é um reconhecimento, uma homenagem aos antigos ídolos. Reverenciar o passado é uma questão de inteligência, preservar a história também, isso só é útil quando orienta o presente e para alimentar a esperança de um futuro tão glorioso quanto. O reconhecimento agora não engrandece, nem diminui os títulos, os times, os jogadores, a história. É só respeito à história.

E parabéns a todos aqueles times! A todos gênios da época! E um principal ao Rei! Que merece ser mais homenageado e reverenciado do que é hoje no Brasil. Vida longa ao Rei!!!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Campeões Brasileiros

Saudações alvinegras praianas!

Se tem um assunto que dominou a pauta nos últimos dias e já está chateando, é esse sobre o reconhecimento pela CBF dos campeonatos brasileiros anteriores a 71. Acho que o assunto é extremamente interessante e seria ótimo para render ótimos papos sobre história, craques, mas a forma como parte da imprensa está tratando o assunto é ofensiva, chama de idiota quem tem opinião divergente a dela e faz com que a gente até perca o tesão de falar sobre o assunto. Aliás, só por conta disso ainda não tinha escrito um texto.

Na sexta, li um colunista da Globo que diz literalmente não ser possível levar a sério alguém que conhece a história do futebol e considera a hipótese de reconhecer os campeões brasileiros antes de 1.971. Ou seja, chamou todos de otário! E não foi só ele. Os comentários dos integrantes do programa de rádio Estádio 97 também foram jocosos, mesmo reconhecendo que desconhecem a história. O próprio Lance! também bate fortemente na história e quase não dá voz a quem pensa o contrário.

Uma discussão como esta tem que se dar longe do clubismo, longe de paixão e tentando resgatar a história mesmo. Duvido que muitos desses que criticam a reivindicação pararam um segundo se quer para lerem os textos de Odir Cunha, jornalista responsável por boa parte desta pesquisa. Eu inclusive publiquei no ano passado um aglomeradão juntando vários textos dele sobre o assunto. E digo que não concordo com o ponto de vista dele sobre a história em muitos momentos, mas uma coisa está clara, não é possível virar as costas para os campeões do passado. Torneios nacionais não começaram em 71 e é isso que precisa ficar claro.

(O Lance!, no domingo publicou uma matéria onde diz ter em mãos o Dossiê que foi para a CBF em 2009, mas não o publica na íntegra. Apenas tira partes que o interessa criticar, é uma pena que ainda se faça esse tipo de jornalismo no Brasil. Mas fico pensando, será que há outro tipo de jornalismo no Brasil?)

O que vou escrever aqui não é para ser dono da verdade, mas gostaria de levantar questões importantes que ajudassem, pelo menos, às pessoas se abrirem para o debate e não viverem de definições absolutas e imutáveis.

Trajetória

Primeiro, acho importante pensar por que raios a CBF nunca quis olhar para esses títulos. A partir de 71, um novo formato de campeonato brasileiro foi desenhado, mas que só foi possível graças a torneios anteriores a este, torneios que mostraram a necessidade e até o gosto do torcedor em saber quem é o maioral do Brasil. Se pensarmos nos primeiros torneios nacionais, de 59 a 70, veremos que o Rio de Janeiro possui pouquíssimos títulos e a hegemonia paulista é evidente. Por aí começamos a entender porque a Confederação, que é carioca da gema, resolveu ignorar primeiramente o passado.

Em 71, tivemos o primeiro campeão do que hoje chamamos de Campeonato Brasileiro. Não foi a primeira competição nacional administrada pela CBD (atual CBF), mas foi o primeiro torneio de uma era de disputa regular de nacionais com muitas equipes criado pela entidade. Bem no início da década de 80, a CBD deixa de existir e surge a CBF, que resolve simplesmente ignorar tudo aqui que havia existido antes desse torneio regular.

Por que ignorar como títulos nacionais a serem contabilizados todas as Taças Brasil, se este foi um torneio já organizado pela CDB? Eu aqui não vou ainda falar em equiparar a Brasileiros, mas a questão é que para a CBF esses títulos não existem simplesmente e a Taça Brasil existia sob tutela da CBD. Isso faz algum sentido?

O Robertão virou este superlativo, pois ele era um Rio-São Paulo 'inchado'. O Rio-São Paulo se chamava Roberto Gomes Pedrosa e, em 1.967, vendo que só a rivalidade entre os dois estados era pouco, uma vez comprovado o sucesso de um torneio nacional pela Taça Brasil e que seria interessante tornar o campeonato mais competitivo, foram convidados outros grandes times do país, os grandes campeões em seus estados. Eis que surge o Robertão, uma competição de caráter nacional. Fez tanto sucesso em suas duas primeiras edições, que em 69 a CBD começou a organizar a competição, que até então era regida pelas Federações do Rio e de São Paulo. Neste mesmo ano de 1.969, a entidade extingue a Taça Brasil.

De tão certo que deu, a CBD em 1971 resolve tirar o nome Roberto Gomes Pedrosa e criar o primeiro Campeonato Nacional, vencido pelo Atlético-MG e que estabelece uma nova era regular de competições nacionais. Se a CBF quisesse dar maior destaque a essa nova era, era uma coisa, mas ignorar o que a própria CBD já tinha feito é no mínimo estranho.

O caso da FPF

A Federação Paulista de Futebol (FPF) existe a partir de 1.941. Antes, diversas instituições da bola e do desporto paulista é que comandavam os campeonatos paulistas. Eu não sei se em sua criação ou alguns anos para frente, a FPF homologou e declarou Campeões Paulistas todos aqueles que venceram os torneios realizados anteriores a 41.

Só para ter uma idéia do que isso significa, hoje o Corinthians, maior vencedor do torneio com 26 troféus, teria subtraído de sua conta 11 títulos e ficaria em segundo lugar junto com o Santos, que hoje possui 18 títulos e apenas um desses foi anterior a 41. O São Paulo ficaria em primeiro lugar, hoje ele tem 21, mas ficaria com 20, pois também só tem um título no período a ser descartado. E é bom lembrar que esse único título foi em 1.931, quatro anos antes da data oficial de fundação do clube. Esse título foi conquistado pelo São Paulo da Floresta, time que se fundiu com o Clube de Regatas Tietê para criar o São Paulo, em 1.935. Ainda sim, a FPF considera esse título de 31 como sendo do São Paulo. O Palmeiras cairia para a quarta posição, hoje é o segundo com 21 títulos, mas ficaria apenas com 13.

Outra particularidade do período é que a Federação Paulista reconhece dois campeões em um mesmo ano, fato que hoje é abominado pelos atuais críticos à equiparação do títulos nacionais. Em 1.935, veio o primeiro título Paulista do Santos, em outra liga paralela, a Portuguesa também se sagrava campeã. O Corinthians possui 4 títulos nessa situação, o Palmeiras 3. Mesmo assim, nunca vi ninguém achar absurdo essa fato. Estranho também!

Em 67 e 68, o Robertão foi disputado paralelamente à Taça Brasil. O primeiro coordenado em conjunto pelas Federações de Rio e São Paulo, o segundo pela CBD. No primeiro ano, o Palmeiras levou as duas taças e, no segundo, o Peixe ficou com o Robertão e o Botafogo conquistou a Taça Brasil. Como já dito acima, o Robertão tinha feito muito sucesso, por isso a CBD acabou com a Taça e começou a comandar apenas esse campeonato.

Critérios, nomes, divisões, fórmulas

Um argumento que pretende ser avassalador contra o reconhecimento desses títulos está na questão do nome. Mas quantos nomes já tiveram o atual Brasileirão? Em 71 mesmo, chamava-se Campeonato Nacional, também já teve outros nomes como Taça de Prata, Copa Brasil, Copa União e, mais recentemente, tivemos a Copa João Havelange. A CBF homologa quase todos os casos, mais para frente falarei de 1.987. Mas o que quero chamar a atenção aqui é que esse argumento é tão frágil quanto a soberba de quem despreza a inteligência alheia com bobagens assim.

Os critérios para participação dos campeonatos de 59 a 71 também são bastante questionados. O ataque à Taça Brasil é dizer que o campeonato não era abrangente. A Taça Brasil foi o primeiro grande torneio regular de caráter nacional - em 1.920 e 1.937, dois torneios de caráter nacional foram disputados, mas não foram para frente. Eu não sei se muito jornalistas lembram, mas o Brasil é um país de tamanho continental e que fazer viagens longas antigamente era muito difícil e caro.

Lembrando dessa 'pequena' variável, não dá para pedir que um campeonato nacional de turno e returno, como é Brasileirão de hoje e era o Paulista da época, fosse disputado. Seria extremamente caro e sem garantia de retorno. É só lembrar também que o Santos de 60 abriu mão da Libertadores depois de 63, pois era muito oneroso apesar do status oferecido ao campeão.

A partir do momento em que o investimento aumentou a fim de gerar um torneio nacional mais amplo, claro que o campeonato ganhou nova cara, mas falar que o passado não valeu é no mínimo má vontade. A Taça Brasil era disputada em mata-mata pelos campeões estaduais. Os representantes Rio e São Paulo, os estaduais mais fortes, só entravam nas semi-finais, da mesma formas que os campeões sulamericano e europeu só entram nas semis do Mundial. É o um prêmio por disputarem ligas mais difíceis.

É bom lembrar que o sistema de mata-mata, além de ser mais barato, também facilitava o imponderável do futebol. O Santos da década de 60 fez com que a Federação Paulista alterasse o sistema de pontos corridos do Paulistão para um que houvesse final. Aquele time mágico, mesmo quando perdia algum clássico, sobrava muito no certame e era campeão muitas vezes faltando várias rodada para fim do campeonato. Pensando assim, esse sistema era o melhor para os times mais fracos desafiarem os grandes da época.

O Robertão já funcionava de modo muito semelhante a campeonatos brasileiros até 2.002, uma primeira fase em pontos corridos e uma segunda com quadrangular. Organizado primeiramente pelas Federações de Rio e São Paulo, o torneio contou com convidados, os grandes times de Minas e Rio Grande do Sul, depois times de outros estados também foram convidados e a organização passou a ser a cargo da CBD.

O critério convite irrita muito aos críticos da equiparação, pois para eles não é um critério justo. É bom lembrar que os campeonatos brasileiros iniciais funcionavam a base de convite também. Os times eram convidados pela CBD, as pessoas às vezes se esquecem da política da ditadura "onde a ARENA vai mal, um time no nacional". Aliás, a intervenção da ditadura pode explicar muita coisa também, uma vez que ela queria instituir uma unidade nacional. Um torneio novo e nacional era uma grande forma de apagar os horrores dessa época, uma política de pão e circo.

A classificação para o nacional também era por colocação no campeonato estadual. O Santos nunca foi rebaixado em brasileirões, mas nas vacas magras, já teve que disputar um módulo inferior, aliás, em 1.979 o time abriu mão de jogar a liga nacional por conta disso. Não era uma segunda divisão, mas tinha que enfrentar times muito inferiores, mesmo assim, o melhor deste módulo tinha participação assegurada na fase final do módulo principal.

Outra 'boa' questão levantada pelos críticos era o formato e ligando isso ao nome, dizer que uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Falam que copa não é campeonato, que campeonato tem rebaixamento e que Copa é só mata-mata. Pois é, quer dizer que a Copa do Mundo é só mata-mata? E por que então nomes como Copa Brasil, Copa João Havelange, Taça de Prata também foram nomes do Brasileirão? Por que não só campeonatos?

Isso é uma balela semântica sem tamanho! O que se pleiteia não é chamar a Taça Brasil de Campeonato Brasileiro. Isso é uma bobagem. O que não se pode impedir é que os campeões anteriores sejam chamados de Campeões Brasileiros. Ou será que não se pode chamar de Campeão Mundial o vencedor da Copa do Mundo porque ela é uma copa? O São Paulo é tri-mundial ou bi-intercontinental e campeão mundial, só porque quem administra agora é outra entidade e mudou a fórmula? Grandes bobagens!

Ainda tem a questão do rebaixamento. E tem gente que viveu isso e não se lembra! Rebaixamento só começa no Campeonato Brasileiro em 1.988 e vai até 1.992, quando começa uma série de viradas de mesa. A bagunça é tanta que a CBF se considera incompetente para elaborar o nacional de 2.000 e pede para que o clube do 13 elabore o certame.

A Copa João Havelange foi o maior nacional disputado, 106 clubes em 4 módulos, não havia rebaixamento, não haviam divisões. Mesmo assim e com toda bagunça que aconteceu na final, não há dúvidas ao dizer que o Vasco foi o campeão nacional daquele ano. Só a partir de 2.001, com a volta da CBF ao comando do campeonato, é que findaram as viradas de mesa e o torneio se estabilizou. Até então, a FIFA fazia duras críticas ao Brasileirão, que não possuía divisões, onde o sistema de contagem de pontos era confuso. A entidade máxima do esporte bretão chegou inclusive a ameaçar o Brasil de ficar fora de Copas enquanto reinasse essa zona, ameaça nunca concretizada, pois a seleção canarinho é a que rende mais dividendos nessa competição.

87 e outras taças

Meu respeito ao Sport, mas o grande campeão brasileiro de 1.987 é o Flamengo. Assim como em 2.000, a CBF já tinha se mostrado incompetente para gerir a competição nacional e o clube dos 13 foi quem salvou o nacional nesta época também. Durante o certame, a CBF deu uma canetada e 'criou' um novo brasileiro, onde o campeão seria apontado do vencedor de quadrangular entre o Campeão e Vice do Módulo Verde, organizado pelo clube dos 13, e Campeão e Vice do Módulo Amarelo, organizado pela CBF e que se tornaria no ano seguinte a segunda divisão.

A proposta foi considerada absurda pelos clubes que disputavam a Copa União, chamada de Módulo Verde pela CBF, e estes entraram em acordo de que não jogariam tal quadrangular e o campeão nacional sairia deste campeonato mesmo. A CBF não quis saber do protesto dos clubes, considerou uma afronta o que Inter (que foi vice da Copa União) e Flamengo fizeram e declarou o Sport campeão com o Guarani como vice, respectivamente primeiro e segundo lugares do Módulo Amarelo.

O que a CBF fez foi grotesco e mandou o time de Pernambuco para a Libertadores junto com o Guarani. Pela imprensa não há quem não aponte o Mengo como grande campeão, mas usar a desculpa que a CBF não resolveu essa pendenga de 87 para não poder ser discutido o passado é só para querer causar. São coisas que se relacionam, mas independem.

Assim como não é possível que se queira levar a Copa do Brasil a um status diferente depois das equiparações. A Copa do Brasil já surgiu como uma competição de nível inferior ao Brasileirão. E outro absurdo é clube dizer que vai reivindicar o Torneio do Povo como campeonato nacional, onde o critério para participar era ter uma torcida grande. Um torneio que levava o nome de um presidente ditador brasileiro, General Emílio Garrastazu Médici, e que foi simplesmente mais uma tacada da política de pão e circo daquele tempo, um torneio para festa.

Portugal e Argentina

O Lance! trouxe dias desses uma matéria que falava que só a partir da década de 30, com a profissionalização do futebol, é que o Argentina e Portugal começaram a contar seus campeões nacionais.

É bom lembrar que o Brasil já tinha seu futebol profissional nessa época, mas que organizar nacionais era extremamente difícil, pelo tamanho de nosso país. Querer fazer esse tipo de comparação, que o jornal fez, é zombar de nossa inteligência. Países menores que muitos estados do Brasil não podem servir de comparação nesse caso.

Por fim

Lamento muito o nível de paixão e cegueira que essa discussão chegou. A paixão é legal no futebol, mas por vezes leva à chegueira e muitos, às vezes, começam a defender um ponto de vista só por se sentir ofendido pelo outro lado. O Juca mesmo cometeu uma burrice tremenda ao criticar o Odir Cunha se baseando em um trecho pinçado pelo Lance!. Como pode alguém tão vivido na imprensa cair nesse tipo de situação, só por que em algum momento poderia ter sido questionado seu trabalho, Sr. Juca? Lamentável!

Lamento também que essa discussão esteja sendo feita agora, que a CBF esteja usando isso para esconder todos os problemas que estão ocorrendo em relação a Copa de 14, para esconder as denúncias contra seu presidente, o canalha do Ricardo Teixeira. O RT, aliás, usa também esse dossiê para de certa forma alfinetar Flamengo e São Paulo, suas desavenças recentes e declaradas. Os dois times possuem o status de maiores campeões nacionais e seriam desbancados com o reconhecimento dos títulos.

Uma coisa que deve ficar clara é que o Santos e o torcedor santista sabe que é vencedor nacional por nove vezes e colocou isso em seu site, em camisas, faixas e sem ficar pedindo autorização para a CBF. O Fluminense acabou de pintar que é Tri-Campeão Brasileiro nas Laranjeiras. O Palmeiras é considerado campeão do século e coloca em sua conta essas conquistas de 59 a 70.

O que quero dizer é o sentimento que já existe e jamais importará a chancela da CBF, da FIFA ou de quem quer que seja. Posso falar na condição de Santista, sempre considerei o Santos octa, dane-se a CBF. Reconhecer os títulos é respeito à história, mas é mais benéfico à CBF que ao próprio Santos que já conhece a sua própria história. A CBF é que se beneficiará de poder colocar em suas estatística de campeonatos reconhecidos por ela títulos de Pelé, Tostão, Garrincha, entre outros gênios que jogaram a década de ouro do futebol! Essa é a grande questão, a CBF hoje ignora as estatísticas de campeonatos nacionais da melhor fase do futebol, de uma época mágica, de um tempo de jogadores lendários e que divulgaram o futebol para ser o que ele é hoje.

Eu nem gosto do termo unificar, pois parece que é querer que esses torneios comecem a se chamar agora Campeonato Brasileiro. Não é isso! O que se discute é o fato de não haver reconhecimento oficial a esses títulos de times que ganharam na bola, com técnica, com lances geniais, com grandes públicos. E isso tudo está registrado, o reconhecimento da CBF não fará maior, nem menor essas conquistas ou esses clubes, apenas fará justiça à história. Senão, se não reconhecer, azar da CBF também.

Esses times não foram campeões de campeonatos brasileiros naquela época, pois esse, com esse nome ainda nem existia. Mas jamais poderá ser questionado o fato de que eles foram, sim, os grandes Campeões Brasileiros e que ninguém duvide disso.

sábado, 4 de dezembro de 2010

Carta ao ex-presidente Marcelo Teixeira*

*Em resposta ao seu texto Nada como um dia após o outro.

Caro presidente, talvez você tenha visto agora que é possível fazer bons negócios sem onerar o clube, entendo sua revolta. É difícil vir outra pessoa fazer melhor aquilo que fizemos por tanto tempo. Mas não se corroa de inveja.

A Teisa, hoje criticada, foi muito elogiada pela mídia. Incrível! Mas é porque na época não entenderam que o Santos se blindaria contra o mercado. Só pessoas interessadas no Santos, apenas torcedores poderão investir. Aliás, o senhor que é tão rico, bem que poderia comprar fatias da Teisa, ela é aberta a pessoas que amam o Santos e tem como contribuir com ele.

Mas lembre-se: do valor total que render o seu investimento, você deverá deixar 75% na própria empresa que reivestirá em nosso querido Santos. Será que o senhor topa esse negócio?

É bom lembrar que a DIS poderia ter comprado essa parte do Neymar. Se o negócio é tão fabuloso como o senhor ventila, porque o Delcir deu para trás? Não era dinheiro certo? Ora! Não sejamos hipócritas!

O que não dá é um grupo pagar uma mixaria por cerca de 30% de 7 jogadores. O valor pago por todos os 7 não dá o pago pelo Neymar. Mas como o senhor cada hora fala em um número pago pela DIS, daqui a pouco dirá que foram pagos 20 milhões de reais. Sei que a justiça determinou um valor muito menor que o senhor divulga para o Santos retomar esses percentuais dos atletas.

Entendo, sua frustração, mas por favor, não deixemos esse levianismo extravasar a esferas maiores. A torcida do Santos não é boba e já ataca firmemente as infudamentas 'descobertas' do Perrone. Que bebe na fonte do Quintino e acressenta algumas mentiras.

Bom fosse se o senhor desse mais créditos aos santistas que realmente nos informam sobre o Santos, mas isso o senhor não fez como presidente, duvido que faça agora.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

A volta do 'melhor' bom jogador


Saudações alvinegras praianas!

É, meus amigos, Elano está de volta! E é o primeiro grande reforço para 2011, ano em que o Peixe vai para conquistar tudo e não me venham com essa de só Libertadores. E para mim, essa foi a contratação do 'melhor' bom jogador do futebol brasileiro dos últimos anos e me explico.

O Curinga da Vila nunca foi nenhum craque, mas é muito bom! Além de bom, é importantíssimo taticamente, não joga para torcida, mas faz funcionar o meio-campo do time. Ele não tem mais o fôlego que teve o Wesley no 1º semestre de 2010, mas com certeza terá passes muito melhores que este e ainda será uma belíssima opção em bolas paradas e em chutes de longa distância.

O Elano foi o coração da seleção brasileira na Era Dunga. Ele é que possibilitava lançamentos de contra-ataques, batia as melhores faltas, escanteios, cruzava da direita, já que Daniel Alves e Maicon não conseguem alçar uma bola sequer na área. Quando ele se machucou, a seleção ficou perdida taticamente. É nítido o pior desempenho da seleção quando o Curinga ficava de fora.

Nosso querido Elano não é nenhum gênio, mas é muito, mas muito bom jogador! E entre os bons jogadores é o melhor, é ótimo, o mais regular e um baita profissional. Acho acertadíssima a contratação dele, mas ainda espero que a diretoria explique como pagará os 2,9 milhões de euros aos turcos e o salário de 500 mil reais mensais ao atleta. Até porque o ridículo balanço apresentado ontem não parece dar margem para tais gastos.

Enfim, apesar de querer explicações, só posso dizer que estou muito feliz com a volta do Curinga e que estarei domingão na Vila para recepcioná-lo. Sei que não dá mais para rebaixar o 'profexô' e o Flamengo, mas ir dar boas vindas ao bom filho que a casa torna é obrigação da nação santista. Vamos lotar! E bem que a diretoria poderia fazer umas promoções, hein?!

Vai, Santos!!!

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Paciência tem limite


Saudações alvinegras praianas e putas da vida!

Estou puto mesmo! Todos que acompanham o blogue sabem da minha admiração pela administração que o LAOR vem fazendo frente ao Peixe e ainda mais pelos bons resultados que dentro e fora de campo vem conseguindo. Os títulos no profissional, no feminino, na base selam um 2010 grandioso!

Fora das quatro linhas, o Santos vem colecionando vitórias também. Semana passada, em primeira estância, foi obtida uma grande vitória contra uma das maiores mazelas que a administração do Teixeira deixou para o clube, que foram fatias vendidas a preço de banana de nossas promessas. A Justiça determinou que o contrato feito era lesivo e que o Santos poderia devolver a quantia recebida pela DIS, na época a grande parceira do MT, para ter de volta as cotas perdidas de seus atletas. A vitória foi importante, pois fez com o que o Peixe não repassasse uma paulada de U$ 2,5 milhões para a DIS.

Além das vitórias judiciais, planos de marketing agressivo que permitiram a manutenção de Neymar no time e vinda de Robinho. Fora agora a possibilidade de trazer outros grandes jogadores. De fato, eu estou feliz. Mas minha felicidade não abre brecha para eu ser tratado como trouxa.

Uma das principais bandeiras do LAOR era a questão da transparência, prestação de contas sobre tudo para o sócio. E eu sou um e estou realmente decepcionado sobre a atitude que nosso presidente, junto com a diretoria vem tendo em relação a este assunto. A campanha prometia publicação de balanços trimestrais, o que é bastante ousado e nada usual, mesmo entre os clubes mais organizados.

Hoje, dia 30 de novembro de 2010, o Santos publicou os resultados do primeiro semestre. Críticos mais ferrenhos da atual administração já estava cornetando bastante sobre o motivo desses valores estarem demorando a aparecer. Eu mesmo fui em defesa da atual diretoria. Achava que realmente era improvável que a promessa fosse cumprida neste primeiro ano devido ao caos que o clube se encontrava. Mas aí, hoje, vi que eu estou sendo feito de palhaço mesmo...

O balanço publicado pelo Santos é obscuro, não passa de planilha (mal) feita em Excel, sem detalhamentos, sem uma parte reservado ao futebol, sem um relatório explicativo. Um lixo! Sei que santistas acharão ruim, mas custa muito copiar os modelos de relatórios do Corinthians, do São Paulo e até mesmo dos relatórios que eram publicados na época do Teixeira?

Não é que eu quero uma planilha bonitinha, com símbolo do Santos, com frescurinhas. Primeiro que um relatório 'limpo' é obrigação de quem quer fazer uma administração transparente. Segundo, não dá para ter idéia do que está composto em cada valor, ainda faltam explicações sobre os impactos das campanhas de marketing ousadas, tanto no que se refere a receitas como no que tange os custos, casos da permanência do Neymar e vinda do Robinho.

Nos relatórios apresentados pelo MT, pelo menos a gente tinha a certeza da picaretagem. Agora não dá para saber nada! Mas do que pouco deu para ver, com certeza a ousa receita de R$ 100 milhões de reais pretendidas por LAOR não virá sem a venda importantes jogadores.

Até minha paciência com essa diretoria que admiro tem limite. Eu nem vou postar o link aqui daquelas planilhas que chamaram de balaço, porque - parafraseando o Coronel Otávio, em Tropa de Elite I, quando o Matias apresenta a mancha criminal - para mim esse relatório não existiu!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Mais uma virada... chega logo, 2011!


Saudações alvinegras praianas!

Mais uma vez o Peixe derrapou, mesmo depois de abrir 2 a 0 e mostrar bom futebol, o Avaí virou, usando a força de seu estádio e a inspiradíssima tarde de Caio.

Não tenho muito a falar do jogo, até porque não consegui acompanhar nada além dos melhores momentos. É bem verdade que com escalação de do Sandro Meira Ricci, eu já esperava a derrota do Santos, este é o árbitro mais caseiro do Brasileiro. O Léo inclusive cobrou mais seriedade do árbitro que não marcou faltas em Neymar e Keirrison, nos dois primeiros gols. O árbitro também apitou o polêmico jogo no Barradão, o Santos perdeu por 4 a 2 e um show da “ladroagem”. Por esse histórico, achei que a derrota era quase inevitável.

Mas ainda sim, era apenas o Avaí, o jogo estava novamente com o placar com 2 gols de vantagem para nós e perdemos. Claro que isso não mostra o que será o Peixe em 2011, mas dá uma chateação incrível. Agora só resta o Flamengo na semana que vem, temos a obrigação de vencer e é uma pena que não há mais a chance de rebaixar o Luxa.

O que resta em 2010 é ver o que Santos arma para 2011, um jornal da Turquia dá como certa a volta de Elano, que brigou com o técnico do Galatasaray. É um grande nome, acho o Elano o cara mesmo. Aliás, é o único nome que me animou até agora dos ventilados. Carini, Fabrício, Amaral... que LAOR nos livre disso. Enfim... é tempo de esperar.

Vai, Santos!!!

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Critério é o que falta para a arbitragem

Critério é o que falta para a arbitragem

Um campeonato é decidido apenas no apito? Com certeza, não. Mas é claro que possui uma influência por vezes letal. Em 1995, o Santos sofreu com essas decisões ‘arbitrárias’ e estapafúrdias. Mas é claro que o Peixe teve chance de resolver o jogo em outros momentos e não ficar na mão do árbitro. Não tivesse tomado uma saraivada no primeiro jogo da final no Maracanã e não tivesse perdido outros gols no fatídico jogo do Pacaembu, talvez o Peixe tivesse colecionando nesse ano de 2010, seu décimo título nacional. Apesar das falhas do Peixe, aquele título será lembrado sempre como o título em que um árbitro foi ‘campeão’.

O Cruzeiro perdeu na semana retrasada para o Corinthians por conta do pênalti assinalado no Ronaldo? Não! Definitivamente, não. O Cruzeiro foi mais time que o Corinthians durante todo o jogo, mas perdeu gols, chances, tentou cavar algumas faltas, poderia ter finalizado melhor as oportunidades que criou. Mas não o fez, e no fim do jogo, um pênalti que gerou muita polêmica. Para mim, pênalti. Sem dúvida nenhuma sobre Ronaldo, mas eu sou daqueles que endossa a reclamação dos mineiros contra a arbitragem.

Eu não sei se é má fé, mas verdade é que o que irrita nos árbitros brasileiros é a falta de critério. Em 1995, Márcio Rezende de Freitas e o Bandeirinha, que não vou lembrar o nome, validaram um gol impedido de Túlio, um lance onde era difícil marcar, onde com certeza havia dúvidas, mas na dúvida é pró-ataque como recomenda a Fifa (nem sei se era daquele tempo a recomendação, mas o bom senso diz isso, o esporte vale pelo gol e ele tem que ser privilegiado). Mas não dá para entender como os mesmos árbitro e bandeirinha anularam o gol do Camanducaia, que não estava impedido, onde claramente ele partiu de trás, mas como poderia haver dúvidas e isso é válido, não dá para entender mesmo eles não utilizarem o mesmo critério que usaram para validar o gol do Túlio.

O mesmo se aplica no jogo do Cruzeiro contra o Corinthians, houve uma carga do Willian sobre o Wellington Paulista, muito semelhante a que o zagueiro Gil fez em Ronaldo. O pênalti que o Júlio César fez em Tiago Ribeiro também está na mesma linha de quem marca falta nesse tipo de carga que o Ronaldo sofreu. Foi pênalti em Ronaldo? Claro que foi. Mas não dá para entender por que motivo os outros não foram. Por que os impedimentos só contra o Cruzeiro foram assinalados. Isso é que não dá para entender.

Não sei se é má fé, mas é essa falta de critério e que geralmente beneficia um time específico um time durante o campeonato é que irrita bastante o torcedor brasileiro. Não dá para entender e é para ficar perplexo com o protesto do Corinthians contra a arbitragem no Barradão ontem, sendo quem foi beneficiado mais uma vez pela arbitragem foi o time de Parque São Jorge.

Ontem, foi muito pênalti do Ralf, e a falta não era passível de amarelo, pois o jogador estava displicentemente com o braço aberto e a bola pegou no braço dele e ele estava levando vantagem na jogada, mas ele não teve a maldade de cortar a bola. Depois teve o pênalti do Júlio César no jogador Adaílton, teve o impedimento mal marcado no gol do Júnior e ainda teve um impedimento não marcado e quase sai um gol do Jorge Henrique. E o bandeirinha que permitiu a jogada do Jorge Henrique foi o mesmo que anulou o gol do Júnior. De todos os lances polêmicos, só o pênalti no Ralf foi marcado. Poxa, Corinthians! Você é o único que não pode vir com história triste nesse campeonato por conta de arbitragem, mesmo perdendo foi ajudado.

O que nós torcedores e mesmo os times gostariam não nem que todos os árbitros apitem de mesma forma. O futebol é extremamente interpretativo e eu acho legal que haja formas arbitrar, aquele árbitro que seja mais rigoroso, o que deixa o jogo correr, isso aí faz parte do folclore do futebol, é bom para as análises, faz com que os jogadores também pensem nisso. Eu acho legal isso.
Mas um árbitro precisa ter o mesmo critério, não dá para que ele em um mesmo jogo apite de formas diversas jogadas semelhantes, isso quebra qualquer preparação, ritmo de jogo e é claro que gerará inúmeras reclamações, uma vez que poderemos questionar o motivo do árbitro apitar tal jogada de um jeito e uma semelhante de outro. A credibilidade cai enormemente e não é para menos mesmo. Se o critério da dúvida fosse levado porque é esse o que bandeirinha e árbitro acreditavam, em 1995 e ontem no Barradão, as histórias seriam diferentes. O Peixe já teria 10 títulos nacionais e o Vitória daria um enorme passo para ficar na primeira divisão.

E, sinceramente, não acho que só recurso eletrônico, pura e simplesmente, resolverá os problemas. Mas isso é assunto para outro texto.

Só para fechar, parece que há algo de 5 em 5 anos para manchar o Brasileirão. 95, nem falo mais nada. 2000, foi aquela Copa ridícula, com time não sendo rebaixado e final onde o Vasco quase gera uma tragédia. Em 2005, Zveitão foi quem ditou o campeão e Márcio Rezende de Freitas ‘recebeu’ o título de bi-campeão. E agora... enfim... vamos esperar para ver.

Vida longa ao Reymar!

Saudações alvinegras praianas e desempacadas!

Ah... vencer! O doce sabor da vitória. Sim, como já me fazia falta. Eu estava saudoso de vitórias e ontem ela veio, parecia que não iria vir, mas veio com goleada e show de Reymar. Santos 4, rebaixado Goiás 1. E bem feito!

Olha, se tem um time que é uma pedra no sapato do Santos é esse tal de Goiás. Sempre quando o Peixe está em alta, vencendo grandes jogos, vai lá o Goiás encher os pacovas. Ano passado mesmo, claro que o Peixe não estava abafando, mas perdeu duas vezes pro esmeraldino do Planalto Central. Desde os tempos do Rei Pelé é assim...

O jogo estava bem morno, aliás, ruim mesmo. O Goiás sabendo dos outros resultados, como o do Avaí, Atlético Mineiro, via cada vez mais remotas mesmo as chances de escapar do rebaixamento. O Santos em ritmo de férias, desinteressado. Ainda sim, o Goiás saiu na frente e logo o Santos empatou, tudo ainda no primeiro tempo. Aliás, belo gol de Danilo que para mim merece mais chances, mas tem que lembrar que é apenas o Danilo. Outra boa notícia foi a belíssima volta de Arouca, um monstro como sempre. Joga muito.

Fiquei feliz em ver o Santos reagindo novamente, assim como foi no jogo do Atlético Mineiro, onde o Peixe levou a virada, mas ainda foi buscar o empate. Claro que ainda era pouco para o time que o Santos tem. O Marquinhos perdeu um gol à La Whasington! E esse é o cara que eu não sei se deve mesmo ficar para o ano que vem, está se arrastando, está achando que não tem que provar nada mais e que já é seu direito vestir o manto sagrado. Não, Marquinhos! Você está errado e tem que comer a grama todo jogo, pois seu lugar não é cativo no time. E espero que o Adílson esteja atento a isso.

O segundo tempo começou e a fera acordou. Hoje em dia não tem para ninguém, ele é o Rey: é o Reymar! Não adianta, o Conca é muito bom, é regular, jogou todas as rodadas do Brasileirão, vê o jogo como poucos, mas o Neymar é o Rey, é Reymar. É bom demais vê-lo jogar, é daqueles jogadores que serão, de fato, lembrados por muito e muito tempo.

É tão gênio o nosso menino que tentou inventar mais uma arma de bater pênalti. Mas virão os chatos falar que não valeu, que ele tomou o amarelo e blá blá blá. Mas a verdade é que ele tentou, acho que se inspirou nesse lance de futebol americano.


Depois, nossa Jóia foi lá e bateu normalmente e fez o gol. E ainda fez mais dois belos gols, sendo o último especialmente bonito, mostrando que o moleque é realmente diferenciado. O Santos voltou a vencer e Reymar a brilhar! Isso é importante e isso me deixa feliz.

E penso o seguinte, deixa o moleque fazer o que quer, dependendo da opinião dos médicos. O Santos pensa em antecipar as férias da Fera para dar-lhe um descanso justo, merecido e necessário, uma vez que ele terá seu retorno aos gramados antecipado pelo Sul-americano Sub-20, em janeiro, que dará vaga para as Olimpíadas-2012, em Londres. Mas Neymar diz que não quer descanso, quer jogar bola, quer fazer história.

Com os gols de ontem, além de o Santos alcançar o mesmo número de gols que o Santos marcou no ano de 1963, Neymar, com 42 gols, se tornou o vice-artilheiro do pós-Pelé a marcar mais gols em uma só temporada, perdendo apenas para Chulapa, com 45. Como o Peixe tem mais dois jogos, a Jóia pode ultrapassar tal marca e ter ainda nesse ano mais destaque na história do Glorioso Alvinegro Praiano e do futebol.

Se os médicos não reprovarem, não verem risco claro de ele se contundir, eu não tenho dúvidas em cantar: Vai pra cima deles, Neymar! Senão, que nosso garoto entenda que tem a hora em que deve se proteger para ter uma carreira sempre bem fisicamente.

Agora teremos mais dois jogos contra times que lutam contra o rebaixamento, Avaí, no próximo domingo lá na Ressacasa, e Flamengo, na Vila. Desses dois, acho que o Santos pode rebaixar o Flamengo e explico. O Avaí na última rodada pegará o Atlético Paranaense que já não briga praticamente pela vaga da Libertadores e não é bicho de 7 cabeças, mesmo na Arena da Baixada, dá para o time de Guga vencer. Já o Flamengo pegará na próxima rodada o Cruzeiro brigando pelo título e fecha o ano contra o Santos, na Vila, com o time tentando alcançar números históricos.

Rebaixar o Flamengo seria demais, ainda mais com o Luxa técnico deles. Seria sensacional e é bastante possível. E acredito que a torcida do Santos deverá comparecer em massa para o último jogo, para fazer festa e prestigiar aquele que foi, de longe, o melhor time do Brasil em 2010 e cantar para Luxa: ão ão segunda divisão.

Pra cima deles, Santos!!!

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Santasticamente empacado

Saudações alvinegras praianas a todos!

Olha... escrever sobre o Peixe está difícil. Além de ter pouco o que falar, o time vem dando um desgosto, está com uma falta de vontade que contagiou este blogueiro. Impressionante!

Empacou o negócio! Desde 2008, o Peixe não vive uma seca de vitórias tão grande. No segundo turno deste Brasileirão, estamos lutando para não cair. A nossa última vitória foi contra o Inter, em Vila, por partida válida ainda pelo primeiro turno. Pode? Não é para crise, mas a falta de empenho de alguns jogadores não deveria ser tanta também.

Os dois últimos jogos do Peixe no Brasileirão até foram emocionantes, bons jogos. Sobretudo contra o Galo, o reencontro com Dorival foi a última cena para calar a boca da crítica e pararem com as matérias que sempre citavam rusgas do antigo técnico com nosso Glorioso Alvinegro Praiano. Todos foram abraçá-lo! Todos! Neymar foi o último e foi uma belíssima cena. Dessas coisas que a gente vai se lembrar com muito carinho.

O jogo foi pegado, o gramado ruim, teve parada do jogo, duas vezes, por conta de problemas elétricos do estádio, que foi castigado por um belo temporal. O Peixe saiu a frente, levou a virada e chegou ao empate. Por esses acasos da vida, os dois do Peixe foram de Neymar. Eu fiquei até animado com esse jogo, pois o time reagiu, naquelas, mas reagiu, coisa que não vinha acontecendo.

Contra o Grêmio, no último final de semana, o jogo foi bom também. O Peixe foi para cima, Adriano Pagode vem mostrando que pode ser útil e até cavou a expulsão de Jonas. O Grêmio praticamente não jogou, o Santos teve ótimo volume de jogo, mas faltou capricho nas finalizações. Ainda mais sem Neymar que tinha levado o terceiro amarelo contra o Galo, o Santos simplesmente não conseguiu aquele arremate das jogadas. Mas aí surge a grande chance, aquela que é quase gol! Um pênalti e Neymar, que vinha perdendo quase sempre, nem estava em campo. Ótimo! O torcedor pensou: "agora vai!". E foi... foi para casa do caramba! (para não usar outro termo)

Mais um empate e agora sem gols. Isso irrita, mesmo sabendo que nada de mal vai acontecer. Mas penso o seguinte, o Santos tem três rodadas pela frente e tem que vir três vitórias, menos que isso não dá. Sério mesmo! E vamos pegar Goiás, Avaí e Flamengo. Só refugo do refugo. Por que três vitórias? Porque tem acabar o ano bem e com derrota não dá.

Batista

Sabe que eu não tenho boas lembranças de alguém com sobrenome Batista no Peixe. O último foi o Nelsinho, lembram? Ai ai ai... Uma porcaria e tem aquele resultado lá que é bom nem evocar. Mas enfim...

Eu cheguei a postar que não gostaria do técnico no comando do Santos, mas agora que está lá, fazer o que? Tem que apoiar e vou fazer minha parte. Mas como eu temia, ele veio um tanto melindrado. Dizem que só acertou quando parte do staff que ele exigia acertou também.

Acho que tem muito emprego duplo lá na Vila, mas Adilson não queria se sentir isolado, quis se cercar dos seus. Temos que esperar, mas acho que já houve, mesmo com a aceitação das exigências, um acerto logo de largada. O novo técnico só começará a trabalhar de fato com o time depois do Brasileirão. Isso é bom, pois pelo menos não vincula o trabalho do técnico a esse marasmo que está o time. Isso já poderia desgastar a relação com a torcida e com parte do conselho que é reticente em relação ao técnico.

Nesse sentido, acho que seria uma boa o Santos antecipar férias para os titulares. Tem que testar quem precisa ser testados - se fizer isso, até não ligo que não venham as três vitórias. Vamos ver zagueiros, laterais do sub-23, atacantes, esse Moisés, vamos ver o Keirrison diz ao que veio, o Madson ver se quer mesmo ficar para o ano que vem. É o momento.

Aliás, nesse sentido, acho que o jogo do Vasco foi um bom momento para olhar isso. E já vejo a batata assando de alguns. Esse Felipe Anderson, ai ai ai... Vamos esperar para ver no que dá.

Fim de semana tem o Goiás, espero que os jogadores mostrem mais vontade, pelo menos! Pelo menos!!! Até porque tem muita gente em teste para o ano que vem.

Pra cima deles, Santos!!!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Santos pós-conquistas: Honra, Dorival, Bielsa, Dupla, Rei...

Saudações alvinegras praianas!

Depois de longo inverno, vamos tirar a teia do blogue e falar um pouco do Santástico. Sim! Sempre será Santástico!

Na última vez em que escrevi, o Santos estava no topo, senhor do Brasil, senhor do melhor futebol de 2010. A famosa relaxada se instaurou na Vila e o Santos caiu muito de produção. Robinho não ficou, Wesley foi embora, além do André. O Santos se perdeu um pouco e mas por muitas vezes fez o torcedor sonhar com a possibilidade da tríplice coroa, mesmo meio a tanta tempestade. Mas os últimos quatro jogos enterraram de vez qualquer pretensão do Peixe.

Virada contra o São Paulo e Prudrente, depois amargos empates contra Inter e Vitória, com todos os jogos o Santos saindo do zero primeiro. Exatos 10 pontos foram perdidos, exatamente o que nos daria a liderança com folga. Todos resultados foram derrotas imensas do Santos e que isso sirva de lição para o ano que vem.

Contra o São Paulo, no Morumbi, falou capricho na pontaria. O Santos tinha mais time, jogou mais, mas faltou fazer os gols. Contra o Prudente, a grande vergonha. Perder para o lanterna do campeonato, saindo com 2 a 0 a favor no primeiro tempo, em casa, é inexplicável, é inaceitável, é irresponsável. Contra o Inter, no Beira-Rio, o Santos jogou demais novamente, mas dessa vez bateu de frente com um outro grande clube e uma arbitragem para lá de caseira.

E ontem? Ah... ontem foi o jogo do descaso, o jogo de finados. Sim. Acho que esse é um bom termo, finados. O Santos jogou ontem com o pensamento do campeonato já morto após o empate no Sul. Em casa e para algumas testemunhas, um time muito desfalcado e totalmente sem vontade jogou contra um Vitória um pouco organizado, mas muito fraco tecnicamente. Mesmo com os desfalques, em condições normais, o Santos tinha que meter 3 no Vitória, sem erro e sem sustos. Mas ontem não, ontem deu um empate, onde quem perdeu foi o futebol, pois a bola foi maltratada por demasia. Ontem, aula de não-futebol, o que é preocupante para aquele que foi, sem dúvida, o melhor time do ano.

O Santos vê acabar de forma melancólica seu ano magnífico e isso é ruim. Martelotte tem toda razão: “não podemos acabar o ano como um time comum”. Não podemos mesmo, o Santos pode mais, parodiando o slogan do LAOR, usado de for vil pelo vampiro Serra. Mas é preciso que diretoria e comissão técnica cobrem dos jogadores a promessa que os próprios jogadores fizeram: honrar a camisa do Santos. Ontem, infelizmente não foi isso que vimos, com exceção de Neymar e Rafael. O resto andou. E isso não pode se repetir.

Dorival, Técnicos... Bielsa?

Boa parte do que está acontecendo com o Santos hoje se deve a falta de um técnico mais experiente que saiba armar melhor a equipe e extrair aquele algo mais dos jogadores. Eu ainda estou triste com a saída do Dorival. Ele é o grande técnico para o Santos, já tinha previsto isso muito antes de ele chegar ao Peixe. Santos e Dorival era o casamento perfeito, mas até mesmo os casamentos perfeitos tem seus altos e baixos.

O Santos deveria ainda estudar uma reconciliação, eu acho que seria o melhor. O Santos seria imbatível em 2011, não tenho dúvidas disso. Mas infelizmente, sei que o orgulho no futebol existe e desaparece nas horas erradas. E o orgulho fará com que o Santos não volte atrás em sua decisão, e digo de antemão que foi acertada em um primeiro momento. O Dorival tinha que sair mesmo, mas, como em uma boa história de amor, o Santos deveria ir à cavalo buscá-lo para consagrá-lo novamente comandante do esquadrão da Vila.

Mas já que isso parece que não vai acontecer e o plano B, Abelão, também não virá, eu só espero que Adilson e Autuori também não desembarquem por lá. Cruzes! Adilson viria cheio dos melindres depois do que lhe aconteceu no Corinthians. O Autuori para mim é ruim mesmo, não vejo qualidade, posso estar errado, mas acho que seria a derrocada.

Hoje saiu no jornal que o Bielsa está saindo do Chile, pode aceitar um convite do Boca. Vejamos, o Bielsa é o cara que monta times para frente. Não é possível que o Boca, em uma baita crise, consiga montar uma proposta que seja mais interessante que qualquer grande Brasileiro. Acho que o Santos poderia ir atrás de El Loco, sim. Seria uma saída bem mais interessante que os outros cotados ao cargo atualmente.

Ganso e Neymar

A dupla dinâmica do Santos é uma incógnita para o ano que vem, não por seu futebol, mas por seu destino. Isso não é informação, é feeling, assim como boa parte das coisas que escrevi aqui e acabaram de certa forma acontecendo. Essa, eu vou torcer muito para que eu esteja profundamente errado.

O caso NeymarXDorival ainda persegue um pouco a jóia. Neymar tem que superar isso, e vai. Mas a forma brutal com que a imprensa o tratou, e parte da torcida também, tenho certeza que pesará demais em uma próxima proposta que ele vier a receber. Não sei se ele permanecerá além do meio de 2011, salvo se o Santos conseguir a Libertadores. Aí, tudo muda, pois teremos um mundial pela frente. O LAOR terá que ser mais genial do que já vem sendo para segurar as pontas do Peixe e da Jóia até lá.

Ganso também está reticente quanto ao projeto de carreira proposto, reclamou de sua multa muito alta. Muito provavelmente viu que a chance de negociação, caso um time queira pagar um valor mais baixo, é improvável, visto o caso Neymar. Então, ele vem dificultando de certa forma um plano de carreira que o ajudaria muito na consolidação de ídolo, não só da do torcida santista, mas como ídolo de uma nova promessa de uma grande 10 com a canarinho. Enfim... acredito que até semana que vem teremos uma boa ou uma péssima notícia em relação a isso.

Teixeira

Esse senhor é um fanfarrão. A cidade de Santos deveria lhe virar as costas. Espero que o Santos o processe e tenha que lhe devolver o montante emprestado em parcelas suaves, que não ultrapassem a casa dos R$ 1.000,00.

Pelé

Segundo Ademir Quintino, blogueiro santista e bem informado, até o final do ano, o Peixe formalizará uma parceria com o Rei. Pelé será nosso garoto propaganda e eu não tenho dúvidas o quanto isso será benéfico. Claro que nosso ídolo máximo fará isso também porque gosta do Santos, mas ele será remunerado de forma correta, pois ele não tem que ficar fazendo assistencialismo para clube de futebol nenhum, muito menos ao nosso Santos.

E vem mesmo o museu do Rei, em Santos, pena que com projeto do Niemeyer... que coisa...

É isso aí, e que venha o Atlético Mineiro, do saudoso professor Dorival, no sábado! Vai, Santos!

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Nascidos para jogar no Santos

Saudações alvinegras praianas e campeãs!!! E muito campeãs!!!

Deu a lógica, deu o time que jogou mais, mesmo num Barrão ou Barradão, como queiram. O Santos é o novo campeão! Salve, Salve o nosso Campeão!!!

Ontem foi, como havia postado, um dia histórico. Ontem foi o dia em que os Meninos da Vila viraram homens, ganharam um título nacional, um título onde enfrentaram adversários difíceis e que são preocupação para qualquer equipe da série A. Ontem, os nossos Meninos mostraram que possuem a maturidade para serem Copeiros. Se demos banho na parte de pontos corridos do Paulistão, mostramos também que sabemos jogar com regulamento embaixo do braço, para o gasto e o possível de acordo com a situação.

E foi assim, foi nesse espírito que o Santos entrou ontem em campo com um objetivo bastante simples: fazer um gol no Vitória. E fez. O Vitória claramente teve outra postura do que a adotada na Vila, uma semana atrás, foi para cima, arriscou mais ataques. Por outro lado, se ofereceu ao contra-ataque mortal santista. A defesa do Vitória era uma baba, mas o Santos não conseguiu se desvencilhar da poderosa marcação do péssimo gramado do Barradão, esse sim fez toda diferença para que o time da Bahia não levasse um sacode.

A defesa no primeiro tempo foi perfeita, antecipou tudo. E quando não foi prudente, contou com um fantástico Rafael, o garoto garantiu o título em uma saída para defender o chute do Schwenck. Ali era um a zero claro para o time da Bahia, mas o Rafael foi bem demais. O ataque sofreu muito para jogar, o melhor em campo novamente foi o Ganso, pois era o mais lúcido e entendia a melhor forma de tocar a bola em um gramado tão ruim. Continuo achando que a CBF não poderia permitir que um clube de série A tenha um gramado tão ruim. É ridículo!

Mas mesmo assim, o Santos conseguiu com o Neymar aquela falta que parece um escanteio de calças curtas bem no final do primeiro tempo. O próprio camisa 11 foi para a cobrança e jogou a primeira tentativa de cruzamento na barreira, na volta ele colocou na cabeça de Dracena, que subiu livre e cabeceou para o fundo da rede. Gol do título! Mesmo ainda sendo no primeiro tempo, a questão é que com esse gol o Vitória teria que fazer quatro e não tomar mais nenhum.

Na volta do segundo tempo, o Vitória veio para cima, mas deu novas brechas. Robinho, Ganso e Marquinhos perderam gols incríveis. O chute do Ganso parou em uma defesa monumental do Viafara. O Santos tomou dois gols, mas como o tempo era pouco, o Vitória se acomodou, o Santos tocou a bola, foi copeiro, recebeu faltas, jogou como joga um time experiente, mesmo tendo uma média de idade baixa.


O apito final de Simon, que para minha alegria foi bem, botou definitivamente estes jogadores e o time como um todo na história dos melhores do esporte. Então, parabéns a cada um. Primeiramente a diretoria, que foi cirúrgica na contratação do Dorival. Depois foi lá buscou Robinho, Marquinhos, Arouca. Foi sensacional cada contratação, a forma de tratar os contratos vigentes. Perdeu o André? Mas tem agora em definitivo o Arouca. Infelizmente nem tudo é um mar de rosas. A comunicação do clube com o torcedor e o sócio melhorou demais. O site, o Twitter, o canal no You Tube, o álbum on-line, as ações de marketing, tudo melhorou demais. Estou satisfeitíssimo e toda torcida tem que estar. Nem oito meses de trabalho e já dois títulos, é muito bom! Fora o título recente na Copa de Juniores e o vice na Copa São Paulo! Está pé quente demais!

Outro que merece ser muito reverenciado é o Dorival. Particularmente, e me perdoem por me repetir, mas eu já queria há muito tempo esse técnico no Santos. É muito bom. E chega desse blá-blá-blá de que ele não tem comando. É ridículo. Bom! Muito bom! Às vezes eu também discordo de algumas substituições, mas num geral arma bem a equipe, extrai o melhor dela. Ele acabou com uma seca na Vila de mais de 30 anos sem ganharmos dois título no mesmo ano e a Luxa-dependência que o Teixeira instaurou. Dorival, você é o cara e que você tenha vida longa no Santos! Seja o novo Lula!

Felipe e Rafael, apesar de falarem que vocês são ruins, que não possuem experiência para atuar com a 1 do Peixe, eu acredito em vocês. O potencial é fantástico, é só relaxar. Tomara que a diretoria não invente nada! A base do Santos é vencedora e todas posições devem ser aproveitadas.

Durval, Dracena e Brunos foram bem demais também. A defesa num todo do Santos é criticada, mas isso porque a gente convive com uma crítica esportiva imbecil! Uma inteligência fraca saca que o time sofre gols pela sua volúpia ofensiva. É o lógico. Pará, Léo, Alex Sandro, jogaram demais também. Aliás, Alex Sandro foi muito bem ontem. Não é fácil substituir o Léo e o moleque arrebentou. Marcou muito e ainda apoiou nos contra-ataques. O Maranhão foi pouco usado, mas precisa melhorar. Ainda é muito instável.

Agora chegamos no melhor desse time, o meio campo e o ataque. Caramba! Que time é esse? Confunde-se um setor com o outro. Primeiro volante Arouca é a cara da ofensividade santista. Como joga o Arouca, preciso nos desarmes e toca demais a bola. Aí vem o Wesley, um gigante, apesar de não ter feito tão boas partidas ultimamente. Mas é o cara que muitas vezes desafoga as marcações pesadas feitas no Ganso e Neymar. Tem também o Rodriguinho que joga demais, se o Wesley sair mesmo, já tem substituto de mesmo quilate. Marquinhos também é genial! Como joga o cara, é um Ganso com menos marketing. Hehehehehe... Que beleza. Mas bate falta como ninguém e dá uns passes, que vou te falar! Ontem, o gol que o Ganso perdeu, foi numa bola milimétrica dada por Marquinhos.

E aí vem a frente, o pelotão! André, Neymar, Ganso e Robinho: Quarteto Santástico! André vai embora, mas fez seu nome. Vai ganhar dinheiro, menino, você está certo. Robinho também irá pelo visto, mas há uma chance de ficar. E ele tem que ficar, ele é a cara do Santos, é estar lá que ele vira um dos melhores do mundo. Seria fantástica sua permanência, aguardemos novos capítulos desse episódio. Neymar e Ganso, a dupla dinâmica. Ontem o Ney estava apagado, mas mesmo assim saiu dele o passe para o gol. O Ganso é genial, um jogador como há muito não se via no futebol, que classe, que calma, principalmente pensando que é tão jovem. É Santástico!

E os décimos segundos jogadores, os nossos reservas que mostram o poder do elenco, Madson, Zé Eduardo, até o Marcel! Breitner e Alan Patrick que são também dessa geração de Meninos da Vila e daqui a pouco brilharão tanto quanto. É muita gente boa de bola. Futebol para frente, futebol moleque, irreverente! Futebol para dar inveja e como dá inveja esse time do Santos.

Já estão falando que agora querem ver se vai ser isso tudo na Libertadores, e que não sei o que, que é um time de arrogantes. Que coisa chata. Esse Santos não é para fanáticos de outros times mesmo, é um Santos apenas para Santistas e amantes do bom futebol. E esse é um time de jogadores nascidos para brilhar no Santos e o Robinho é figura que mais simboliza isso. A realidade incomoda e para toda crise gerada por alguns eu faço meu pedido: Aham Aham põe na twitcam! Aham Aham põe na twitcam! Aham Aham põe na twitcam!


Um Santos para santistas e de jogadores nascidos para jogar no Santos! Esse é o time que está arrebentado esse ano e dá para ser tudo nosso. Ah... Canta, Santos! Como você é lindo, Santos!!! Canta, Santos meu amor!!!

E termino com todos os gols desse time que hoje é indiscutivelmente o melhor do Brasil!

E agora é tríplice coroa! Vai, Santos!!! Pra cima deles!!!

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Hoje é um dia de entrar para história


Saudações alvinegras praianas e muito ansiosas!!!

Ahhhhhhhhhh... E não chega a hora. Ainda não são nem quatro horas, mais de cinco horas para começarmos a concentração final. Que ansiedade! Eu não ficava assim desde a final contra o Corinthians em 2002. Mas a hora vai chegar e eu estou confiante em uma bela apresentação do Peixe contra o Vitória. Hoje tem um jogaço de bola que poderá colocar de uma vez por todas essa nova geração de Meninos da Vila na história dos maiores do futebol. Para mim, eles já estão aliás!

Estou muito preocupado com a arbitragem e o gramado. Simon o árbitro que vê pênaltis espíritas estará em campo, haja coração! Com ele, muitas e muitas surpresas, sobretudos as desagradáveis, podem acontecer. Espero que ele esteja em noite iluminada e apite tal qual apitou na Copa, onde fez menos feio que muito árbitro europeu. Aliás, a arbitragem européia tão elogiada se mostrou a mesmíssima porcaria do que a que temos por aqui. Não acham?

O gramado do Barradão também é preocupante, pois ele praticamente inexiste. Muita lama e areia que dificultarão o bom toque de bola de nosso time, além de ser um convite a contusões. A CBF não poderia permitir partidas da série A e da Copa do Brasil em gramados assim. O clube tem que ser mais responsável. Pressão de torcida, estádio acanhado, som, vuvuzelas, acho que tudo isso faz parte da mística de cada estádio. Mas gramado é gramado e tem que se apresentar sempre nas melhores condições possíveis.

O bom é que o Santos vai completo hoje e em quase todos os jogos deste ano balançou a rede. Se balançar a rede por uma vez pelo menos, o Vitória terá que fazer quatro gols para ficar com o título. Impossível? No futebol, isso não existe. Mas creio que o Santos tem belíssima vantagem, é só jogar sério, honrar esta camisa de tantas e tantas glórias, que poderemos gritar é campeão já próximo da meia noite.


A batalha será dificílima e todo pensamento positivo da torcida fará a diferença. Aliás, a torcida santista de lá mostrou que o time não estará sozinho no caldeirão do Barradão. E os jogadores sabem que mesmo de longe contarão com as vibrações da nação alvinegra praiana! Agora é esperar pelo momento final, está chegando! Que ansiedade!

Vai, Santos!!! Pra cima deles!!!

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Final de semana de ouro (ou quase) para o Santos


Saudações alvinegras praianas!

Que final de semana!!! Ah... eu estou ficando maluco e até quarta tudo será tensão!!! Domingo foi dia de comemorar título e de ver o mistão do Peixe fazer um partidão contra o Grêmio Prudente.

Vamos falar primeiro do jogo que foi mais importante, o Santos prepara nova fornada de Meninos da Vila e é campeão da Supercopa Eurofarma Sub-19, que foi realizada na Arena Barueri. O último jogo foi contra o Flamengo e acabou decidido nas penalidades máximas, depois do empate por 2 a 2. O time mostrou muitos bons valores, como Tiago Alves, eleito melhor jogador do campeonato. O Rafael Caldeira é muito bom zagueiro, Alan Santos também muito bom. É mais uma safra que virá dar muita alegria ao torcedor, pois a diferença do Santos para os outros times é o aproveitamento da garotada. Acho que só o Inter aproveita a base tanto quanto o Santos.

À noite, contra o Grêmio Prudente, o ex-Barueri, o Santos com um time misto meteu 2 a 1 com direito a muita emoção. Mais uma vez, por conta de um acordo burro de televisão, ficamos sem transmissão ao vivo daquele que parece ter sido o melhor jogo da rodada. O Prudente veio para cima do Santos e o Peixe se aproveitou nos contra-ataques. O segundo gol, o gol do Rodriguinho foi uma pintura, uma beleza. Marquinhos jogou demais. Zé Eduardo e Madson fizeram um grande salseiro lá na frente. O Peixe matou o jogo e quando parecia que o jogo estava morto, o Prudente veio para cima de novo, fez um gol e ainda perdeu dois pênaltis. São Rafael é que brilhou então.

Que jogaço! Só que estou puto com o pessoal que agora está babando o ovo do Rafael. Até de goleiro Nescau (bateu, tomou) já tinham chamado o menino. Como eu venho defendendo sempre aqui nesse espaço os bons goleiros que o Santos têm, para mim não foi nenhuma surpresa. Goleiro precisa de confiança e apoio, se tiver técnica, vai longe. Parece que depois desse jogo, a técnica já presente no Rafael, vai ter a companhia do apoio e da confiança da torcida.

Não bastasse tudo isso, o Peixe marcou seu gol de número quinhentos na era do Brasileirão de pontos corridos. Não é mole, não! Melhor não poderia ser esse final de semana que antecede a finalíssima. Mas como estava tudo tão bom, sempre vem uma nota de pesar.

Lamentavelmente, a juventude brasileira (e até mundial, quer saber!) não sabe lidar muito bem com as maravilhas que a tecnologia trás. Puxa vida, você poder transmitir ao vivo um comentário seu, tal qual faz uma TV, um rádio, não é supergenial? Com certeza é, mas as crianças ainda precisam amadurecer para entender isso. E a falta de maturidade e o excesso de badalação é o que ainda pune um pouco o elenco do Santos, que ainda queima o seu filme. O episódio envolvendo o Zé Eduardo, Madson e o Felipe ontem foi fato isolado, coisa da juventude. O Robinho, Neymar tentaram avisar que isso não era uma boa idéia, e não era mesmo. Agora a imprensa, que em boa parte não gosta de ver esse futebol bonito, sem pragmatismo, que não gosta de ver principalmente um time que não é da Capital com tanto holofote, tem muito material para ficar falando bobagem do time do Santos e deixar de falar do bom futebol que voltamos a praticar. E vão deixar de dar o destaque devido ao jogão que será contra o Vitória, em um Barradão abarrotado.

Enfim, eu sinceramente não vi nada demais. Vi apenas uma brincadeira de MSN, de chat. O que os meninos não entendem, é que tudo o que eles fazem ganham repercussão maior do que é o normal e por isso devem tomar cuidado. Acho que a Diretoria deve apenas tomar a atitude de instruir a maneira correta de utilizar esse tipo de ferramenta e conscientizar a molecada de quem eles são. E eles são grandes jogadores que defendem o Santos Futebol Clube, uma das mais instituições do mundo do futebol.

Mas é isso aí! O negócio é bola para frente e muita concentração até quarta. Eu já estou roendo a mão, pois as unhas e os dedos já foram. Vamos concentrar nesse jogo que pode ser fundamental para todos, é o jogo de um título inédito, é o jogo para eles entrarem de vez para história dos grandes jogadores do Brasil e do Mundo!!!

Vai, Santos!!! Pra cima deles!!!



sexta-feira, 30 de julho de 2010

Uma paradinha na cavadinha

Por Mauro McFly

Assim como a paradinha, a cavadinha no pênalti desperdiçado por Neymar foi a polêmica que envolveu o primeiro jogo da final da Copa do Brasil.

Vi que o assunto deu pano pra manga na maioria dos programas esportivos, e as discussões sem fim tinham o objetivo não alcançado de classificar a atitude do garoto, como “irresponsabilidade” ou “irreverência”.

O fato é que, na minha humilde opinião, não foi nem uma coisa e nem outra. Foi, sim, “imaturidade”. Ou falta de “malandragem” mesmo. “Cabacisse”, pra melhor dizer.

Em entrevista coletiva, o técnico Dorival Júnior defendeu seu pupilo e afirmou que o próprio treina pra cobrar assim e continuará cobrando da mesma forma. Por outro lado, jornalistas indignados com a frieza de Neymar, desceram a lenha no novo camisa 7 da seleção chamando-o de irresponsável.

Tudo bem que Neymar pode treinar assim e ter segurança para cobrar seus pênaltis com cavadinha, mas acho que não se pode abusar de um recurso tão incomum a toda hora.

O que faltou foi orientação, já que Neymar não tem essa maturidade toda que se espera dele com apenas 18 anos. Alguém chegar no ouvido do garoto e orientá-lo a bater no método tradicional, já que o estádio inteiro estava rezando pra ele não bater com cavadinha, pois se tratava de uma final.

Ou seja, eu imaginava a cavadinha, o estádio imaginava a cavadinha, o país inteiro imaginava o estilo Loko Abreu... Você acha que o goleiro do Vitória ia escolher um canto e pular?

Pois é, é isso que falta. Malandro e talentoso Neymar é. Só falta saber o momento certo de usar essa malandragem.

@mauromcfly
www.bloglorioso.com

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Primeira missão: Cumprida!

Saudações alvinegras praianas e já com a garganta se preparando para o grito!

O Santos ontem foi o que esperamos! 2 a 0 contra o Vitória e foi pouco, poderia ter sido mais. 4, 5, 6 a 0 ontem não teria sido exagero nenhum pelo que o Peixe aproveitou. A primeira missão foi cumprida, mas ficamos com aquele gostinho de que já dava para ter resolvido.

E não falo isso pelo pênalti perdido por nosso querido Neymar, que é craque, mas é jovem e lhe faltou malandragem ao bater a penalidade. Ali o goleiro tinha nitidamente deixado claro que não pularia, falou a malandragem de perceber isso. Mas o garoto tem crédito demais, assim como todo este time.

Mas de fato abusamos de perder gol ontem. Robinho, André, Ganso e Zé Eduardo perderam chances claríssimas de gol, chances que não estávamos desperdiçando no primeiro semestre e por isso fomos um ataque tão arrasador. Ainda continuo com o sentimento que está faltando ao Santos sorrir, ser mais alegre. Acho que eles estão pressionados demais, se sentindo assim sobretudo. A comemoração do gol do Neymar, de joelhos, agradecendo e não fazendo dancinhas é que me chateia. Tem que dançar, fazer as molecagens mesmo, aí a 'cavadinha' vai voltar a funcionar.

O placar obtido ontem foi sensacional. Apesar de ter aquilo que poderia ter sido mais, fazer dois gols e não tomar nenhum é um baita resultado. Agora na volta, se o Santos fizer um gol lá, o Vitória precisará fazer quatro, se fizer dois, o Vitória cinco. Ou seja, foi um ótimo passo. E a postura do time ontem de marcação sobre pressão foi demais, se repetir isso no Barradão, o título virá para a Baixada Santista.

Todo mundo jogou muito bem ontem. Quer dizer, só o Marcel que não muito. O André todo mundo criticou, mas eu achei que foi muito bem e o Santos marcava mais a frente com ele em campo. E o Ganso... o Ganso é gênio! E o Dorival mostrando que é muito técnico não sacou o Neymar como o de costume para não queimar o menino, deu moral. Boa, Dorival!!!

E deixo só uma bronca de ontem, para torcida do amendoim santista: vão torcer para o Palmeiras, para o Corinthians, para o São Paulo, para essa gente que fica pesando encima do Neymar, de todos Meninos da Vila, do estilo irreverente, dos que se roem de inveja e ficam falando que isso que o Santos joga não é futebol, que é ruim, que eles são malas. Se você pensa isso também, deixe o Santos, por favor! Nós não precisamos de vocês.

E é isso aí! Semana que vem tem o jogo final e o Peixe tem tudo para levantar esse título inédito. Haja coração!!! Como eu estou nervoso. hehehehehehehehe

Vai, Santos! Pra cima deles!!!

terça-feira, 27 de julho de 2010

É amanhã!

Saudações alvinegras praianas e finalistas!

É amanhã nação santista! É amanhã que o Peixe pode começar faturar o ano por antecipação. É amanhã o dia em que o Santos pode começar a se tornar o primeiro Paulista a vencer todos os principais títulos possíveis a um clube brasileiro (Flamengo, Inter e Grêmio já fazem compõem este grupo seleto). Amanhã, na Vila mais famosa do mundo, no templo maior do futebol, na morada do Rei do Futebol, o nosso Glorioso Alvinegro Praiano jogará contra o Vitória da Bahia uma partida histórica, a partida para colocar de uma vez por todas este atual elenco no hall da fama, no hall dos maiores times de todos os tempos, não só do Santos, mas como do próprio futebol.

O jogo não será fácil, o Vitória tem uma grande equipe e isso não é discurso de boleiro apenas, isso é fato. O Santos para ser campeão precisará vencer bem neste primeiro jogo, pois lá no Barradão o clima será de guerra. E para vencer amanhã, o Santos contará com seu Quarteto Santástico, com o verdadeiro Quadrado Mágico do futebol, com Robinho, Neymar, André e PH Ganso, os selecionáveis de Mano mais festejados. E que essa convocação tenha sido motivo para empolgar mais a garotada, para trazer a alegria de volta a nossa rotina. Como eu já tinha dito aqui, o Santos precisa voltar a sorrir, ser feliz! Pois assim não tem para ninguém, o melhor futebol do mundo aparecerá, jogadas belíssimas e grandes vitórias serão conseqüências naturais.

Além do Quarteto Selecionável, teremos Wesley, Arouca, Durval, Pará, Alex Sandro, Marquinhos, Bruno Rodrigo, Zé Eduardo, Madson, Felipe, Rafael, Marcel e todo elenco do Peixe, que não desaprendeu a jogar, que é muito bom. O Santos encantou no primeiro semestre e precisava voltar a ter alegria no segundo semestre para retomar o bom futebol.


Motivos para voltar a ser alegre agora tem de sobre, visita e apoio do Rei, acabou de vencer um clássico, tem quatro jogadores convocados para a seleção, a torcida apareceu hoje na Vila, mesmo com chuva, e mostrou que está ao lado do time. Ou seja, não tem motivo mais é para demonstrar aquela sisudez, aquele nervosismo, aquelas tentativas de resolver cada um sozinho. O Santos deve começar a voltar a tocar a bola, a fazer molecagem, driblar, sim, mas toques de efeito são ainda mais desconcertantes e muito mais efetivos para sair um gol. E nisso o Santos é muito bom.

E ainda estamos de caranga nova. Gostaram do novo Mercedão? Esse Baleião ficou demais para mim!


E para finalizar, ouçamos o recado do Rei!


Aliás, parabéns a diretoria do Peixe que tem se comunicado com o torcedor, via site, via Twitter, via Youtube, promoções, vários vídeos. Muito legal! Não sei como são os outros times nesse quesito, mas a TV Oficial do Santos é genial e comunicação pelo Twitter sensacional!

É isso aí! Amanhã o bicho pega na Vila e o coração estará a mil! Vai, Santos!!! Pra cima deles!!!

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Renovação na seleção? Só nos nomes....


Para falar da seleção eu poderia começar mudando a frase para: Saudações verde-amarelas! Mas não é incorreção nenhuma começar com “Saudações alvinegras praianas!”

Mano Menezes faz sua primeira convocação e tem como base ofensiva o ataque que mais criou e fez gols no Brasil em 2010, o ataque do Peixão. O Santos emplacou 4 jogadores nesta primeira convocação: André, Neymar, Ganso e, ‘o veterano’, Robinho. Mas falemos de tudo e não só do Peixe, pois a seleção merece mais atenção.

Primeiro que para mim, Mano Menezes já chega com uma boa desculpa para ser mandado embora. O ex-técnico do Corinthians foi a terceira opção da CBF. A entidade está sem crédito mesmo e grandes técnicos não quiseram largar compromissos certos com seus atuais clubes para entrarem na gelada incerta que será comandar a seleção brasileira, que, ao contrário que foi na Era Dunga, sofrerá muito mais influência nas convocações por parte da opinião pública e patrocinadores.

Sinceramente, eu não gosto do trabalho do Mano. O único título de expressão nacional na carreira dele foi uma Copa do Brasil, é muito pouco para um treinador assumir o cargo máximo do futebol brasileiro. Tudo bem que antes estava lá o Dunga que nunca nem tinha sentado em um banco como treinador de um time várzea, mas se a idéia não é insistir nos erros, vejo que novamente vamos colocar um treinador com pouca experiência e ainda pouco vitorioso. Corinthianos podem falar mais do que eu, o Mano é mais um futebol de resultados, retranqueiro e acaba se perdendo muitas vezes por isso.

Felipão era o preferido da CBF e da maioria dos brasileiros. Mas Ricardo Teixeira queria quase um pedido de desculpas do técnico pelo último ‘não’ para fazer um convite oficial para ele. Felipão é vitorioso demais e está ganhando muito no Palmeiras para se rebaixar a esse papelão. Muricy era o segundo da lista, mas o técnico, que tinha apalavrada uma renovação de contrato com o Fluminense por dois anos, preferiu cumprir sua palavra e recusar o convite de assumir a seleção, mesmo depois de um oba-oba incrível que o dava como novo técnico da seleção. A cena foi de pastelão, eu nunca tinha visto algo tão mal feito, negociado, pensado e ridículo em termo de seleção. Apesar que eu acho que isso tudo foi um circo. Adílson já estava acertado com o Corinthians antes mesmo de o Muricy responder se iria ou não para seleção. Então, entendam como quiserem.

A credibilidade da CBF é a mesma que a de muitos políticos. Ninguém em sã consciência nega a seleção brasileira por negar. Nega porque sabe que o negócio é feio, tem politicagem demais, porque tem que ficar sob a batuta de um ditadorzinho. E talvez nisso o Mano se enquadre melhor mesmo, já que ele caminhava muito bem e bem do jeito que o Andrés Sanchez queria no Corinthians.

Mas eu acho que começamos mal de novo. Mais um treinador, mais uma limpeza e mais uma vez a idéia está errada. A questão da seleção não é o bom ou o mau humor, não é ser aberta ou fechada, não é se uma patota de jogadores pouco badalados ou muito badalados. A questão da seleção é que ela tem que conter os melhores do momento. E mais uma vez acredito que isso não irá acontecer.

Mano convocou uma seleção renovadíssima e com jogadores que estarão praticamente com quase todos com menos de 30 anos em 2014. Isso é bom, é legal ver novas caras. É legal inclusive ver antigas caras por lá, como Robinho, Daniel Alves e Ramires. Mas de qualquer forma a idéia e formar um grupo para 2014, começar a fechar um grupo. E isso é problemático.

Claro que é necessário criar uma base, claro que alguns jogadores que vierem se destacando, jogarem bem nesses testes, nesses muitos amistosos, já que o Brasil não estará nas eliminatórias, claro que esses jogadores começarão a garantir seu lugar na seleção e na Copa, conseqüentemente. Mas isso não quer dizer que alguém pode ter lugar cativo lá. O jogador que quer defender a seleção tem que estar voando em seu time, ser titular, ser destaque.

A seleção do Brasil é pentacampeã, o Brasil exporta jogadores a torto e a direito. Então, não podemos nos contentar com pouco. Se a Polônia tiver um jogador na reserva do Barça, é capaz dele ser o melhor jogador daquele país mesmo. Mas o Brasil não! O Brasil tem ótimos jogadores atuando aqui e nos principais campeonatos e times do mundo, não dá para aceitarmos o terceiro goleiro da Roma em hipótese nenhuma, porque esse goleiro um dia foi campeão de uma Copa América há dois anos atrás. Ninguém pode ter lugar cativo, o cara tem que estar sempre a espreita, nunca ter certeza da convocação, para jogar muito sempre e estar na sua melhor forma. Para mim, essa é que tem que ser a idéia principal para pensar na formação da seleção brasileira para 2014.

Chega de Patotas! Chega de seleção da Nike, mas chega também de seleção dos amigos do Anão. E vejamos se nisso o Mano será diferente.

Mas ele já começou surpreendendo. Eu esperava uma convocação misto de Santos com Corinthians. A parte do Santos estava lá, mas impressionantemente a do Corinthians não. Só Jucilei, que nem vinha sendo escalado pelo próprio Mano no Corinthians, foi chamado. Espero que eu esteja errado, mas a diretoria do Corinthians recusou uma proposta do Dínamo pelo jogador e havia uma especulação que um time da Inglaterra o queria. É sabido que para ir à terra da Rainha, uma passagem pela seleção ajuda muito. Espero que essa “ligação de pontos” que eu fiz não tenha sentido, isso tudo seja apenas uma coincidência.

Quanto aos outros nomes, nada a reclamar. Os goleiros são bons. Fiquei feliz com a convocação do Renan do Avaí, parece ser muito bom goleiro, não entendi muito o Jefferson do Bota, mas de fato a fase de goleiros não é das melhores no Brasil. O titular da meta deve ser o Victor do Grêmio mesmo. Os zagueiros são o Thiago Silva (Milan) e o Henrique (Barcelona), Réver (Atlético-MG) e David Luiz (Benfica).

Nas laterais achei todos nomes bem pertinentes: Daniel Alves (Barça) e Rafael (Manchester) para a direita e Marcelo (Real) e André Santos (Fenerbahçe) para a esquerda. Aliás, os dois laterais esquerdos já deveria ter ido para a África, e olha que nem sou muito fã desse André, mas com certeza ele é melhor que o Michel Bastos e o Gilberto.

No meio campo, talvez seja onde eu discorde um pouco mais. Acho que Arouca (Nosso... hehehe) , Elias e Bruno César (os dois do Corinthians) deveriam ter uma chance. O Arouca é o melhor volante em atividade hoje no Brasil, o Elias o segundo e o Bruno César vem comendo a bola no ex-time do técnico. Não entendi nada só o Jucilei ainda. Os outros nomes são: Lucas (Liverpool), Hernanes (São Paulo), Sandro (Internacional), PH Ganso (Nosso), Ramires (Benfica), Carlos Eduardo (Hoffenheim) e Ederson (Lyon). Agora quem é o tal de Ederson também, né? Mas vamos ver antes de cornetar.

No ataque, eu só discordo do Pato (Milan), acho que não vem jogando bem, mas acho que vem meio que na onda dos pedidos populares, ou para dar uma moral para o atacante que está pagando uma pensão pesadíssima à espertíssima atriz global. Os outros são Robinho, André e Neymar (tudo nosso... hehehehe) e o Diego Tardelli (Atlético-MG).

As únicas alterações que eu faria seriam as saídas do Pato, Ederson e Jucilei para entrar com Arouca, Elias e Bruno César. E meu pitaco para seleção titular: Victor; Daniel Alves, Tiago Silva, Réver e Marcelo; Luccas, Hernanes e PH Ganso; Robinho, André e Neymar.

Acho que Afonsos e Hulks continuarão aparecendo, a banda continuará a ser tocada do mesmo jeito. Espero que uma luz alumie os pensamentos do Mano e que ele não comece a fechar sua patota. A seleção de 2014 tem que ser campeã, a tristeza de 50 não é o meu medo. Acredito que um novo pastelão com o desse ano fará com que o interesse no futebol diminua muito e principal país do mundo da bola, deixe de ser uma potência. O futebol pode acabar virando Fórmula-1, se é que vocês me entendem. Né, Sr. Massa?

É isso. Sorte para nós, que amamos a nossa seleção, amamos o futebol, mas ainda vemos muito amadorismo e sacanagem por parte de quem administra o esporte.