terça-feira, 30 de junho de 2009

Empate com sabor de vitória? Eu não penso assim

Comemorar empate em pontos corridos? Acho isso um absurdo. Com todo respeito ao time do Palestra, mas o Santos no último domingo tinha que vencer, ou então, tem que jogar a real com os torcedores e falar que as metas para esse ano não passam de uma vaga para Sulamericana. Entendo que o Palmeiras, seja em que circunstâncias forem, é muito forte em seu estádio e uma vitória lá é algo muito difícil. Mas entendo também que enfrentar um time tão forte assim com medo de tomar gol ou apenas visando um mero empate é postura para times que não possuem grandes pretensões na temporada.

O Santos foi a campo contra o Palmeiras querendo só um empate. Desde o início do jogo, não se arriscou muito indo ao ataque, mudando a postura apenas quando sofreu um gol de Obina, gol merecido ao time que mais atacava, gol que ainda saiu numa falha de marcação que não acompanhou a jogada no chute do Cleiton Xavier. Daí para frente o Santos teve que sair para conseguir o resultado que desejava quando chegou para o jogo, o empate. Mancini tirou o Pará e o Neymar para entrar com Molina e Robson e o Santos criou mais, mas eu, ao contrário do que muitos pensam, não acho que a mudança de postura do time foi causada pelas alterações. Acho que foi a necessidade do placar, pois o Santos tinha poder de fogo para ir para cima desde os primeiros minutos. Só não foi porque seu comandante não permitiu. O Santos conseguiu o empate com o gol de Robson e saiu feliz da vida. Ridículo!

O Palmeiras é um time que tinha sofrido duas perdas significativas para o clássico: Luxa e Keirrison. Era hora do Santos ir para cima do time verde e conquistar vitórias, não estava difícil, faltou ousadia a Wagner Mancini. O técnico que elogiei tanto por sua postura ofensiva me decepcionou pela segunda vez em jogos fora de casa. A primeira vez foi no Engenhão contra o Botafogo, eu acreditei na época que tinha sido apenas um acidente de trabalho, uma partida atípica do Peixe, mas depois de domingo já começo a desconfiar que não. Me parece que realmente Mancini está trancando o time quando joga fora de casa, o que é um absurdo.

O time do Santos não se modificou para pior desde o fim do Paulista, mas as apresentações estão longe do time vice-campeão. O time sempre teve como virtude o ataque e a marcação na saída de bola, a nossa defesa péssima, só tinha bons números porque o time atacava e encurralava os adversários. Claro que esse esquema pode perder, sei que há outros onze jogadores do outro lado mais um técnico pensando como vencer o Santos, mas sei que foi assim que o Santos cresceu de produção e deveria ser sempre assim as atuações, pois é o jeito que o Santos melhor se adaptou e vencia. De um tempo para cá, está difícil ver o Peixe vencer. Aliás, eu continuo a não entender a blindagem do Kleber Pereira, que não sai por decreto lei do time e para mim ele é um dos responsáveis pela queda de rendimento do time, o nosso querido artilheiro de jogos ganhos.

Nenhum comentário: