terça-feira, 30 de junho de 2009

Fala muita merda

Ele falou algo assim uma vez para todo mundo que dizia que ele estava gordo e que suas apresentações estavam um tanto quanto questionável. Eu não sei, mas o Ronaldo está querendo ser o cara que vai mudar o futebol. Menos, Gordinho!

Eu não vou falar aqui que ele não joga muito, não está entre os dez maiores que eu vi jogar. Não serei hipócrita, mas mesmo depois da final, ainda mantenho minha tese quanto a ele ser um ex-jogador em atividade. O problema é moleza que dão para ele e futebol não se desaprende. Só que a falta de ídolos aqui no Brasil é tão grande, que qualquer peido que o cara solta a imprensa dá importância desmesurada.

Veio agora falar de fim da concentração e o negócio virou pauta da maior importância, como se só agora se descobrisse o fato de haver concentração. E deram o tom que isso tem que muda. Como já se viu contrariar o Fenômeno, hein?! Só podem estar brincando.

Ronaldo comparou as nossas concentrações com a Europa, onde normalmente esse procedimento não existe. Pois é, Ronaldo, parece que você não lembra, mas você está no Brasil. E o Brasil é maior que toda Europa por onde você jogou seus campeonato, rapaz! Imagina não concentrar em jogos fora do estado de São Paulo. Daria? Fora que o jogador no Brasil ainda não é muito responsável e não aprendeu que tem que se cuidar para o dia do jogo. Infelizmente isso é necessário mais porque o pessoal gosta de uma balada antes do jogo, não é mesmo, Fofão?

Fora que maratona que o Corinthians está de concentração se justifica porque tem um título muito importante em jogo e fora o custo que é mais em conta, uma vez que o time estava já no sul do país no final de semana, onde jogou rodada válida pelo Brasileiro. Seria um desgaste maior para os jogadores terem que voltar a São Paulo e viajarem de novo ao sul, perderia-se tempo valioso de treinamento e recuperação.

O Ronaldo precisava entender um pouco mais isso e lembrar que ele não joga mais em país que um pouco maior que o estado de São Paulo e lembrar que a banda aqui toca diferente, indiferente a seus caprichos. E lembrar que ele vai jogar uma final e que isso vai contra o comando do time. Tomara que o Mano não tenha blindado o time em relação a isso e que o tomem uma piada. Assim o Ronaldo vê se aprende a falar menos merda por aí.

Para Copa, eu quero minha vuvuzela


Esse da foto para quem não sabe é o Kaiser, Franz Beckenbauer! Um dos poucos homens no mundo que conseguiram a façanha de ser campeão do mundo como jogador e treinador. Na foto ele está com a famosa vuvuzela. É... vuvuzela que fez o som dos jogos da Copa das Confederações, e que Copa!

Espanha que era a tal, levou um pau na semi-final e ficou muito mau. Uau! Não resisti às rimas! Pois bem, eu estava muito interessado nesse torneio porque gostaria de ver um jogo entre Brasil e Espanha. A Espanha é considerada a melhor seleção do mundo pela Fifa, na atualidade e o Brasil é sempre muito forte. Seria um baita jogo e teste de fogo para os dois lados. Mas não deu, a Espanha atacou, atacou, mas não conseguiu um golzinho sobre os EUA e ainda tomou dois na cabeça.

O negócio para mim foi torcer contra o Brasil no outro lado das semi para poder ver o jogo que queria e quase que o Brasil toma fumo. O Brasil que, para mim, é só um grupo muito unido com talentos individuais inquestionáveis teve que suar muito para vencer a África do Sul, aliás, teve que contar com um petardo de Daniel Alvez que saiu todo louco comemorando. Que isso, rapaz?!

Mas comemorações esquisitas a parte, o Brasil foi a final contra os EUA, time com quem já tinha jogado na primeira fase e tinha passado o carro. Ou seja, expectativa de mais um jogo fácil. Só que não foi bem essa a história. O Brasil tomou dois gols logo de cara, um numa falha de marcação do André Santos, que estava não sei onde, menos protegendo a lateral, e do Lúcio, que só ficou vendo o atacante dos EUA tirar o Julio César da jogada. O segundo gol foi ainda mais feio o negócio. Maicon errou feio um passe para o Robinho e os EUA fizeram um contra ataque mortal. Coitado do Ramires que correu tudo o que podia para tentar salvar a pátria e acabou tomando um corte lindo! Dois a zero fácil e o Brasil tonto em campo.

O Brasil volta para o segundo tempo e marca logo de cara com Luis Fabiano e isso foi a salvação da lavoura. Depois o próprio pega um rebote de um gol incrivelmente perdido por Robinho e completa para o gol, empatando o jogo. No fim, Elano (que entrou na vaga de Ramires) cruza na medida para Lúcio se redimir e fazer um belo gol de cabeça, gol da virada, gol do título!!! É... história para contar para sempre.

De fato um jogo emocionante, vibrante, uma grande história, mas faltou, e muito, futebol. Essa emoção e essa garra transmitidas pelos jogadores encobriram a falta de bola, as falhas grotescas e futebol medíocre apresentado. Para mim, os resultados que seleção vem apresentando encobrem o quão ruim está o nível do futebol. Mas muitos preferem ver de outra forma, que isso mostra a força de um Brasil renovado.

Não vou ser besta também, é fato que temos um Brasil renovado, mas renovado daquelas malas de Ronaldo, Adriano e Gaúcho. Temos um time aguerrido e unido também, e esse para mim é o grande mérito do atual técnico, que se for esperto, não convoca mesmo mais as malas citadas, mesmo com toda pressão da imprensa. Só que tem coisa lá que é um absurdo e volta a falar do Kaiser. Concordo com ele, a nossa seleção é extremamente cautelosa.

Jogamos com dois zagueiro, dois laterais, três volantes, um meia-atacante com características de marcação e ainda nenhum meia de ligação. É um excesso de zelo que para mim não se justifica. Outras coisa que eu não entendo são os exagerados elogios ao lateral André Santos, o cara foi tão bem que foi substituído duas vezes pelo Daniel Alves, que é bom jogador, mas é lateral direito. O André não atacava porque o Dunga pedia a ele para ficar e não marcava nada, pois ele não sabe marcar. Aliás, na faixa esquerda do Brasil, poderíamos apelidá-la de Av. André Santos, e já aviso que ali é via expressa. Brincadeira. E quando o cara descia, cortava para o meio, várias vezes o Robinho e o Kaká ficavam esperando ele passar pela lateral e o cara estava no meio.

Outro cara altamente elogiado pela imprensa é o Gilberto Silva. De boa, só podem estar brincando. O cara não pega na bola o jogo inteiro, só corre. Acho que deve ser isso, pois sempre se vê números altos de passe errado e como ele não pega na bola, não erra passe. Só pode ser essa a lógica para os elogios. O Ramires é bom jogador, mas falar que ele tomou a vaga do Elano é má vontade da imprensa com o ex-jogador do Santos que tomou a vaga de Gaúcho na seleção, e na época que o Gaúcho perdeu espaço muita gente não gostou. Aliás, o meio campo para mim era com Elano e Ramires com o Gilberto Silva caindo fora. Outro super elogiado é o Felipe Melo, que é aplicado e esforçado, mas quando começa a querer meter três dedos e tocar para um lado e olhar para o outro me irrita profundamente. Ele que não sabe nada da seleção de 70, deveria se informar um pouquinho para ver quem for Gerson, aí ele iria ver o quão medíocre é seu futebol e sendo assim deveria jogar mais o feijão com arroz.

Kaká e Robinho estão decepcionando também, mas ainda são os mais lúcidos para criar jogadas, mas precisam produzir mais, sobretudo o Robinho que está fominha demais. E eu não entendi nada essa coisa de Kaká melhor da competição.

Só o Lúcio, o L. Fabiano e J. César, para mim, jogam muito, têm o espírito do grupo. Livraram a cara do Brasil na final, apesar de eu achar que o Lúcio falhou no primeiro gol, tinha que estar acompanhando o atacante. Mas não dá para ser perfeito. (aliás, Lúcio que está sem clube e cairia como uma luva na defesa do Santos, abre o olho Marcelo!)

Podem até vir aqui falar, mas o time não foi campeão? Mas para mim, esse time ser campeão, montado desse jeito, sem um meia-armador, só mostra o quão em baixa está a qualidade do futebol. Para quem gosta disso, deve ter se deliciado com os últimos três títulos do São Paulo no Brasileirão, porque foi nesse método truculento também. Mas o São Paulo não tinha opções de jogadores, o que é diferente no Brasil.

E nem adianta me chamar de corneta, que eu não me ofendo, não. E para a Copa, a persistir esse futebolzinho, eu vou comprar minha vuvuzela e continuar a cornetar!

Luxa e o Safado

Outras duas notas relevantes no Peixe ainda neste último jogo são as questões do ‘dedo duro’ e Luxa. Na última semana, veio a público um desentendimento entre Fábio Costa e o preparador de goleiros Eduardo Bahia, preparador que foi contratado principalmente por ter sido que revelou o goleiro para o futebol, no jogo do final de semana passado contra o Atlético Mineiro. Discussão comum de vestiário que dentro de campo não se refletiu, aliás, o Fábio se machucou no jogo. Porém, nas vésperas do clássico essa informação vazou e Mancini se irritou muito e, pelo menos para mim, com toda razão.

Me parece cada vez mais claro que alguém lá dentro não gosta do Mancini, pois o técnico já tinha se manifestado publicamente que não gostaria que esse tipo de informação vazasse. Isso claramente é para colocar em xeque sua posição de comandante e ir minando e desgastando aos poucos seu poder dentro da Vila. O técnico não é uma unanimidade entre os conselheiros do Santos que gostariam de um nome mais forte para o cargo. Quando São Paulo demitiu o Muricy, Mancini começou a balançar, pois essa ala já teria contatado Márcio Rivelino, empresário do ex-sãopaulino, para verificar a possibilidade de o técnico descer a Serra do Mar. Com a recente demissão do Luxa pelo Palmeiras, a pressão pela saída de Mancini aumentou, porque o que tem de viúva do Luxa lá na Vila... é complicado, viu?

Marcelo Teixeira também é grande fã do Luxa e gostaria que o treinador nunca tivesse saído de Santos, mesmo assim, o nosso mandatário avisou que o Mancini não sai. Mas eu não acredito, principalmente com esse ‘dedo duro’ a solta enfraquecendo o nosso atual técnico. Se Mancini não conseguir bons resultados nas próximas rodadas, as chances de Vanderlei ir para o Santos são grandes. E se isso acontecer, seria uma injustiça com Mancini e uma burrice. A burrice é por conta das dívidas que ele deixa quando vai embora do clube e uma hora ele sempre acaba indo embora.

Uma coisa que só está circulando lá pelos lados da Vila e aqui em São Paulo ainda não ganhou corpo é a possibilidade do Luxa assumir o Departamento de Futebol do Santos. E isso me assusta ainda mais do que a possibilidade de ele pintar como técnico.

Empate com sabor de vitória? Eu não penso assim

Comemorar empate em pontos corridos? Acho isso um absurdo. Com todo respeito ao time do Palestra, mas o Santos no último domingo tinha que vencer, ou então, tem que jogar a real com os torcedores e falar que as metas para esse ano não passam de uma vaga para Sulamericana. Entendo que o Palmeiras, seja em que circunstâncias forem, é muito forte em seu estádio e uma vitória lá é algo muito difícil. Mas entendo também que enfrentar um time tão forte assim com medo de tomar gol ou apenas visando um mero empate é postura para times que não possuem grandes pretensões na temporada.

O Santos foi a campo contra o Palmeiras querendo só um empate. Desde o início do jogo, não se arriscou muito indo ao ataque, mudando a postura apenas quando sofreu um gol de Obina, gol merecido ao time que mais atacava, gol que ainda saiu numa falha de marcação que não acompanhou a jogada no chute do Cleiton Xavier. Daí para frente o Santos teve que sair para conseguir o resultado que desejava quando chegou para o jogo, o empate. Mancini tirou o Pará e o Neymar para entrar com Molina e Robson e o Santos criou mais, mas eu, ao contrário do que muitos pensam, não acho que a mudança de postura do time foi causada pelas alterações. Acho que foi a necessidade do placar, pois o Santos tinha poder de fogo para ir para cima desde os primeiros minutos. Só não foi porque seu comandante não permitiu. O Santos conseguiu o empate com o gol de Robson e saiu feliz da vida. Ridículo!

O Palmeiras é um time que tinha sofrido duas perdas significativas para o clássico: Luxa e Keirrison. Era hora do Santos ir para cima do time verde e conquistar vitórias, não estava difícil, faltou ousadia a Wagner Mancini. O técnico que elogiei tanto por sua postura ofensiva me decepcionou pela segunda vez em jogos fora de casa. A primeira vez foi no Engenhão contra o Botafogo, eu acreditei na época que tinha sido apenas um acidente de trabalho, uma partida atípica do Peixe, mas depois de domingo já começo a desconfiar que não. Me parece que realmente Mancini está trancando o time quando joga fora de casa, o que é um absurdo.

O time do Santos não se modificou para pior desde o fim do Paulista, mas as apresentações estão longe do time vice-campeão. O time sempre teve como virtude o ataque e a marcação na saída de bola, a nossa defesa péssima, só tinha bons números porque o time atacava e encurralava os adversários. Claro que esse esquema pode perder, sei que há outros onze jogadores do outro lado mais um técnico pensando como vencer o Santos, mas sei que foi assim que o Santos cresceu de produção e deveria ser sempre assim as atuações, pois é o jeito que o Santos melhor se adaptou e vencia. De um tempo para cá, está difícil ver o Peixe vencer. Aliás, eu continuo a não entender a blindagem do Kleber Pereira, que não sai por decreto lei do time e para mim ele é um dos responsáveis pela queda de rendimento do time, o nosso querido artilheiro de jogos ganhos.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Liberta´s

Fala Véio!!!

Ontem, acompanhei Cruzeiro 3 x 1 Grêmio, em um belo jogo. Acho que a vitória do Cruzeiro foi merecida. Teve mais volume de jogo e chegou mais. Mas o gol marcado fora de casa, dá uma esperança maior para o time gaúcho.

Maxi López e Alex Mineiro perderam gols que não pode perder em jogo de Libertadores, e o castigo “veio à cavalo”.

Hoje, assisti o Estudiantes(ARG) 1 x 0 Nacional (URU). Esse time do Nacional é muito encardido. Parece que os outros times não conseguem jogar contra eles. Eu, particularmente, acho que eles não jogam nada, e que nem mereciam estar aí (acho sim... que o Verdão tem muito mais time que eles, e que daria um jogo muito melhor contra os argentinos, mas não foi isso que aconteceu). Então, não sei o que acontece, os adversário do Nacional não apresentam o mesmo futebol mostrado nos jogos anteriores. O Estudiantes ficou muito aquém do time que vi jogar nesta Libertadores, e quase toma o empate.


Árbitros

Eu nunca escondi que adoro os jogos da Libertadores, principalmente pelos árbitros que deixam o jogo rolar.

No jogo dos brasileiros, os chilenos Henrique Osses e Jorge Osório (4°) – o quarto árbitro entrou porque o principal se machucou – foram bem no jogo, no meu ponto de vista. Deixaram o jogo rolar e não interferiram no resultado.

No jogo de hoje, o boliviano René Ortubé, deixou o jogo correr solto demais. Houve momentos, em que o “vale-tudo” foi geral, pacadaria da grossa. Este tipo de jogo não sou a favor. Gosto de jogo bem jogado e sem frescura, sem cai-cai.

Por achar que o árbitro influenciou muito no resultado da classificação do Nacional sobre o nosso Verdão. Deixou eles fazerem a cera que queriam, amarrou o jogo e etc, etc,... Bom, acho que esse outros (péssimos) árbitros deveriam se espelhar nos dois abaixo. São árbitros que tem pulso e não aparecem no jogo. Os jogos de Libertadores ficam como devem ser... jogados com raça, com muita vontade, sem pancadaria, sem cera, sem cai-cai.


Oscar Ruiz (COL)


Sergio Pezzota (Argentina)


Força Palestra!!!

abraços,
Luiz Cláudio

terça-feira, 23 de junho de 2009

4 3 2 1 ........

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

segunda-feira, 22 de junho de 2009

A Soberba 2009: "Na vala comum"


Um comando de 3 anos e meio acaba. Muricy foi fritado por uma panela de jogadores do Morumbi. Rogério Ceni fez muita falta nessa hora para não deixar a coisa descambar e o São Paulo mostra a dependência da liderança deste jogador. Mas o mais importante ressaltar aqui é a questão da soberba sãopaulina.

O time de Morumbi se gabava em dizer que ali jogador não derrubava técnico, que só o presidente (o JJ, este que está mostrando a língua na foto) é que mandava. E isso tudo foi por água abaixo. Os jogadores se voltaram contra o técnico e o enfraqueceram e Juvenal não agüentou a bucha e demitiu, mesmo contrariado, o competente técnico Muricy Ramalho. O pior não é ter acontecido tudo isso, o pior é o São Paulo fazer que tudo isso foi planejado e que lá reina a paz.

O São Paulo - nosso co-irmão que cedeu gentilmente o bom lateral Wagner Diniz, que estreou muito bem no domingo - deveria desmontar dessa arrogância e admitir que as coisas não vão tão tranqüilas assim. Pois não é possível estar tudo bem anunciando a saída do tri-campeão brasileiro, eleito 4 vezes seguidas o melhor técnico do Brasil, Muricy Ramalho, para chegada do fracassado, ridículo técnico da seleção pré-olímpica de 2003, Ricardo Gomes. Não é possível estar tudo bem.

No fim do ano passado, o São Paulo lançou o filme do hexacampeonato nacional sob o título de "O Soberano", mas não ficaria nada mal se fosse "A Soberba". Ô timinho que quer ser mais do que é. E digo mais, deveriam acrescentar um capítulo no DVD para 2009, onde o time descobre que, apesar das aparências, eles também estão na vala comum dos times brasileiros.

Baixando o nível 2

O segundo capítulo vergonhoso dessa semana foi protagonizado pelo senhor Mano Menezes. Quanto a futebol, taticamente falando, coisa e tal, eu não posso falar que o cara é ruim, apesar de achar que ele apresenta algumas falhas. Mas aí não tem o que falar, monta times sólidos e que fazem grande campanha. Contudo, o caráter dele para mim é duvidoso por demais.

Ontem, no clássico contra o São Paulo, ele bate boca com o competente Milton Cruz, que dirigia interinamente o time do Morumbi na vaga deixada por Muricy e que já está sendo ocupada pelo Ricardo Gomes. Mano Menezes é chorão e todo mundo sabe. Quase todo técnico é. Milton Cruz foi até o árbitro no fim do primeiro tempo para não permitir que o Mano fizesse um monte de reclamação.

Nisso, o técnico corinthiano percebendo a presença do sãopaulino falou para ele sair dali. Mano disse que ele era técnico e Milton era interino, que o técnico era o Muricy. Um argumento baixo para desqualificar um colega de trabalho perante a arbitragem. Mano ainda foi cínico, pois na hora que ele solta essa infeliz frase muitas pessoas apenas ouviram e poucos veículos de comunicação captaram essa fala e transmitiram, aí quando ele vê várias emissoras de rádio e televisão se aproximarem, ele fala que o Milton estava nervoso e que ele tinha que se acalmar.

Não é a primeira do Mano, é só lembrar o zagueiro do Guará, o Carlinhos, que foi chamado de assassino pelo técnico. O técnico lembrou-se de um acidente em que o zagueiro se envolveu e uma pessoa acabou morrendo.

Lamentável!


NOTA EXPLICATIVA: essa postagem tem como caráter protestar. Gostaria muito que o Mano Menezes fosse execrado, crucificado, chamado de safado e criminoso por usar desse tipo de expediente, assim como foi chamado o Domingos, zagueiro do Peixe, quando entrou no segundo jogo da semi do Paulistão para falar para o Diego Souza ir bater nele. Domingos não ofendeu em nenhum momento o Diego, mas foi chamado de tudo o que é nome e o Mano faz esse papelão e parece que não aconteceu nada.

Baixando o nível 1

Em menos de duas semanas, eu vi duas cenas que realmente contam muito contra a arbitragem do Brasil. Mas o engraçado é o tratamento dado aos dois lances. O último lance aconteceu neste domingo no jogo do Peixe. O árbitro conseguiu fazer a maior lambança, terminou o jogo antes do acréscimo e depois voltou, depois anulou sem razão um gol nosso, o gol para livrar a cara da derrota. Diz que deu falta do Kleber Pereira, deu é perigo de gol! Isso que é! Mas o fato é que o acontecimento repercutiu bastante e foi até tema do Arena SporTv.



Até aí legal! Oras, lance absurdo e espero que no mínimo que esse Mané pegue vários jogos sem arbitrar. Uma vergonha. Sei que o Peixe não foi bem, mas de fato aí fica difícil de jogar bola e ter um campeonato sério. Mas é engraçado que um erro quase tão absurdo e evidente não tenha sido tão comentado, principalmente pela imprensa paulista. O gol do Ronaldo contra o Inter na quarta passada pela final da Copa do Brasil é um absurdo de irregular. Legal que ele correu, se esforçou, driblou e fez o diabo para marcar. Mas isso não apaga o fato da jogada ter nascido de uma falta batida em movimento e o pior é que não se viu tantos comentários assim. E pior ainda foi quem comentou disse que o árbitro não errou.



No vídeo fica bem claro o som de que o Heber apita, contudo ele não sinaliza. Todos jogadores olham para ele esperando a sinalização, mas ele faz cara de nada. O lance corre, sai o gol e os próprios jogadores do Inter não sabem se devem reclamar pelo lance. O impressionante foi a pouca importância dada ao lance e ainda a briga que alguns travaram com os fatos. Lamentável! O nível está baixando demais, tanto na arbitragem, quanto na imprensa.

Derrota, lambança e Mancini balança

O Peixe que vinha em uma campanha bastante razoável no Brasileirão, perdeu a mão de vez e perde a segunda partida consecutiva. Fomos derrotados agora em plena Vila. Infelizmente, devido a incompetência de quem monta a tabela não foi possível acompanhar ao vivo a partida. Eu realmente não tenho a grana para o "Nem-me-view", mas acho que é uma pouca vergonha passar para São Paulo o jogo do Inter e o Flamengo, que foi um jogão, baile do Mengo sobre o Colorado, mas ainda sim um jogo menos importante para o nosso Estado, que poderia ter ficado com Galo e Peixe que também foi jogaço!

Mas vamos aos fatos, o Santos novamente perdeu inúmeras chances de gol. Jogamos boa parte do jogo com 10 em campo, pois Kléber Pereira, o artilheiro dos jogos ganhos, pouco apareceu para o jogo. Ainda sim, Neymar estava em dia inspirado e fez belíssimas jogadas no primeiro tempo e marcou um belo gol. A vantagem no fim do primeiro tempo era nossa.

Aí começa a coisa, no primeiro tempo mesmo Fábio Costa saiu machucado e entrou o inseguro Douglas. Sinceramente, eu preferiria ver a volta do Felipe a meta do Peixe ou dar chances ao Vladimir que mostrou já ser bom nas categorias de base. Esse Douglas é pior que o B(t)osco do São Paulo. O nosso camisa 1 parece que ficará um bom tempo de molho é já foi dado como desfalque certo no próximo jogo, in Chiqueirão.

O Atlético saiu mais para o jogo no segundo tempo e empatou com Tardelli, numa falha linda da zaga que deixou o cara chutar como queria. Não bastasse isso, ainda tomamos gol do Evandro mentira que estava no Palmeira. O Léo toma um corte seco do cara, nem infantil a gente perdoa um lance desse. Para piorar ainda tomamos um gol de uma jogada de chutão. O Mancini inventou essa coisa de marcar em linha e nossa zaga não aprendeu a fazer isso, aí tomas só vários contra-ataques assim.

Aí também teve coisas que eu não gostei de Manicini, aliás, uma coisa só. O Neymar era o melhor jogador do Peixe em campo, não poderia de jeito nenhum ter sido sacado. E o pior que no lugar dele entrou o Maikon Leite, que se machucou de novo. Complicou de ver, porque se já estávamos com dez, pois não dava para contar com o Pereira, agora eram só nove em campo para o Peixe.

O Santos foi aguerrido e ainda conseguiu marcar com Léo o segundo gol. 3 a 2 na nossa cabeça e o árbitro resolve dar 4 minutos de acréscimo. É a chance do abafa santista, mas o senhor árbitro conseguiu em 5 minutos acabar com o jogo. Primeiro, ele que tinha sinalizado 4 acabou o jogo aos 47 minutos. Mancini e os jogadores do Santos foram para cima reclamando os dois minutos faltantes. Percebendo a bobagem feita, comete uma outra maior, resolve reiniciar para jogar esses dois minutos. Aí o Santos conseguiu uma falta nesse tempo e marcou um gol de cabeça com o Molina. Ali era a salvação da lavoura, pois seria um empate heróico. Mas o árbitro deu falta de Kléber Pereira, que estava paradão na área e não participa de nada. Gol anulado e mais confusão, Léo expulso. Vou te falar... está uma belezura essa nossa arbitragem.

Larapiaram 1, 1 e a chance de segurar o Atlético Mineiro. Claro que eu acho que o time foi mal, tinha que ter rendido muito mais. Faltou capricho nas finalizações. Muitos gols perdidos cara a cara. Um conjunto de coisas, mas não dá para não se revoltar com o que o árbitro "Beltrano" fez. Safado! Larápio! LADRÃO!!!

O único ponto positivo de ontem mesmo foi a boa estréia do Wagner Diniz que deve ser titular daqui para frente da camisa 4. Agora é juntar os destroços e pensar no Palmeiras e não tem desculpa para perder. A vitória é a única alternativa se a idéia for classificar para a Libertadores.

E o Mancini está balançando no cargo. Ele nunca foi unanimidade lá na baixada e com a demissão de Muricy, ele já não está tão seguro no cargo. Eu acho ridículo a torcida e parte do conselho forçar essa situação. Tirando a saída do Neymar, não tem mais muitos erros do Mancini, só a defesa mesmo que está difícil de acertar. Só que não dá para colocar na conta dele os gols que o Kléber Pereira perde. Mas o fato é que como Muricy no mercado, Mancini já não é tão mais seguro no cargo de técnico do Peixe.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Não era o que queríamos, mas...

Fala Véio!!!


Infelizmente não foi dessa vez. O Palmeiras até que jogou bem, não assisti o jogo todo, somente os 25 minutos finais, mas ouvindo pelo rádio, o comentarista disse que estava bem que poderia decidir o jogo a qualquer momento.

Considerações:
- Perdemos gols, que não SE pode perder;
- SE não tivéssemos tomado aquele gol, aqui no Palestra;
- Ohh... juizinho ruim... não conduziu o jogo direito, e deixava o Nacional fazer uma "cera"... lamentável. E eu continuo gostando de juiz de Libertadores - "arriba caraco", mas esse era muito fraco. No jogo do Grêmio, o juiz não deixou fazer tanta "cera". Claro era melhor!;
- Acho que faltou aquele jogador, que infelizmente não é o Diego Souza (em quem colocamos nossas esperanças, com a saída do "El Mago". Mas ele se mostrou muito aquém do que esperávamos;
- O Cleiton Xavier não teve oportunidade de acertar outro "pombo sem asas". Uma pena.

Agora é recolher os cacos e ganhar o Brasileirão. Como ainda não estamos racionais o suficiente, estamos pensando com o coração, e assim não sei se devemos continuar com o Luxa. Temos que pensar bem... e acho que ele não vai aguentar a pressão da "turma do amendoim" - que deve ter aumentado em número de torcedores. Temos que fazer um planejamento melhor, com ou sem o Luxa... e dar mais tempo para o trabalho... pensar no trabalho de dois anos pelo menos.

E torcedores, vamos parar com esse negócio de "OBSESSÃO"... isso é coisa dos "gambás"... logo logo vamos ganhar a Libertadores naturalmente, com um time que sabe jogá-la. Com raça, determinação e o principal, com jogadores (principalmente meio-campistas) que chamam a responsabilidade para sí.

Mas não podemos desanimar, e vamos com tudo prá cima...

"Defesa que ninguém passa
Linha atacante de raça
Torcida de canta de vibra

Por nosso alviverde inteiro
Que sabe ser brasileiro
Ostentando a sua fibra"

PALMEIRAS! PALMEIRAS! PALMEIRAS!


Força Palestra!

abraços,
Luiz Cláudio

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Irreconhecível

Não precisa o Mancini vir falar que esse foi o pior jogo, pois foi nítido. O Santos tomou uma piaba do provável rebaixado Botafogo. O jogo foi no Engenhão, mas isso não pode ser considerado desculpa.

Um time que não tocou a bola - quer dizer, tocar tocou, mas foi que nem a bunda deles -, que foi lento, não foi aguerrido, não foi tudo do que costumamos ver. Não sei se o Santos esperava passar o carro no Bota, pois o time carioca é muito ruim. Não sei se rolou um relaxamento, pois isso explicaria.

Outra questão é a zaga. Não dá para entender como é que empresta o Diego Monar tendo essa nossa zaga deficitária. O nosso jovem zagueiro tem que joga nesse time, fora outras revelações do time que não são aproveitadas. Fora os caras contratados que não entram. Cadê o zagueiro que veio do Paulista? O Wagner Diniz tinha que ter entrado. Não entendi agora que chega o Diniz, o Mancini afasta o Luizinho e promove o Pará.

O pessoal está falando que a panela do Santos já está começando a ferver o Mancini. Acho que não, acho que foi uma falha do treinador, que às vezes me lembra o Luxa, mexe no time para ser mais esperto do que realmente é. Senhor Molina não poderia ter voltado para o segundo tempo. Não é só o Neymar que atua ali. Cadê o Maikon Leite? O Robson demorou muito a entrar e o Roni é brincadeira de mau gosto. Cadê o atacante Felipe Azevedo que ele, Mancini, mandou trazer? O Madson ficou a semana inteira sendo poupado, não tinha condição de treinar, aí joga mal o primeiro tempo e ainda insiste nele? Que ele é fundamental, não tenho dúvida, mas tem tirar quando está mal, caramba!

O Santos perdeu a chance de colar na liderança, a ivencibilidade e um pouco o encanto. O próximo jogo será teste de fogo para saber o que vai ser do Santos, vai pegar o por ora líder Atlético Mineiro. Espero ver o mesmo time pegador e lutador pelo menos.

domingo, 14 de junho de 2009

De virada, de novo, é muito mais gostoso!!!

Fala Véio!!!

O Verdão voltou a jogar bem... pelo menos no meu gosto. Estilo Libertadores, como tem que ser. Com raça, com força na marcação e com contra-ataques rápidos. “Arriba Caraco” prá cima deles.

Final - Palmeiras 3 x 1 Cruzeiro – com todas as polêmicas... e o “choro” normal. Quando é com a gente... nós choramos... quando é com eles... nós damos risadas... rsrsrs... isso é o futebol... que nós adoramos. “E nós somos torcedores! não tem coisa melhor"... e o nosso time sempre é o melhor!!! Palmeiras, simples assim.


Outro dia, “chutei”... que o Willians estava voltando... e todos poderiam se preparar pois o K9 ia renascer... e olha aí o que aconteceu... "Olelê, olalá, o Keirrison vem aí e o bicho vai pegar". Não deu outra... que golaço... de “voleio”... foi muito bonito. Parabéns K9 e agradeça ao seu talismã Willians (que não se machuque mais e possa nos dar muitas alegrias).

Foto - site Globo.com

16 de Junho de 1999


Caramba, como o tempo passa... faz dez anos que o Verdão conquistou a Libertadores. Parece que foi ontem... toda aquela apreensão quando o Zapata (Deportivo Cali) correu pra bola e bateu pra fora, e São Marcos saiu correndo em direção à torcida. Que emoção... foi demais... “É Campeão! É Campeão!” – solta o hino... “Quando surge o alviverde imponente...”

Foto - site Globo.com

Parabéns a diretoria do Palmeiras, por fazer uma festa para lembrar esse título tão importante, e trazer os atletas para serem homenageados (lembrados) – Estiveram lá, Galeano, Velloso, Sérgio, Evair, Cléber, Júnior Baiano e Alex. Além do São Marcos.

Parabéns a todos esse jogadores que conduziram o Verdão à este título tão importante.

Força Palestra! Abraços,

Luiz Cláudio

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Nossa Miss, nossa Musa do Brasileirão

Eu não tinha dúvidas. Era só ela ir lá e se dedicar um pouquinho. Poucas horas só para elaborar o perfil e fazer os desafios propostos pela produção. De resto, era só manter o ritmo. Ir aos jogos e continuar sendo a simpatia em pessoa.

Eu sou suspeitíssimo para falar dela. Primeiro porque eu não me faço nunca de rogado quando me perguntam quem é a mulher mais bonita que você conhece, é Manu com certeza. Mas tem mais, a Manu é daquelas pessoas que eu teria que encontrar um dia. Quase da família, ela namorou um primo meu, depois quase acabamos vizinhos, mas ela nem chegou a se mudar para o prédio onde um dia eu morei. Daí, na faculdade eu encontrei essa moça e ela não era só linda, ela É demais. Simpática, festeira, inteligente. Quantos papos em boteco não ganhamos, hein, minha cara?

Essa foto aqui eu falei para ela que roubei do álbum dela, pois para mim é a síntese dela numa foto. Uma foto sincera, diria que a mais sincera que uma modelo tirou em trabalho profissional. Ah, sim. Ela é modelo profissional, talento não pode ser desperdiçado nunca, certo?

O fato aqui é que deixo meu depoimento sobre essa mulher sensacional que eu teria que encontrar um dia e alguém de quem tenho muito orgulho de ser amigo. Aproveito a deixa para pedir mais votos para ela no concurso Musa do Brasileirão. Aqui neste blogue, eu lancei a idéia para ela há quase 3 meses. Fico feliz de ela ter aceitado e aconteceu o lógico: ela passou pela etapa inicial e agora disputa com mais três meninas o posto de musa do São Paulo. Então, vota aí, galera, para Manu Musa do São Paulo e, no que depender de nós, vou fazer daqui um tempo outro post pedindo votos para a Manu ser eleita Musa do Brasileirão.

Tá na praia? Tá redondo.


Nem precisou de montagem. A imagem diz tudo. Faltou ao treino e tá na praia tomando uma cervejinha? Tá redondo.

Acho que a Skol vai repensar sua campanha de marketing. Não é a primeira vez que a frase do redondo fica em uma situação no mínimo inusitada e que pode deixar claro que a cerva deixa tudo redondo.

Seleção brasileira e o futebol eficiente

Quem diria?! O Brasil do contestadíssimo Dunga lidera as eliminatórias para a Copa da África de 2010. É sem dúvida a campanha mais tranqüila das últimas eliminatórias.

Não dá para discutir os resultados, mas eu discuto o futebol. Apesar dos números estarem a favor do Brasil, acho que o tipo de futebol que estamos praticando é desserviço ao esporte bretão. O Brasil ainda é a única fonte onde se encontra em abundância o talento, o drible, a mágica do futebol. E não aproveitar isso em nossa seleção, é algo inadimissível e uma aceitação do futebol eficiente. O que eu penso é que tudo vale, então, é o resultado, puro e simples. E o futebol é belo porque é o único esporte onde dá para olhar para além dos resultados. Até porque o futebol é o único esporte injusto, onde que se apresenta melhor nem sempre sai vencedor.

Eu não fico feliz com o empate do Santos com o Santo André. Queria muito que meu time tivesse vencido. No entanto, entendo que meu time deu espetáculo, vários dribles, lances belos, se lançou ao ataque, deu azar de tomar os gols, mas de qualquer forma fez bonito. Acho que deveríamos privilegiar isso a times que não percam, times que tem como principal objetivo se defender, se defender, se conseguir um gol, ótimo, senão o empate é bom negócio também. O importante é não perder para times com filosofia assim. Eu acredito que quando pensamos assim, nós despertigiamos o talento e damos menos espaço para que jogadores que sabem driblar, dar toques mais sofisticados apareçam.

O Brasil de Dunga é assim, é um time que entra para não perder sobre tudo. Joga com dois volantes de marcação, dois cabeças de área mesmo. Mais um meia que praticamente um segundo volante e outro meia que também tem características marcação. Não tem um maia armador no time, nem um convocado, nem para ficar no banco. O Brasil joga com Gilberto Silva, que já deveria ter parado, o tal do Felipe Melo, que até se apresenta bem, mas a mim não convence, Elano e Kaká. O Elano atuou inúmeras vezes no Peixe como segundo volante o Kaká quando estava no São Paulo jogava ao lado do Ricardinho. Além de ter jogadores de qualidade questionável, o que mais me irrita nessa meio campo é falta do 10. E o que me irrita ainda mais é que o Dunga não permite os avanços na lateral esquerda pelo Kléber.

Quer dizer, jogamos com dois cabeças de área, dois zagueiros, um meia com bastante característica de marcação e ainda um lateral esquerdo que não desce. São seis jogadores que entram em campo com missão de parar o adversário. Claro que em algum momento eles aparecem para atacar também, mas é a exceção deles, não a regra. E isso, ao menos para mim, é pouco.

Gostaria de ver um meio campo mais solto. Deixa lá o Felipe Melo, que é primeiro volante e mais nada do que isso (aliás, contra Paraguai e Uruguai, entregou várias bolas de forma perigosa), Elano, Kaká e Diego. Acho que seria mais forte, com as passagens pela lateral tanto do Kléber, quanto do Maicon ou Daniel Alves (o Daniel Alves está na preferência hoje do público, mas para mim os dois são fracos, não acertam um cruzamento certo, a diferença que o Daniel dá maior correria). E assim uma ligação mais interessante com o ataque formado por Robinho e Luis Fabiano. Acho que teríamos um futebol mais vistoso.

Talvez o sistema defensivo ficasse mais vulnerável, mas o que importa tomar gols, se dá para fazer tantos outros? Prefiro o futebol para frente, do que essa retranca medonha que vemos, só sabendo jogar nos espaços dados no contra-ataque. Ou em ataques confuso, 'ni qui' dão uma sorte de encontrar alguém para fazer o gol.

O Brasil ganhou do Uruguai no frango do primeiro gol, eu fiquei envergonhado pela vibração do Daniel Alves comemorando aquele gol. Tem que sair discretamente, respeitando a falha do outro. Teria razão de comemorar assim se fosse uma final, qualquer coisa do tipo, mas de longe não era o caso. E talvez isso mostre um pouquinho a pilha que está sendo colocada nos nossos jogadores. Daquele gol para frente, não havia mais confiança no goleirão do Uruguai e como o time da casa tinha que sair para fazer o resultado, tomou só bola no contra-ataque. 4 a 0 não é de jeito nenhum um reflexo de uma superioridade mostrada em campo. Não houve show e o placar não disse o que foi o jogo.

(Sobre o frango que foi o primeiro gol do Brasil, me lembrou do dia que o time da manutenção levou uma sacolada. Eu tinha me fixado fácil na titularidade da meta do time e estávamos invictos desde minha chegada. Não que eu fosse um grande goleiro, mas eu sabia como é que as coisas funcionavam. Daí, veio o time do Durotin, um departamento dentro da fábrica. Eles montaram uma seleção, chamaram um pessoal de outra filial e um lá era amigo de um jogador de futsal da primeira divisão espanhola. Nós estávamos acostumados a comer churras na faixa - pois os perdedores tinham que pagar caixas de cerveja e churrasco para todos - e manter a escrita nessa condições seria demais. Demais seria se não fosse um chuto onde eu desacreditei e foi morrer no ângulo. Aí, rapaz, ninguém mais confia no goleiro e para finalizar a sacolada, tomei o gol mais humilhante da minha carreira. O cara, o tal jogador profissional, saiu na cara do gol, eu fui fechar o ângulo e me encobriu. Quando um goleiro toma um frango logo de cara, dificilmente o dia será fácil. Ah... Pois é, depois disso jogamos umas poucas vezes.)

Contra o Paraguai, deu até para ver um troca de passes legal. Mas o gol de empate do Brasil, já que Cabañas, nosso eterno carrasco, já tinha aberto o placar, foi um gol meio que empurrado. Nada de jogada trabalhada. Mesmo o gol do Nilmar, o da virada, foi um gol trombado. Enfim, tem quem goste. Eu não gosto, espero que o time consiga bom entrosamento agora na Copa das Confederações e mostre um futebol mais legal de se ver. Pois nos dois últimos jogos, não deu para ficar acordado o tempo inteiro.

Os três Bs da temporada

Mais uma semana corrida não me dando tempo de vir aqui postar com freqüência que eu gostaria. E a semana foi interessante para pensarmos um pouquinho no rumo dos dois esportes que mais acompanho de perto. A Fórmula 1 e o Futebol. Ah... curto também o vôlei. Aliás, mas um passeio ontem do nosso time feminino sobre a China. Lindo show da Fabiana e Carol Gattaz.

Mas vamos às pistas. Aliás, 2009 é o ano de redenção de muitas pessoas. A primeira da quase extinta equipe Honda, que ganhou a roupagem da Brawn e inteligência de um dois maiores projetistas da história do esporte. Ross está mostrando quem é que conhece da arte de desenhar carros e de solucionar problemas aerôdinâmicos para ganhar décimos de segundo preciosíssimos. O B Brawn está obrigatoriamente em toda manchete de matéria da F1 deste ano, quando o assunto é vitória.

Outro que está com seu ano de redenção é Button. Não tem o que falar, o cara está com o melhor carro, mas sabe guiar muito. Sem erros, sem desespero, com muito segurança, sabendo a hora de atacar e principalmente sabendo esperar o erro do oponente. Button levou mais uma no final de semana passada. Já são seis vitórias em sete corridas na temporada. Se o regulamento proposto pela FIA no início do ano estivesse vigorando, a taça já era do inglês. Aliás, já praticamente é, pois não tem adversários, por ora, a sua altura.

Apesar de toda redenção, quem não consegue de jeito nenhum saber o que é isso é Barrichelo. Nosso Burrinho Barrichelo ou é azarado de marca maior ou é ruim de dar dó. Quem sabe as duas coisas juntas e aí não tem sorte que chegue. É o Cuca das pistas sem dúvida. No GP anterior, por erro crasso de estratégia perdeu a vitória e ficou em segundo, lugar que já tem seu nome garantido. É tipo uma cativa. Agora o nosso piloto, tão lembrado em nossos lampejos de gracejos, conseguiu errar feio na largada. Estava em terceiro e com boa chances de chegar no mínimo em segundo. Botou a culpa no carro, mais uma vez, mas sempre o carro é complicado, não é não?

domingo, 7 de junho de 2009

UFA! De Virada é mais Gostoso!

Fala Véio!!!

Olha... foi um sufoco... vai ter emoção assim... lá longe...

Nós sabemos que assim é muito mais gostoso, mas esse sofrimento é terrível... acho que não tenho mais idade para isto! (rsrsrs)

O Verdão não jogo bem... podemos até dizer muito mal... mas não estou aqui para falar mal do Verdão... já tem muita gente para fazer isso... vamos falar sobre as coisas boas:

- O Santo está de volta e em grande forma... que beleza. É de encher os olhos. Uma defesa após a outra. Com muita segurança e competência. Salve São Marcos! Nosso herói... que “X-Men” que nada... São Marcone é o herói. E ele deve estar rezando muito para que a “defesa que ninguém passa...” volte aos bons tempos.


- Quando o Obina foi contratado... “chutei” (postei)... que quem daria o passe para ele, seria o Ortigoza... em uma alusão ao primeiro gol do Obina com a camisa do Verdão. Brincadeiras à parte, gosto muito do Orti. Ele tem raça, é valente, e apesar de muita gente reclamar que não entende o que ele fala... mas tenho que certeza... de que ele fala a língua certa... que todo o torcedor gosta de falar... "bola na rede e pronto". Simples assim! "Arriba Caraco".

- O Maurício Ramos já estava merecendo fazer um gol. Fez contra o Sport, na Libertadores, mas o gol foi dado para o K9. Em vários jogos, ficou só no quase... mas dessa vez não teve jeito.... é caixa... e de virada... que é muito mais gostoso...

- Parabéns a torcida do Verdão... que apesar dos xingamentos (de alguns) no primeiro tempo... incentivou muito no segundo... e com certeza ajudou na “virada”.

Só mais um... que "bike" que o Obina deu... se entra... o Palestra viria abaixo... continue assim... pois quando o K9 despertar... não vai ter prá ninguém... e o seu ajudante está voltando... o Willians... é logo logo...

A CAMISA DO VERDÃO FICOU LINDA... mas... pô! acho muito caro (R$ 149,00) é muito dinheiro! se fosse uns 70 contos... seria melhor.

Força Palestra! Abraços
Luiz Cláudio

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Mais dois pontos perdidos

Mais uma vez três gols fizemos, mais uma vez três gols sofremos. Santos 3 a 3 com o Santo André e perdemos grande oportunidade em ir para a cola do Inter, que poderá disparar 5 pontos na nossa frente, caso vença seu jogo. A sorte é que o Colorado pega o Cruzeiro, em Minierão. Mas a verdade é que pelas circunstâncias foi um péssimo resultado.

O Santos abriu o placar com o desencantado Pereira, que quando recebeu a bola do Souto até desacreditou que não estava em impedimento e olhou para o bandeirinha antes de driblar Neneca e chutar a gol. Um belo gol, com participação do sempre inspirado Paulo Henrique, como joga esse menino. Mas se o ataque vem funcionando (média de quase 3 gols por partida), a defesa ainda pena. O Santos marca muito pressão e poucas vezes o time adversário consegue chegar tocando a bola. Mas quando tem chance com nas bolas paradas, os adversários sempre levam grande perigo a meta de Fábio Costa. E foi assim que saiu o primeiro empate do Santo André, escanteio cobrado curto, a defesa sai para fazer a linha burra de impedimento e deixa o jogador do time do ABC cabecear sozinho, Fábio Costa faz grande defesa, mas Nunes completa no rebote.

Um balde de água fria, muitos poderiam pensar, mas com a torcida comparecendo em peso, o Santos foi para cima novamente e conseguiu ampliar com Madson, que é muito bom jogador, a melhor contratação dos últimos ano do Peixe. Aliás, como corre o baixinho, poderíamos chamá-lo Madsafa Power ou ainda Madsain Bolt. Corre demais! Mas logo veio mais um gol do Santos André, em falha clamorosa de Luizinho que não marcou o cruzamento e Eller que deixou o Nunes pular sozinho.

Logo no início do segundo tempo, o Santos amplia de novo, agora com petardo de Fabão. Que porrada, rapaz. Claro que se acerta um em mil, mas quando vai para o gol é inapelável e é um golaço. O Santos parecia que teria certa paz, pois ficou com um a mais depois de entrada maldosa de Nunes em Fábio Costa. Aliás, Nunes que chamou nosso goleiro de safado, mas safado é ele que veio com o pé solando na canela, criminoso. Eu sei que o Fábio é afoito e bem cavalo ao sair do gol, mas aquilo foi cretinice do nove andreense.

Mas para salvar o time do Ramalhão Luizinho agiu novamente. Agora para fazer um pênalti infantil, ridículo. Nem mirim faz uma falta dessa. É por essas e por outras que Wagner Diniz deve herdar rapidamente a camisa 4 e para mim isso será uma injustiça, já que o Pará deveria ocupar desde sempre a lateral direita e o Luizinho tinha que ser opção só depois do Bruno e do Choco que vieram da base. Fora, Luizinho! Você não é nem jogador de futebol. Some da Vila!

O Santos ainda teve uma grande chance desperdiçada pelo Kleber que cabeceou e a bola caprichosamente bateu na trave, num lance incrível. Mas foi só. E algumas coisas precisam ficar de lição, a primeira e mais óbvia é que não dá mais para ter Luizinho de lateral do Peixe. Outra coisa é Molina, está entrando no lugar de Neymar, que está no banco amadurecendo. Mas Molina não vem aproveitando bem suas oportunidades. Contra Corinthians e Santo André, ele deixou muito a desejar. Aliás, ontem foi bater uma falta, mais ou menos de onde ele fez o gol contra o Flu e mandou lá em Cubatão. Fala sério, mais um pouco a bola iria parar Vila. Acho o cara um baita jogador, mas que confia muito pouco em si. Será uma má herança deixada por Cuca na Vila? Que coisa! Só sei que quando Molina tem a oportunidade de explodir, parece jogar com receio e não vai para cima, chuta mole. É estranho.

Wagner Mancini também foi mal ontem. Primeiro por insistir em Luizinho, segundo porque substitui mal. Neymar por Molina, o natural. Mas Roni no lugar do Paulo Henrique não foi bom. Se ainda fosse o Robson, sei lá, mas o Roni é apenas um jogador voluntarioso. Aliás, me agradava mais ele a frente do que o Pereira, pois ele não é um craque, mas ajudava a marcar pelo menos. Pereira vem perdendo gol a rodo (e ainda sim é o artilheiro do nacional, só para ter uma idéia do que é a criação do meio de campo santista) e não ajudam em nada lá na frente. Às vezes pressiona um zagueiro, mas chega por vezes a nem ser reparado em campo. Talvez, Roni por Pereira, só pela correria. Ou ainda tirar o Léo que já estava cansado e colocar o Robson ou até mesmo o jovem André. Mas Roni por PH jamais, até porque o nosso querido Ganso pode desequilibrar a qualquer momento, está em grande fase.

Agora teremos 10 dias sem jogos e espero que esses erros sejam corrigidos. Wagner Diniz já está treinando lá na baixada e para mim já vai para o banco no próximo jogo, sendo o Pará titular. De resto, é trabalhar o posicionamento da zaga. O Santos vem jogando bem, mas tem esses cochilos da zaga que não podem continuar. Ainda estamos invictos com cinco rodadas, mais é pouco, média de 2 pontos por partida que dá 66 vírgula um monte de seis por cento de aproveitamento, o que é pouco para quem começa o Brasileirão sem dividir forças e visa conquistar o título e no mínimo alcançar vaga para Libertadores. É claro que se mantiver até o final a média fica com uma vaga e é sério candidato a título, mas a gente sabe que no final aperta e ficará cada vez mais difícil conseguir os pontos.

O time está quase ideal, é só manter a média de gols e não bobear tanto lá atrás. E é claro, falta mandar embora o tal de Luizinho. Aliás, é como eu digo, só o Madson é que salva dos cariocas que vieram, Lucio Flávio já voltou para o Rio e torço para o Luizinho faça o mesmo o quanto antes. Vaza!



Nota: O Peixe estreou ontem seu manto sagrado todo preto. Que lindo uniforme mesmo. Lindíssimo. Mas eu queria saber quem é que decide fazer essa estréia fora de casa. É um animal! Um idiota! Estúpido! Imbecil! Pô, isso é para fazer promoção, lotar a Vila, dar prêmio para torcida e tudo mais. Caramba! Quanta coisa poderia ser feita de forma mais pensada, fala sério. O Alex, diretor de marketing do Peixe, é gente boníssima, mas ele não poderia permitir jamais um absurdo desse. Nota 10 para Umbro que mandou muito bem no manto e zero para quem bolou essa estréia. Que foi na frente de muito santista, pois o ABC é nosso, mas tinha que ser obrigatoriamente na Vila a primeira vez do novo uniforme.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Kaká, Real e a moldura do futebol europeu

Na semana passada, escrevi um texto exaltando, talvez de maneira até exagerada, o grande feito do Barcelona e o grande clube que ele é. A verdade é que o disse aqui corresponde com o que penso. Acredito hoje que o futebol jogado pelo Barça é mais gostoso de ver, pois prefere atacar a se defender. Além disso, conta com uma linha de cinco no ataque que só está abaixo de linhas como Mengálvio, Coutinho, Dorval, Pelé e Pepe.

Apesar de tudo isso, o Barça é um time de enorme tradição, mas fora dos domínios espanhóis, ele começa a ganhar títulos importantes fora dos domínios espanhóis recentemente. Aliás, primeira Champions League do Barça foi na década de 90. Acredito que a forma que esse time pensou desde sempre sua administração faz com ele seja a grande potência que é hoje e o time que tem maior potencial de crescimento no Velho Continente, na minha opinião pelo menos. Ele e o Manchester.

E sendo o Barça um novato nas grandes conquistas internacionais, o outro gigante espanhol e mundial, também, o Real Madrid é maior campeão de todos os tempos da história do esporte bretão. O time Merengue montou esquadras fantásticas na época de ouro do futebol, times que só sofriam com a sombra do dream team do Peixe. Mas lá pela Europa, jogadores liderados por nomes como Ferenc Puskás, Alfredo Di Stéfano e Raymond Kopa papou tudo que era títulos e encantou com futebol vistoso de muitos gols e toque refinado.

O Real, ao contrário do Peixe, fez muita grana nesse período. O Santos também fez, para falar a verdade, mas a cultura de direções amadoras no futebol brasileiro fizeram o Peixe caminhar ao abismo. Claro que os aspectos sociais do nosso país também contribuíram para um não melhor desempenho do meu glorioso time, mas a verdade é que os diretores meteram a mão no Santos. Já as administrações madrilenhas aproveitaram os aspectos sociais e econômicos da Europa e com certa competência levaram o time a se tornar uma enorme potência do esporte, virando inclusive referência para equipes do mundo inteiro.

Real Madrid, então, começou a montar times fortíssimos e, com a globalização nos anos 90, a exposição do futebol do velho mundo para os outros cantos do planeta aumentou extraordinariamente. Ao fim desta década, o Real montou um time recheados de estrelas e, no início deste século, ganhou a alcunha de Galáticos. Zidane, Roberto Carlos, Ronaldo (na época ainda Fenômeno), Beckham, Figo, Raul. Nomes que, além de virem acompanhados de bom grau técnico, agregaram também altas cifras. As contratações foram milionárias e praticamente se pagavam com venda de camisas e nas excursões que o time faz no início das temporadas.

Não só o Real lucra assim, todos os grande da Europa. Manchester, Chelsea, Liverpol, Arsenal na Inglaterra. Milan, Inter, Juve na Itália. E mais alguns grandes clubes que lucram alto no início da temporada, fazendo inclusive a pré-temporada fora de seus países também. A verdade é que o salto logo de cara da Europa em estruturar o futebol e em vender bem seu produto, dá uma moldura diferenciada da moldura encontrada aqui no Cone Sul do Novo Mundo. A verdade é que parece tudo lá ser mágico. Além dos grandes nomes presentes em campo, contam também com estádios de primeiríssima linha, além de toda organização fora de campo, que impressiona principalmente quando se acompanha de forma distante os certames europeus.

Aliás, a verdade é bem essa, é tudo muito bonito visto de fora e vende bem. Já dentro de campo, hoje, só realmente o Barcelona e, um pouquinho, o Manchester possuem times jogando um futebol de fazer inveja aos grandes times da América. Tirando a parte de goleiros, que a Europa tem escola fabulosa, nos demais setores de campo não é difícil detectar jogadores e esquemas táticos piores do que os apresentados no Brasil. O G4 Paulista entraria bem em qualquer campeonato por lá, não faria feio e nas ligas nacionais de alguns países com futebol campeão do mundo, leia-se França e Alemanha, esses times, além de beliscar vagas para a Champions League, lutariam fortemente pelo título da temporada.

Futebolísticamente falando, ali nas quatro linhas, quem está de fora da Europa fica impressionado porque só vê os nomes e os principais lances e gols. Mas com o advento da internet e com jogos sendo transmitidos on-line, os mais loucos por futebol podem ver de tudo. E quem vê sabe que eu não estou aqui louco. A capa, a forma, o jeito que chega aqui faz a gente pirar com o futebol na Europa, é só lembrar que belíssima festa foi feita na final entre Manchester e Barcelona. É de encher os olhos mesmo. Mas toda pirotecnia de fora de campo se reflete pouquíssimas vezes quando bola rola. A Europa é uma ilusão, de certa forma, quando falamos em futebol, que a gente - por ter formas tão amadoras de dirigir times - comprou bonito!

O Real Madrid, sem dúvida nenhuma, é o time que mais sabe fazer essa pirotecnia. No entanto, toda festa e todo investimento feito ao longo dos últimos anos não se traduziram mais taças lá no Santiago Bernabéu. Mas como há toda a mística sobre o time de branco, mais investimentos são prometidos para temporada 2009/2010, principalmente para tentar frear o irresistível Barça. E a grande contratação, que faz tempo que se anuncia (mas que jeito nenhum ninguém confirma), é Kaká. O ex-sãopaulino trocaria Milão por Madrid na mais cara transação do futebol, 66 milhões de euros. Especula-se que o Milan tem uma dívida que giraria mais ou menos nesse valor e é sempre bom saldar os débitos. Berlusconi, presidente do Milan e primeiro ministro italiano, não quer falar nisso até passarem as eleições lá no país da bota, agora nesse final de semana. O partido de oposição estaria utilizando essa negociação para esculachar o Berlusconi.

Mas é fato que muita gente dá por certa a ida de Kaká para o Real, que também não passa lá por grande vantagem nas finanças, mas conta com um presidente mais que endinheirado, Florentino Pérez. Pérez que acaba de se eleger presidente do Real, aliás, e usou a contratação do craque da seleção brasileira como plataforma para concorrer sozinho ao posto.

Vejam só, presidente que coloca grana no clube, o time que mais venceu o mundial de clubes com dívida de quase 200 milhões de reais. Complicado, não é? Um olhar mais afundo e vemos que o sonho europeu não é tão belo assim. Claro que nem dá para comparar com as dificuldade vividas por aqui, mas vemos que as maracutais são as mesmas. Além disso, como anda se pensando muito no marketing e pouco no futebol, grandes craques não é garantia de bom futebol.

Para o bem do futebol, seria bom que o Kaká ficasse no Milan e que o time italiano se reestruturasse para a temporada onde ele volta a disputar a Champions League. Kaká saiu muito novo do São Paulo e se tornou craque por lá, tem enorme identificação com a torcida do Milan e já manifestou publicamente que gostaria de permanecer por muito tempo defendendo aquela camisa rubronegra.

Se concretizada essa negociação, para mim pelo menos, fica impressão de que a lição passada pelo Barça ainda não repercutiu na Europa. Mais que várias contratações em medalhões, o ideal é que se tenha uma boa categoria de base e invista em jogadores que querem criar um identificação com o clube. Ter como foco uma comissão técnica que se alinhe com o ideal de futebol que tradicionalmente o time sempre teve é importante também.

Acho que o Real Madrid está nadando contra maré e pouco contribui para evolução do futebol. Aliás, o Milan também, pois especula-se que a saída do Kaká seria para dar lugar a Cristiano Ronaldo. Times assim só sobrevivem mesmo por essa capa criada na Europa, pois se estivessem no Brasil estariam quebrados e passando o pires.

É nóis na final da Copa do Brasil

Pois é, meus caros, é nóis na final da Copa do Brasil! Jogando um futebol que deu pro gasto, O Timão consegui conter o ímpeto do esforçado vasquinho e ir mais uma vez pra final, a ser disputada com as coloridas.

Pela primeira vem em muito tempo pude ver o Corinthians saber jogar com a vantagem (maturidade do elenco?). Eliminamos o fluminense graças a vantagem, mas foi um baita sufoco desnecessário. Hoje a coisa foi bem diferente. Tomamos um sufoco sim, no começo do segundo tempo (ainda bem que o Nilton lembrou da infância no terrão e perdeu uma cabeçada incrível). Mas a defesa sempre foi segura: o William, que às vezes dá umas vaciladas, foi bem na cobertura; Alessandro, o guerreiro, mais uma vez comeu a bola e o Chicão foi o Chicão de sempre. Diego na lateral-esquerda não comprometeu, mas eu preferiria o Bruno Bertucci.

No meio, Douglas decidiu jogar enquanto a nossa dupla de volantes ficou meio apagada, Elias principalmente.

Dentinho ajudou mais na defesa do que de costume (um bom sinal) deu um rolinho, um chapéu e soltou uma bomba do bico da área: merecia até ter feito um gol. Jorge Henrique também, embora eu ache que essa contusão anda meio que demorando demais para sarar. Tslvez ele pudesse ter sido poupado hoje e o Otacília Neto ganhado a vaga de titular.

Ronaldo atuou como um atacante mediano. Até perdeu um gol que o meu cachorro faria. Esquecendo que não tem mais aquela arrancada que o tornava capaz de driblar cinco e bater pro gol, saiu muitas vezes da área. Ele tem de se tocar que é a referência. Se ele sai pra buscar jogo, quem vai finalizar as jogadas?

Soubemos nos impor e não perder a calma. E o mais importante: saímos com a vaga na final!

Vai, Corinthians!

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Mais um caso de pênalti espírita

Impressionante. A escola de árbitros do Rio Grande do Sul está fazendo um trabalho muito satisfatório para detectar espíritos zombeteiros em campo. O primeiro a demonstrar essas habilidades, que até então não eram comuns no campo do futebol, foi Simon, lá no campeonato cearense, aliás, na final do certame.

Vejam atentamente no vídeo acima. Vejam que Leonardo Gaciba, árbitro FIFA (isso nos dá total confiança em sua qualidade, e por isso não podemos nem cogitar a hipótese que ele é um nó cego e não deveria jamais apitar um jogo da série A), percebe a ação da entidade flamenguista, que derruba o jogador do Patético do Paraná, sem titubear apontar a marca da cal. Ele sabe que a entidade rubronegra em questão é do Flamengo, pois trazia consigo uma camisa com os dizeres "Fenômeno é o Imperador na Gávea". Percebam que a ação do espírito brincalhão é tão forte que chega derrubar até o jogador do rubronegro carioca.

Mais uma vez, dou meus parabéns aos nossos queridos árbitros, que cada dia vem orgulhando mais o futebol brasileiro. Marcações como essa, mostram que não é preciso apenas treinar fisicamente e saber as regras do futebol, é preciso mais. É preciso conhecer o funcionamento do mundo invisível, do mundo sobrenatural.

Co-irmão do Morumbi

Pois é, o São Paulo está meio estranho. Cadê a eterna soberba? O São Paulo está querendo ser o maior amiguinho do Peixe, veja só. Na sexta passada, no almoço promovido pelo Marcelo Teixeira, o JJ disse que vai ceder o Morumbi em 5 oportunidades esse ano para o Peixe mandar seus jogos lá, com taxas mais em conta, o que é legal com o plano de trazer mais jogos para Sampa e jogaríamos em um gramado mais decente, já que o Pacaembu, que só não gosto mais que a Vila, está com um gramadinho sem vergonha.

Na semana passada, o São Paulo queria fazer uma troca absurda de jogadores, Eller, nosso zagueiro titular, por Wagner Diniz, o lateral reserva deles. E bateram o pé que não colocariam um tostão nessa tratativa. Espertalhões, não? Enfim, a verdade é que hoje surpresa maior não dava para ter. Wagner Diniz vai descer à Vila sem custar 1 real! Sei lá, estranho, muito estranho. Se o barato sai caro, o de graça pode vir com um preço embutido que eu tenho até medo de imaginar. Mo mínimo, penso que vai acontecer igual ao Wendel ano passado, o novo concorrente de Luizinho para vestir a camisa 4 deve ir bem e vai deixar a Vila assim que terminar o empréstimo, nos deixando carentes no setor mais uma vez.

O bom da notícia é que para com a duas palhaçadas em relação a contratações para lateral que ouvi ontem, o Santos atrás do Gabriel, filho do Wladimir, que para mim é uma enganação do tamanho do mundo, aliás, o rapaz não carrega uma máscara, e sim uma carranca na face. A outra palhaçada foi que existiam negociações para trazer o Capixaba do Palmeiras. Aí parou, não dá nem para comentar. Seria contratar um peso morto e ainda reforçar o adversário.

Apesar das notícias serem boas para o Santos, eu prefiro ainda estar atento. Quando a esmola é demais, o SantoS desconfia.

terça-feira, 2 de junho de 2009

Novo Manto do Peixe


Ontem, o Peixe lançou seu novo uniforme, seu novo terceiro uniforme. Depois de a diretoria mantendo-se extremamente conservadora, assim desprestigiando a Umbro e o belíssimo uniforme azul, o Santos lançou um uniforme preto, ficando dentro daquilo que o estatuto define.

Eu achei muito bonita também essa camisa toda preta. Mas ainda sou fã do uniforme azul com detalhes dourados. De qualquer forma, esse novo manto black deve repetir, pelo menos em parte, o sucesso do terceiro uniforme do ano passado. A torcida sempre gosta dessas novidades, camisas assim a gente sabe que não é para sempre, então, corre para adquirir o quanto antes.

Aliás, fica uma dica aí para quem quer me presentear no meu aniversário! hehehehehehe... Mas estou ansioso para ver o time jogando no estilo preto total e espero que façamos com essa camisa mais que dois míseros jogos. O Santos tem que aprender a respeitar mais seu fornecedor de material esportivo. Aliás 2, para mim, a Umbro ainda era fornecedora de material para seleção, pelo menos não teríamos que jogar Copa do Mundo parecendo time de várzea, onde todo mundo tem uniforme igual, só mudando a cor. Aliás 3, a Umbro está mais 10 anos no Peixe, isso é uma pareceria bem legal e que deu muito certo. Espero que fiquem mais 40 anos pelo menos.

Mas se falta respeito às vezes a Umbro, está sobrando para com a Semp Toshiba. Vamos combinar, esse logo da STi está grande demais, daqui a pouco vai ficar igual a time de vôlei, Santos/STi, ou qualquer coisa do gênero. Vamos pegar leve aí na propaganda para não ficar parecendo um co-irmão aê.



Nota: falando no co-irmão, espero que o prefeito Kassab impeça que sejam vendidas essas camisas novas do time de Parque São Jorge. A camisa fere claramente as novas regras da cidade limpa, jogando impiedosamente um sem número de propagandas às nossas vistas. Aliás, se um torcedor quiser um autógrafo nessa camisa fica meio difícil, pois falta espaço em branco. Aliás, duas coisas que circularam hoje, uma é que a Batavo queria até finalizar o contrato com o Corinthians devido a poluição em que se encontra a camisa; segunda coisa está relacionada ao Gorducho, dizem que ele está meio arrependido de ter assinado com o tio Silvio Santos, pois a Globo claramente deixou de dar aquela enorme importância para cada peso perdido ou incorporado pelo ex-Fenômeno. Tio Silvio percebendo tal situação ironizou Ronaldo ao propor pagar 50 milhões ao jogador para entrar com bonés da TeleSena em cada jogo.

No domingo, poderia ser o A ou o B ou todos juntos

Olha, eu já estava preocupado. Faz uns 10 anos ou mais que o Santos não ficava sem vencer o Corinthians por mais de duas partidas. Perdeu duas e tinha empatado uma até então. Eu fiquei preocupado, se o Santos tinha perdido a mão de seu maior freguês no século. Mas não perdeu, não. Time A ou B, no domingo, o Santos tinha que atropelar o time de Parque São Jorge e atropelou.

Exibição perfeita de Paulo Henrique, que beleza o nosso Ganso. Fez dois gols, deu dribles, toques sofisticados e só não deu passe para gol, porque Kléber Pereira continua brigado com as redes. O menino só precisa se deslumbrar menos e focar mais o Peixe, acho ele por vezes meio distante do grupo, não sei. Espero que seja só impressão. E digo mais, se ele quer sair logo do Santos, espero que ele lembre da história do padrinho dele. Giovanni poderia ser ainda mais ídolo que é e ter mais chance na seleção, se não fosse a afobação em ir à Europa.

Outro que jogou e jogou demais foi o Madson. Aliás, esse está ficando até repetitivo. O pequeno gigante irritou a defesa corinthiana e o Madson fez isso nas finais também, mas foi uma pena não termos sido melhor recompensados pelo bom jogo que fizemos, principalmente nosso camisa 10, que ainda por cima foi hostilizado por alguns babacas das sociais.

A verdade é que o Santos mandou no jogo, fez o time do Corinthians ir ao ataque e se entregou aos contra-ataques. Assim saíram os dois primeiros gols. No início do segundo tempo, o Santos tentou administrar, tirou o pé e acabou tomando um tento do rival. Mas aí o Santos foi para cima de novo, e ao contrário do pensa nosso estreante corinthiano, Cristian, achei que Kuririn, Julio César, foi muito bem e por isso a sacolada não foi mais. E acho que o Felipe vai ser vendido o quanto antes, muito provavelmente nessa janela européia. Aliás, um comentário aqui sobre a entrada do time reserva do Corinthians, acho que entrou com essa formação pela deficiência do preparo físico, só isso explica, pois era derrota certa essa escolha feita pelo Mano Menezes. Não vem falar em maratona, pois vários times estão nessa correria de jogos e não se arriscariam desse jeito em um clássico.

Mas a pressão do Peixe foi enorme e ainda conseguimos um gol no final, gol de Madson, gol para seu filhinho, ele tinha prometido. 3 a 1 mais olé. Mas ainda sim algumas coisa precisam ser pensadas. Uma primeira boa coisa a ser lembrada é o aproveitamento do Mancini no comando do Peixe, só perdeu três vezes, duas para o Corinthians e a vitória de ontem tira uma cara de tabu que não seria boa para um treinador tão competente. Agora vamos às coisas ruins, primeiro os dois pontos que deixamos de somar frente ao Goiás já fazem falta, com eles o Santos estaria em segundo e a dois pontos do Inter, agora está em terceiro e a quatro do Inter.

O Santos apesar de dominar o jogo falta ainda a questão de fazer o gol. Acho que ainda falta mais calma, o time por vezes é meio afobado. O Molina não foi o grande jogador que esperávamos, ficou devendo nesse jogo. Kléber Pereira pode ir embora logo, só é artilheiro de jogo ganho. Quando precisa dos gols dele, não vai, não vai e não vai. Os times do Santos vencedores dos últimos anos sempre tinham uma boa distribuição dos tentos entre seus jogadores, não havia um artilheiro disparado, assim como é hoje. Mas a verdade é que o Kléber está perdendo gol demais e eu já perdi a paciência com ele. Se Neymar está levando banco, e é preciso, necessário e merecido, o Pereirão também deveria seguir o mesmo caminho.

Agora é concentrar contra o Santo André e se esforçar muito para conseguir mais os três pontos. Se o Peixe chegar aos 11 pontos fica bem e secando o Inter que deve empatar na próxima rodada.