terça-feira, 30 de junho de 2009

Para Copa, eu quero minha vuvuzela


Esse da foto para quem não sabe é o Kaiser, Franz Beckenbauer! Um dos poucos homens no mundo que conseguiram a façanha de ser campeão do mundo como jogador e treinador. Na foto ele está com a famosa vuvuzela. É... vuvuzela que fez o som dos jogos da Copa das Confederações, e que Copa!

Espanha que era a tal, levou um pau na semi-final e ficou muito mau. Uau! Não resisti às rimas! Pois bem, eu estava muito interessado nesse torneio porque gostaria de ver um jogo entre Brasil e Espanha. A Espanha é considerada a melhor seleção do mundo pela Fifa, na atualidade e o Brasil é sempre muito forte. Seria um baita jogo e teste de fogo para os dois lados. Mas não deu, a Espanha atacou, atacou, mas não conseguiu um golzinho sobre os EUA e ainda tomou dois na cabeça.

O negócio para mim foi torcer contra o Brasil no outro lado das semi para poder ver o jogo que queria e quase que o Brasil toma fumo. O Brasil que, para mim, é só um grupo muito unido com talentos individuais inquestionáveis teve que suar muito para vencer a África do Sul, aliás, teve que contar com um petardo de Daniel Alvez que saiu todo louco comemorando. Que isso, rapaz?!

Mas comemorações esquisitas a parte, o Brasil foi a final contra os EUA, time com quem já tinha jogado na primeira fase e tinha passado o carro. Ou seja, expectativa de mais um jogo fácil. Só que não foi bem essa a história. O Brasil tomou dois gols logo de cara, um numa falha de marcação do André Santos, que estava não sei onde, menos protegendo a lateral, e do Lúcio, que só ficou vendo o atacante dos EUA tirar o Julio César da jogada. O segundo gol foi ainda mais feio o negócio. Maicon errou feio um passe para o Robinho e os EUA fizeram um contra ataque mortal. Coitado do Ramires que correu tudo o que podia para tentar salvar a pátria e acabou tomando um corte lindo! Dois a zero fácil e o Brasil tonto em campo.

O Brasil volta para o segundo tempo e marca logo de cara com Luis Fabiano e isso foi a salvação da lavoura. Depois o próprio pega um rebote de um gol incrivelmente perdido por Robinho e completa para o gol, empatando o jogo. No fim, Elano (que entrou na vaga de Ramires) cruza na medida para Lúcio se redimir e fazer um belo gol de cabeça, gol da virada, gol do título!!! É... história para contar para sempre.

De fato um jogo emocionante, vibrante, uma grande história, mas faltou, e muito, futebol. Essa emoção e essa garra transmitidas pelos jogadores encobriram a falta de bola, as falhas grotescas e futebol medíocre apresentado. Para mim, os resultados que seleção vem apresentando encobrem o quão ruim está o nível do futebol. Mas muitos preferem ver de outra forma, que isso mostra a força de um Brasil renovado.

Não vou ser besta também, é fato que temos um Brasil renovado, mas renovado daquelas malas de Ronaldo, Adriano e Gaúcho. Temos um time aguerrido e unido também, e esse para mim é o grande mérito do atual técnico, que se for esperto, não convoca mesmo mais as malas citadas, mesmo com toda pressão da imprensa. Só que tem coisa lá que é um absurdo e volta a falar do Kaiser. Concordo com ele, a nossa seleção é extremamente cautelosa.

Jogamos com dois zagueiro, dois laterais, três volantes, um meia-atacante com características de marcação e ainda nenhum meia de ligação. É um excesso de zelo que para mim não se justifica. Outras coisa que eu não entendo são os exagerados elogios ao lateral André Santos, o cara foi tão bem que foi substituído duas vezes pelo Daniel Alves, que é bom jogador, mas é lateral direito. O André não atacava porque o Dunga pedia a ele para ficar e não marcava nada, pois ele não sabe marcar. Aliás, na faixa esquerda do Brasil, poderíamos apelidá-la de Av. André Santos, e já aviso que ali é via expressa. Brincadeira. E quando o cara descia, cortava para o meio, várias vezes o Robinho e o Kaká ficavam esperando ele passar pela lateral e o cara estava no meio.

Outro cara altamente elogiado pela imprensa é o Gilberto Silva. De boa, só podem estar brincando. O cara não pega na bola o jogo inteiro, só corre. Acho que deve ser isso, pois sempre se vê números altos de passe errado e como ele não pega na bola, não erra passe. Só pode ser essa a lógica para os elogios. O Ramires é bom jogador, mas falar que ele tomou a vaga do Elano é má vontade da imprensa com o ex-jogador do Santos que tomou a vaga de Gaúcho na seleção, e na época que o Gaúcho perdeu espaço muita gente não gostou. Aliás, o meio campo para mim era com Elano e Ramires com o Gilberto Silva caindo fora. Outro super elogiado é o Felipe Melo, que é aplicado e esforçado, mas quando começa a querer meter três dedos e tocar para um lado e olhar para o outro me irrita profundamente. Ele que não sabe nada da seleção de 70, deveria se informar um pouquinho para ver quem for Gerson, aí ele iria ver o quão medíocre é seu futebol e sendo assim deveria jogar mais o feijão com arroz.

Kaká e Robinho estão decepcionando também, mas ainda são os mais lúcidos para criar jogadas, mas precisam produzir mais, sobretudo o Robinho que está fominha demais. E eu não entendi nada essa coisa de Kaká melhor da competição.

Só o Lúcio, o L. Fabiano e J. César, para mim, jogam muito, têm o espírito do grupo. Livraram a cara do Brasil na final, apesar de eu achar que o Lúcio falhou no primeiro gol, tinha que estar acompanhando o atacante. Mas não dá para ser perfeito. (aliás, Lúcio que está sem clube e cairia como uma luva na defesa do Santos, abre o olho Marcelo!)

Podem até vir aqui falar, mas o time não foi campeão? Mas para mim, esse time ser campeão, montado desse jeito, sem um meia-armador, só mostra o quão em baixa está a qualidade do futebol. Para quem gosta disso, deve ter se deliciado com os últimos três títulos do São Paulo no Brasileirão, porque foi nesse método truculento também. Mas o São Paulo não tinha opções de jogadores, o que é diferente no Brasil.

E nem adianta me chamar de corneta, que eu não me ofendo, não. E para a Copa, a persistir esse futebolzinho, eu vou comprar minha vuvuzela e continuar a cornetar!

Nenhum comentário: