quarta-feira, 30 de abril de 2008

VAMOS LOTAR! Me espera que eu to descendo!

Vai pra cima deles SANTOS
Vai com Determinação
Tu que és o Glorioso
Visto seu manto com Amor e Emoção

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Um chupa pra Superdesinteressante!

Tem um tempinho aí atrás, a Superdesinteressante publicou uma reportagem que visava claramente denegrir a imagem do Santos. Ela cogitava a possibilidade do Pelé ter nascido na década de 80, e nesse caso o Rei teria ido embora cedo do Brasil. Até aí, qual é a novidade e o que isso acrescenta? Porém, é dito também que se fosse assim, o Santos teria a mesma tradição e torcida que o Jabaquara.

Pelé sempre será um gênio único, o maior. E claro que fez toda diferença para o Santos ele ter jogado toda sua carreira lá, mas o Santos não se resumia a Pelé. O Rei chegou como a última peça de uma máquina implacável! O Santos já tinha um time fantástico! E se a revista não lembra, o Pelé disse que um jogador como o Robinho é pouco esperto quando deixou o Brasil recebendo aquele salário astronômico.

Enfim... Mas chupa aí, dona Superdesinteressante! A Placar publicou uma matéria comparando as 108 edições do campeonato inglês com as 49 edições de torneios nacionais. Se os times tivessem esse tempo de vida e o campeonato brasileiro todas essas edições, a Placar decretou quem seriam os grandes campeões ao lado dos maiores campeões da liga inglesa.

CHUPA!

Porcos eufóricos? Relembrar é viver!

A última vez que o Palmeiras foi campeão...

O prefeito de São Paulo era o Celso Pitta;
O celular tocava musicas irritantes e não batia foto;
O World Trade Center ainda estava em pé;
O Brasil era Tetra ainda;
O Ronaldo era Ronaldinho e estava lesionado;
O presidente era o FHC;
O programa do Milton Neves era o "GOL, GRANDE MOMENTO DO FUTEBOL";
Na TV passava "Laços de Familia" e não era "Vale a pena ver de novo";
Era lançado o primeiro filme do Homem-Aranha;
A ovelha Dolly era notícia ainda;
Counter Strike começava a virar moda;
O Zinho ainda era jogador de futebol;
Robinho estava no colegial;
A Ferrari ainda não era campeã com Shummy;
Barrichelo não havia ganho 1 corrida de F1;
O Super-Homem ainda era vivo;
Que engraçado, a Parmalat num tinha falido;
Eu usava icq ainda e o messenger 6.1 era sensação;
O Ronaldinho Gaúcho ainda era jogador dos juniores do Grêmio;
O Lula era de esquerda;
A Britney Spears era virgem;
O João Paulo II era vivo;
O Bill Clinton era presidente dos Eua;
O Saddan Hussein era ditador do Iraque;
O Covas era governador, e era vivo...
O time do São Caetano nem era conhecido;
O Playstation 1 era febre, PS2 um sonho distante...

Uma uva

Foi assim que o presidente do Goiás definiu o Corinthias antes da vitória por 3 x 1. Pelo visto ele se esbaldou e chegou até fazer um vinho!
______________________________________

Créditos à Néia que me mandou esse quadrinho genial.
______________________________________

E quando a fase é ruim... até a imagem do santo padroeiro quebra!
Será esse mais um sinal da volta do faz-me rir? Eu já to rindo mesmo de ti, Corinthians! hohoho

terça-feira, 22 de abril de 2008

A palavra do Rei

Quando ele fala como Rei, como Pelé, é sempre fantástico... ou quase isso. O Rei concedeu uma entrevista muito interessante ao repórter Daniel Piza do Estado de São Paulo e que foi publicado no último domingo. Pelé diz coisas interessantíssimas sobre atual estado do futebol, sobre o quanto pior tecnicamente ele está, vale a pena pensar sobre isso. É uma pena que ele acabe tão mal a entrevista... =/... Mas tá aí, com o a Palavra o Rei!

_____________________________


Foi nesse rádio que seu pai ouviu a Copa de 50?
E a de 58 também. Em 50 ele estava com os colegas do time (BAC, o Baquinho, time da segunda divisão profissional de Bauru) escutando o jogo no quintal de casa. Quando o Brasil perdeu, ele chorou e eu disse que iria ganhar uma Copa do Mundo para ele. Em 58 ele escutou por esse mesmo rádio nossa vitória na Suécia. E chorou de novo.

E essa TV verde-amarela?
Foi outro prêmio que ganhamos em 58. Você viu como é pesada? Não existia TV no Brasil naquela época, embora a Copa tenha sido toda filmada. Hoje fico pensando nas facilidades de comunicação. Naquela Copa, eu não tinha nem telefone para ligar para meu pai depois da vitória e contar que o rei (da Suécia) tinha descido até o gramado para nos cumprimentar.

Você certamente sabe o que os escritores Mario Filho e Nelson Rodrigues disseram sobre a Copa de 58: que ali o Brasil venceu o complexo de inferioridade que tinha desde a derrota de 1950. Concorda?
Na verdade, acho que foi o contrário. Me diziam que em 1950 já estava tudo certo para comemorar a vitória (sobre o Uruguai na final no Maracanã), que o Brasil não tinha respeitado o adversário. Em 58 respeitamos muito os adversários, mas sem medo. Nunca achamos que seria fácil.

Antes da Copa, você se lembra da primeira convocação para a seleção?
Lembro, foi em 57. Lembro que ouvimos pelo rádio e não entendemos se o locutor tinha dito Telê (que então jogava pelo Fluminense) ou Pelé. Por sinal, até então viviam me chamando de Telê ou Pelê. Até o dia em que eu disse: "Olha, Telê é o loirinho, o crioulinho é Pelé". Eu nem gostava do nome Pelé, porque meu pai havia me dado o nome de um gênio, Edson (de Thomas Edison, inventor americano).

Você teve outros apelidos na seleção de 58, não? Gasolina, Elisa, Amadeu Bicudo...
Gasolina foi ainda nos tempos do Santos, porque eu era muito rápido, explosivo. Elisa era por causa de uma torcedora do Corinthians que gostava de mim e, toda vez que eu chegava ao estádio, me mandava beijos. Amadeu Bicudo é porque eles diziam que tenho boca grande. Aí eu passei a gostar de Pelé... (risos)

E o dia da convocação para a Copa, você lembra?
Lembro, foi muito emocionante, mesmo que eu já esperasse. Eu estava machucado, tinha batido o joelho numa partida contra o Corinthians. Mas o médico, dr. Hilton Gosling, e o Mário Américo (preparador físico) sempre disseram que eu teria condições para jogar. Foi por isso que fiquei fora dos amistosos na Itália.

Você disse que já esperava. Por quê? E por que não tinha ido ao Sul-Americano de 57?
Acho que foi por causa das excursões do Santos. Eu esperava ir para a Copa de 58 porque tinha jogado bem na Copa Rocca e também ia bem nos treinos. Eu já era o titular do time.

Já usava a camisa 10? Porque dizem que foi um membro uruguaio da Fifa que determinou os números dos jogadores, pois o Brasil enviou a escalação sem eles...
É verdade. Mas eu já vinha usando a 10, embora às vezes usava a 8... Não era nada fixo. A partir da Copa é que o número passou a ser associado a mim. Viu aquela bola ali? (Aponta para um cubo de vidro com uma bola amarela pequena dentro, com inscrição em inglês.) "Antes dele, 10 era apenas um número"...

Você lembra quanto pesava e media? Era mais franzino do que estaria nas Copas seguintes.
Era, sim. Acho que pesava 68 kg e media 1m70. Com topete, ficava 1m71... (risos)

É mesmo verdade que você gostava de treinar?
Sempre gostei de me preparar fisicamente. Habilidade, dom, muita gente tem. Mas meu condicionamento físico era privilegiado. Eu corria bastante, subia e descia aquelas escadas... E ficava sempre mais um tempo, cobrando faltas, treinando a esquerda. O pessoal ia embora sem ter nada para fazer.

Apesar de titular, você não tinha mesmo condições físicas para o jogo de estréia contra a Áustria?
Eu estava pronto, sim. Não sei se preferiram esperar um pouco por eu ser jovem... O psicólogo, dr. Carvalhaes, havia dito que eu e Garrincha éramos muito jovens, porque a gente vivia fazendo brincadeira, molecagem.

Mas o técnico (Vicente Feola) e o dr. Paulo Machado de Carvalho (coordenador da delegação) também achavam isso?
Não, não achavam. Eles e o Mário Américo sempre disseram que a gente ia jogar. Depois do empate com a Inglaterra, aí eles viram a necessidade. Mesmo na vitória por 3 a 0 sobre a Áustria não tínhamos jogado bem.

Por quê?
O jogo não fluía. Os outros times eram fortes, corriam muito, e nossa qualidade era o toque de bola. Talvez com o Vavá e o Altafini (Mazzola, a quem Pelé se refere sempre como Altafini), que tinham estilos muito parecidos, não estivesse dando certo. E além de mim e do Garrincha entrou também o Zito, que não era tão técnico como o Dino Sani, mas tinha muito fôlego e visão de jogo.

Diz a lenda que Bellini, Nilton Santos e Didi foram pedir para vocês três jogarem, é verdade?
Não foi bem assim. Alguns jogadores eram consultados pela comissão técnica, como o Didi e principalmente o Nilton Santos. O Nilton Santos vivia dizendo para o Feola, até de brincadeira, "o time é Pelé, Garrincha e os outros, senão não vai dar".

Dizem também que Garrincha tinha sido vetado porque deu dribles demais no amistoso contra a Inter de Milão.
O Feola realmente reclamava de quando a gente driblava muito. Eu mesmo reclamava do Garrincha porque às vezes ele passava por dois, eu sabia que ele ia passar e então eu corria para a área e ele não cruzava, dava outro drible para trás... Eu xingava muito! (risos)

Mas é verdade que o Feola dizia "Do meio para a frente, joguem à vontade"?
Ele se preocupava mais em acertar a defesa. E pedia sempre para a gente ser objetivo. Isso foi fundamental. Ele também sabia que não tinha como evitar que eu, o Garrincha, o Didi e o Vavá fôssemos para cima. Era nossa característica. Mas o Zito marcava muito bem; o Zagallo também, pela esquerda. Os laterais sabiam quando subir e quando não subir.

Ele teria gritado para o Nilton Santos no primeiro jogo "Volta, volta!" quando ele partiu com a bola e foi até marcar o gol. E teria dormido num dos jogos.
Eu não ouvi isso. Até porque o Nilton Santos fazia muito isso no Botafogo, com o próprio Zagallo, que tabelava com ele e cobria suas subidas. O Feola parece que cochilou num momento ali e então pegaram no pé dele. Mas ele via tudo.

O técnico só foi definido em abril, a escalação não tinha números, foram só duas semanas de treino, você e Garrincha só entraram no terceiro jogo. Houve falta de planejamento? Ou o trabalho de Paulo Machado de Carvalho fez diferença? João Havelange era presidente da CBD (atual CBF) desde janeiro daquele ano. Havia uma obsessão em ganhar a Copa?
Tínhamos vontade. E houve um trabalho bastante bom de organização, sim. Tinha comissão técnica pela primeira vez e um grupo excelente de jogadores que se con heciam. Naquela época não havia material como hoje, e nos amistosos nem podíamos trocar de camisa.

O Mazzola fez dois gols na estréia. Mesmo assim, acabou saindo do time para você entrar.
Acho que o Vavá estava melhor para fazer a função de homem de área. Garrincha caía pela direita e Zagallo pela esquerda. O Didi e eu vínhamos do meio, eu mais do que o Didi. Sempre parti em direção à área, mais ou menos como o Kaká faz hoje.

O time tinha Didi, Nilton Santos, Zito, Garrincha e você, os maiores craques. Mas e o Vavá? Ele foi importante com seus 5 gols, não?
Claro que foi. Era um grande jogador. Não tinha tanta habilidade, mas não falam aí do Fenômeno (Ronaldo, segundo maior artilheiro da seleção)? Vavá era mais completo do que ele, antes de mais nada porque cabeceava muito bem.

E o papel do Didi?
Ele era o maestro. Sem ele para dar lançamentos e passes o time não teria ido tão bem.

Contra o País de Gales você fez o único gol do time. Uma vez disse que foi o gol mais importante da sua vida. Ainda diz?
Foi, no sentido de que ali tudo se fixou.

Você dá uma puxada na bola, num espaço curto dentro da área. Já tinha feito aquela jogada antes?
Não, imaginei ali mesmo. Foi um meio-chapéu, um... Era a única forma de tirar o zagueiro da jogada.

Você é o inventor de outras jogadas, como a paradinha na cobrança do pênalti e a tabelinha com a canela do adversário. Tem algum lance do futebol atual que você gostaria de ter feito? A pedalada?
Não... O que eu sempre tentei fazer, ficava ensaiando nos treinos, era a carretilha, em que você prende a bola e usa o calcanhar para jogá-la por cima. Mas não saía... O Caneco, ponta do Santos, vivia fazendo isso. Eu nunca tive coragem de tentar num jogo.

Em 24 de junho foi o jogo contra a França. Fontaine não jogava. Mas era o time a bater naquela Copa?
Era o que mais preocupava. Eu me lembro da gente conversando na concentração sobre o jogo deles, que já tínhamos visto. Lembro o Bellini dizendo "O ataque deles é muito bom", algo do gênero. Respeitávamos muito a França, mas também confiávamos em nós.

A França saiu na frente... Depois o Brasil fez 5 x 2, com três gols seus.
É verdade. Mas aí começamos a jogar melhor e ganhamos até com facilidade. Era o jogo que ia ser o mais difícil e terminou sendo o mais fácil. O futebol é assim.

Seu terceiro gol é o mais bonito que já fez? Um menino de 17 anos dar chapéu dentro da área em Copa do Mundo é algo raro...
É um deles, certamente. Depois na final contra a Suécia eu praticamente fiz outro igual.

No último gol contra a Suécia, de cabeça, a trajetória da bola é proposital? Ela faz uma espécie de parábola por cima do goleiro.
Foi proposital, sim. Raras vezes eu vejo um gol assim. Mas quando a bola vem muito alta, é a melhor maneira de enganar o goleiro, encobrindo até o outro canto.

É verdade que o Paulo Machado de Carvalho disse que o azul era a cor do manto de Nossa Senhora Aparecida para animar os jogadores?
Também não ouvi isso. A gente não se importou de jogar de azul. (Mostra a camisa numa estante ao lado.) E ela é muito bonita, não?

Como você compara a seleção de 58 e a de 70?
A de 58, se você analisar jogador a jogador, tinha mais talento, individualmente. Mas a de 70 jogava melhor, era mais compacta. Todo mundo voltava, menos o Tostão e às vezes o Jairzinho. Então saíamos com velocidade, aproveitando os lançamentos do Gérson. A de 58 era mais ofensiva.

O curioso é que ela teve a defesa menos vazada da Copa. Era boa defesa, não?
Era. Tinha o De Sordi pela direita, substituído no último jogo pelo Djalma Santos, e o Nilton Santos pela esquerda, com Bellini e Mauro no meio. Era muito experiente.

O Bellini era capitão, mas pelo que você conta o Zito, o Didi e o Nilton Santos eram os que mais gritavam e orientavam, não?
Eram. O Zito era chato pra caramba... (risos) O Didi vinha falar sempre que a bola parava: "O Zagallo precisa voltar, o Pelé tem de soltar mais a bola"... O Nilton Santos também falava, e o Orlando lá do banco de reservas. Era um grupo muito sério e unido.

Depois de 6 gols em 4 jogos e se consagrar como o rei do futebol, você como jogador ainda melhorou depois de 58 ou já atingiu o patamar?
Melhorei, sim. Eu não cabeceava tão bem ainda e não chutava tão forte com a esquerda. Na Copa de 70 você vê como faço mais essas duas coisas.

Seu ídolo maior era o Zizinho? Por quê?
Porque ele era um jogador completo. Chutava com as duas, cabeceava, tinha velocidade. Eu sempre tentava imitar o que ele fazia.

E você ainda não comemorava os gols com um soco no ar.
É verdade, isso só veio em 59, num jogo contra o Juventus, quando a torcida me vaiava. Foi um desabafo, depois incorporei aquilo.

Você vaiado?
O Santos só ganhava de goleada, especialmente na Vila, e quando o time jogava mal, quando eu não conseguia fazer gol, a torcida ficava decepcionada. Mas não era como hoje, que eles chamam o cara de gênio numa semana e na seguinte o vaiam.

Por quê?
Porque hoje tem poucos talentos. No meu tempo, era preciso esperar um ano, dois anos, até realmente alguém poder dizer quem era craque.

Em sua época e depois, sempre apontaram outros Pelés. Quais você realmente admira?
Eu gostava muito do Di Stéfano.

Melhor que o Maradona?
Melhor. Mais completo e rápido, fazia muito mais gols.

Quem mais?
Ih, falaram do Sívori, do LaBruna, do Dirceu Lopes, do Cruyff...

O Zico foi chamado de "Pelé branco", e o Ronaldo e o Ronaldinho foram comparados com você quando brilharam no Barcelona.
O Zico realmente foi o mais próximo de mim em estilo de jogo. Batia faltas, dava passes, fazia gols, entrava driblando na área. O Ronaldinho tem muita habilidade, mas decepcionou na Copa. O Robinho também sofreu com essa comparação. Em termos de aproveitamento, acho que o Romário foi o melhor. Esse sabia fazer gols. Meu negócio nunca foi ficar equilibrando a bola na nuca. Eu queria era fazer gols.

É um peso desnecessário sobre eles, não é?
Claro que é. Acho que precisa ter mais paciência. Outra coisa: hoje o jogador precisa pedir para a torcida levantar. A gente fazia a torcida levantar com nosso futebol. Isso não é saudosismo. Realmente havia mais jogadores de qualidade. A gente fazia a bola correr, hoje agora quem corre são os burros. (risos)

E o Maradona?
Foi um jogadoraço, mas veja bem: não chutava com a direita, não cabeceava... não era completo. E tem outra coisa. Por que tantos atletas olímpicos perdem medalhas quando pegos em doping e ele não?

Pelé, qual a melhor foto já feita de você? Aquela do coração feito pelo suor na camisa? Ou aquela da aura de luz ao redor de sua cabeça?
A do coração. Mas a do "anjo" é ótima também. Sabe o que era aquilo? A tuba da banda que executava o hino antes de começar o jogo.

Você deve conhecer a frase de Drummond: "Fazer mil gols como Pelé não é difícil. Difícil é fazer um gol como Pelé." É a melhor frase sobre você?
É, essa é difícil de superar. Mas eu também gosto da do Fernando Henrique (Cardoso), "o Pelé é o Brasil que deu certo"


_____________________________

Agradeço ao Cristian que me mandou a Reportagem. E que merda o Pelé tinha que falar no final! hahahahaha

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Nem tudo é festa

Vou postar o link de uma reportagem, que eu até acho bastante parcial, mas com certeza um alerta. Todos sabem minha opinião em relação a essa diretoria. Acredito que o continuísmo é um mal sem tamanho e só faz com que as instituições fiquem cada vez mais fracas. Enfim... mas de acordo com a entrevista de Marcelo Teixeira, que foi publicada no boletim do Santos Futebol Clube, vamos ter que nos acostumar por muito tempo com esse 'reizinho' no poder. Espero que o associado abra o olho. Peço a todos santistas que puderem que se associem, pois só assim o Santos será a cara de nós santistas.

Matéria do Diário do Litoral sobre o dinheiro da Geração de Ouro.

Entevista com Marcelo Teixeira publicada no boletim 340 do dia 03 de abril de 2008. As perguntas foram feitas por internautas.

1-) Qual é seu plano logo após deixar a presidência do Santos?
Thiago, Hortolândia.

Thiago, primeiro desejo cumprir nossos programas e objetivos traçados de modernização e adaptação do clube ao novo milênio, para após concluí-los continuar minhas atividades profissionais no Complexo Educacional Santa Cecília e me dedicar à minha família.

2-) Ampliação da Vila e estádio de Diadema. O que há de concreto a esse respeito?
Allan Maciel.

Allan, estamos aguardando posições da prefeitura de Diadema e do grupo alemão, existem pendências que devem ser solucionadas por eles, pois o Santos apresentou os seus deveres. Já a ampliação da Vila, o projeto está tramitando na Prefeitura e acredito que logo teremos novidades mais concretas.

3-) É verdade que o senhor, após reassumir o cargo em 2000, detectou uma crise financeira, e injetou dinheiro próprio no clube? Se sim, quais foram os valores? O senhor já recebeu o empréstimo? Houve juros?
Bruno Fernandes.

Esse assunto é de conhecimento público, pois foi refletido nos diversos balanços financeiros do clube. Diante da crise que existia quando assumimos emprestamos recursos ao Santos para iniciármos nossos projetos. Os valores são conhecidos em balanço e já foram ressarcidos sem cobranças de juros.

4-) Por que o Santos costuma ter diferentes planejamentos, já que às vezes investe pesado na contratação de 'medalhões' e, em um espaço curto de tempo, aposta muito na divisão de base??
Luciano Pacheco, São Luís.

O planejamento é único destes últimos anos, de muito sucesso, tanto no aspecto dos investimentos, quanto nos resultados de nossas equipes de competições, com o clube ocupando sempre as primeiras colocações e disputando títulos. Devemos priorizar nossas revelações da base e mesclar com atletas mais experientes na formação de nossos grupos.

5-) O que fazer para segurar nossos melhores jogadores aqui no Brasil?
José, Brasília.

Caro José, o problema é a legislação esportiva brasileira. Para isso, o Ministério do Esporte, inteligentemente, está propondo alterações através do projeto de lei 5186 que está tramitando na Câmara Federal. Temos que proteger o clube formador e arrumar maneiras de impedir a saída precoce dos melhores jogadores do Brasil.

6) Qual a maior alegria e a maior decepção de suas gestões?
Mauricio Soares, Campinas-SP.

As maiores alegrias foram o resgate da dignidade de ser torcedor do Santos FC, a conquista dos títulos, a modernização administrativa e a ampliação de nosso patrimônio, dentre muitas outras tão relevantes. As decepções são inerentes ao próprio convívio humano, de nossas vidas.

7-) O Santos arrecadou, apenas com a venda de um jogador, R$ 90 milhões; como se explica que, quase 03 anos depois, o Santos precise da ajuda de uma rede de supermercados para contratar um obscuro jogador da segunda divisão equatoriana?
Ministro Veiga, Salvador.

Caro Ministro, o mais importante foram os investimentos, todo o crescimento e avanços com os recursos das vendas de atletas. Parcerias são interessantes neste momento, desde que resguardados os planejamentos do clube. A contratação de jogadores através de parceiros foi uma oportunidade surgida através de um empresário torcedor do Santos FC que não envolveu recursos do clube. Uma excelente oportunidade de reforçar nosso elenco com jogadores de qualidade. No futebol deve ter cuidados, você poderá ter surpresas, mesmo sendo atleta estrangeiro de divisões inferiores, esta é uma das alternativas de momento do mercado do futebol.

8-) Não é antidemocrático um estatuto que prevê que para eleição dos diretores, conselheiros, etc..., a eleição da chapa é total, não sendo proporcional, mesmo que a diferença seja de 1%?
Rafael.

Rafael, sua pergunta é interessante e serve até para responder ao meu amigo jornalista Torero que na época das eleições escreveu que o nosso grupo acabou com a proporcionalidade do Conselho. Isso não é verdade. Nunca no Santos FC existiu eleição proporcional para o Conselho.
O estatuto não é antidemocrático, aliás, muito pelo contrário, pois raros são os clubes no Brasil que possibilitam, como o Santos FC eleições diretas para presidente, quando todos os associados têm direito a voto, todos se dirigem às urnas, democraticamente, decidem o futuro do clube.
Nossos estatutos são os mais atualizados com a Legislação vigente no País. Se houverem necessidades de novas adaptações ou revisões, esclareço que esta prerrogativa pertence aos conselheiros do Santos FC e não ao presidente ou a diretoria executiva.

9-) Sr.Presidente, por que não há participação do Pelé nas estratégias de marketing?
Claudio Silva.

Cláudio, Pelé e Santos FC são duas marcas fortes e, em determinados instantes, atuam juntas. O Rei tem colaborado conosco em nossas ações de marketing, negociações com parceiros.
Temos, na medida do possível, unido as duas marcas nessas ações. Prova disso foi todo o envolvimento do Pelé e do Santos FC com a Bombril em 2007. Estamos juntos prospectando novos negócios lucrativos para o clube e para o Pelé, sempre com visão profissional, apesar da paixão do Pelé pelo clube e de nosso orgulho e respeito em tê-lo muito próximo.

10-) Quantos anos o sr. pretende permanecer no poder?
Gabriel C. Santo, São Paulo.

Gabriel, enquanto for da vontade do associado do Santos FC e enquanto eu tiver tempo e saúde para colaborar com o clube estarei a disposição dos associados e da torcida. A cada eleição, temos tido maior aprovação de nossos trabalhos, alcançando a vitória em todas as urnas, em um total de dez, com uma margem expressiva de 70% de votos, o que ratifica a aprovação de nosso trabalho.
Enquanto a comunidade alvinegra e nosso grupo entenderem a necessidade de nossa liderança a frente dos planejamentos para cumprirmos nossos objetivos, estarei a disposição. Que Deus nos abençoe e guarde, iluminando nossa árdua, mas honrada e orgulhosa caminhada.

______________________________________
Só um comentário rápido. A entrevista é feita encima de perguntas feitas por internautas, mas posso afirmar que não foi divulgada nenhuma campanha para que os santistas mandassem perguntas ao presidente. E podemos ver que em alguns momentos aparecem todos os dados do internauta; em outros casos, como a pergunta capital sobre o estatuto, só tá o primeiro nome. Engraçado, né?!
Fora que um sabonete ambulante esse cara... Lamentável

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Presentes de Aniversário

O Santos jogou ontem por sua classificação na Libertadores. A Vila estava cheia, a torcida fez uma linda festa! Ontem, a Jovem usou pela primeira vez as bandeiras com os jogadores do supertime bi-campeão mundial. Ao todo 12 bandeiras: Gilmar, Calvet, Mauro, Dalmo, Lima, Zito, Mengálvio, Dorval, Coutinho, Pepe, Pelé e Lula, o técnico mais vencedor do futebol brasileiro.

Alguns desses deuses do futebol estavam lá na Vila também. Pepe, o maior jogador do Santos depois do Pelé, estava emocionado com a homenagem da Torcida Jovem:

- É sempre muito bom reunir essa turma. Ainda mais numa homenagem muito bonita como essa. Só tenho a agradecer: primeiro por ter tido a chance de jogar nesse time maravilhoso. Depois, por essa festa da torcida.

O jogo começou e o Santos dominava a partida em posse de bola, porém não conseguia ameaçar o Cúcuta, que armou grande retranca e saía bem nos contra-ataques. Num desses, Marcinho Guerreiro fez falta, que foi cobrada com perfeição no ângulo do Fábio Costa que tentou a defesa. Aquele 1 a 0 foi um balde de água fria, pois o Santos precisava a todo custo da vitória para não depender do resultado de Chivas e San José pra se classificar.

O Santos continuou indo pra cima, porém o nervosismo já começava a tomar conta do time, que não acertou uma vez o gol do Cúcuta no primeiro tempo. Tabata mais uma vez decepcionou, tentava fazer tudo sozinho e acabou sendo substituído no segundo tempo por Trípodi. O jovem argentino não devia ter a idéia que ser tornaria aquela noite um dos heróis do jogo.

No segundo tempo, todos já sabiam que o Chivas estava vencendo o jogo, a vaga estava seriamente ameaçada. A defesa do Cúcuta continuava impenetrável. Mas a torcida continuava empurrando o time, apoio incondicional, mais que isso, amor incondicional! Esse amor foi combustível suficiente para que o time conseguisse se superar e mostrar muita raça. A raça fez com que o Molina sentindo dores na perna pedisse para continuar em campo e jogar no sacrifício. Foi assim, foi com essa cara que o Santos conseguiu virar. O Wesley fez boa jogada, foi à linha de fundo na ponta esquerda e cruzou para trás, para Kléber Pereira matar a bola, girar e chutar forte! Que golaço!!!

O sofrimento foi grande, após o gol Domingos se envolveu em uma confusão e acabou expulso junto com um jogador do time colombiano. Leão ficou prostituto da vida com isso e foi para cima do árbitro e acabou expulso também. O Santos começou a alçar bolas na área e numa dessa o Molina deu de cara com o goleiro do Cúcuta e acabou machucando feio o nariz. Ainda sangrando ele esbravejou e disse que não sairia, mesmo assim. Pra quase nos matar do coração, um atacante deles conseguiu encaixar bom contra-ataque e saiu na cara do Fábio Costa que fez uma defesa milagrosa, impressionante. PQP é o melhor goleiro do Brasil!!!

Kléber Pereira tentou encobrir o goleiro num belo lance, a bola pegou na trave e sobrou pra Trípodi volear bonito para o fundo da rede colombiana. Sinceramente quando a bola caiu pra ele, falei: fudeu... Mas ele foi lá e conseguiu marcar seu primeiro gol, gol da classificação. O time do Cúcuta que estava até então cozinhando o galo, começou a correr de forma inesperada! Realmente, o Chivas deve ter oferecido uma grana para arrumar o resultado.

O árbitro ainda deu 8 minutos de acréscimo, depois disso tudo sei que meu coração é muito forte. Santos classificado pras oitavas de final. O maior presente da noite, o maior presente que o torcedor do Santos poderia receber nessa semana de aniversário.

E o Molina definiu bem o seu espírito, que era o espírito de todos em campo, o espírito que pode nos levar ao TRI:

- Quando a torcida começou a cantar que o Santos é amor e paixão, eu quis deixar o coração dentro de campo. O nariz estava sangrando muito, mas eu briguei para ficar. Queria ir até o último esforço. Toda equipe teve esse espírito. Se entregou e por isso ganhamos. Eu tive de ficar um pouco maluco para me deixarem ficar dentro de campo e valeu a pena.

Santos, o time da virada! Santos, o time do amor!!! Obrigado! Obrigado mesmo!

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Vai pra cima dele Santos!

Vai pra cima deles SANTOS
Vai com Determinação
Tu que és o Glorioso
Visto seu manto com Amor e Emoção

terça-feira, 15 de abril de 2008

A Autodestruição da Floricultura

E o sãopaulino Simão diz:

E o Adriano do São Paulo, que fez gol de mão? E o apelido dele é imperador. Então, agora muda pra IMPURRADOR. Futebol não é handebol, é "pébol". São Paulo, Campeão Paulista de Handebol.
E um leitor me disse que o Adriano inaugurou uma nova modalidade: vôlei de grama! E o jogador ainda disse: "o Maradona também fez gol de mão e foi eleito melhor jogador".
Quer dizer que tudo o que o Maradona fez tá valendo? Aí te pegam com um saco de pó. E você fala: "O Maradona também fez!". Rarará!
E aí perguntaram prum jogador português como ele tinha feito um gol tão lindo. E ele: "Fácil, fiz o gol com o pé que estava mais à mão".
E os palmeirenses estão chamando o juiz de ladrão.
Sabe como a torcida do meu São Paulo xinga o juiz? "Juiz ladrão, bonitão e gostosão!" É mole? É mole, mas sobe! Ou como diz o outro: é mole, mas trisca pra ver o que acontece!

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1504200804.htm

Só pra relembrar a clássica bambiada.

96 anos de Glórias

segunda-feira, 14 de abril de 2008

A ti serei sempre fiel!

Esse lance de identificação é engraçado. Em algumas coisas, essa identificação ocorre num primeiro contato e uma história pode ser vivida intensamente a partir daí.
É engraçado, pois por muitas vezes quem vê essa história de fora não consegue desvincular a imagem dos protagonistas dessa história. Uma vez me disseram que pensar em mim é pensar obrigatoriamente em futebol e sobre tudo em Santos Futebol Clube.

14 de abril de 1912... a farsa do Titanic é afundada para que o verdadeiro gigante do mar nascesse! Santos Futebol Clube que nasceu com as cores azul e dourada, mas logo as cores branca e preta tomaram lugar para simbolizar a nobreza e a paz. E foi nessas cores que o mundo conheceu jogadores fantásticos... Araken, Feitiço, Edu, Coutinho, Pepe, Clodoaldo, Juari, Pita, Chulapa, Giovanni, Robinho, Diego, Elano, Léo... e o maior de todos Pelé!

São 96 anos de muita história... pra mim, são 23 anos de fidelidade absoluta, de amor incondicional!

Parabéns, Santos Futebol Clube! Parabéns, Glorioso!



Sou alvinegro da Vila Belmiro
O Santos vive no meu coração
É o motivo de todo o meu riso
De minhas lágrimas e emoção

Sua bandeira no mastro é a história
De um passado e um presente só de glórias
Nascer, viver e no Santos morrer
É um orgulho que nem todos podem ter


No Santos pratica-se o esporte
Com dignidade e com fervor
Seja qual for a sua sorte
De vencido ou vencedor

Com técnica e disciplina
Dando o sangue com amor
Pela bandeira que ensina
Lutar com fé e com ardor

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Não entendi

O que aconteceu ontem? O Leão voltou a ser o Leão que critiquei no início do campeonato? 3-5-2, time sem atacar e permitindo que o Chivas fosse sempre ao ataque? Aí me vem falar que a culpa é do Betão e do Fabão?! Todo mundo sabe que a zaga do Santos é ruim e que o time só vinha bem porque estava jogando pra frente e fazendo gols, o que inibia de certa forma que os adversários atacassem.

Diante de tudo isso... só uma coisa a dizer:

Ei, Leão, vai tomar no cu!



Ps1: O Pelé e o Maradona só dão sorte pra Santos e Boca quando os times jogam em casa. Mas foi legal a homenagem de ontem.

Ps2: CHUPA, Grêmio! CHUPA! A boa notícia de ontem à noite!

quarta-feira, 9 de abril de 2008

Indignação?!

Dois casos recentes chamaram muito a atenção por toda indignação que elas geraram no público: o caso Mosley e o da menina Isabela. O chefão da F1 foi mostrado em uma orgia com cinco prostitutas e a brincadeira toda continha requintes sadomasoquistas e fantasias nazistas. O caso menina Isabela é mais conhecido de todos, ela foi encontrada no jardim do prédio onde seu pai mora e teria sido supostamente jogada da janela do quarto do apartamento.

Mosley simplesmente virou alguém não querido em qualquer lugar. Seu gosto sexual misturado com o pouco caso feito com todo sofrimento dos judeus na segunda guerra fez com que até se cogitasse sua saída da F1. No último grande prêmio, sua presença foi vetada pelo Príncipe de Bahrein. Toda sociedade condenou a atitude de Mosley, sobretudo os judeus que se sentiram muito ofendidos. Mas vou falar uma coisa pra vocês: ofendido, me sinto eu com tanta bobagem! Olha, não vou aqui falar que entre quatro paredes vale-tudo, só pra não cair num clichê, mas penso que da vida sexual de cada, cada um é que cuide. Indignado, eu fico, pois me irrita profundamente pessoas que ganham a vida para vasculhar a das outras só para descobrir coisas desse tipo, divulgar e vender mais o próprio jornal. E aí se forma o circo. Tudo porque nossa sóbria e puritana sociedade adora comprar tablóides que escancaram com a vida de pessoas famosas! Acho realmente complicado o pouco caso que o Mosley fez do holocausto, mas se ele pensa assim, pensaria mesmo sem ter realizado essa orgia. E o do jeito que ele expressou esse sadismo dele, não veio a prejudicar ninguém. No vídeo não pareceu que nenhuma moça fazia aquilo forçadamente. O foda é o circo que se monta, circo montado num moralismo que a nossa sociedade não sustenta nem de longe.

Outro circo montado foi sobre o caso da menina Isabela. Eu também fico ferrado quando vejo uma criança sendo assassinada. Para mim, quem faz isso é um monstro que deve ser colocado em uma prisão perpétua, num local bem isolado, onde ele só consiga sobreviver, se ele trabalhar. Mas para saber quem é esse monstro deve haver investigação e julgamento. O que fizeram com o pai da menina foi brincadeira, prenderam o rapaz e sua esposa sem necessidade, pois dentro dos artigos da lei não há nada que justificaria isso. Não to dizendo que eles não são culpados, mas acho que é meio demais. A prisão só foi decretada por toda pressão que existiu por meio da mídia e tudo mais. Especial do Fantástico, Época e Veja com capas de luta... gostaria de saber onde está o luto pelas milhares de crianças que morrem todos os anos em nosso país por causa do tráfico e da miséria de nosso povo? Ah... isso já é comum, pode até se fazer isso, mas não vende, né?! Bando de abutres que não respeitam nem a dor da família. Todos envolvidos com o caso parecem mais atores e a resolução do problema é esperada como o último capítulo da novela “A próxima vítima”. Me lembro que algo parecido aconteceu ao produtor ou diretor do filme “Meu nome não é Johnny”, o filho do rapaz caiu do oitavo andar da sacada de seu apartamento. Ele e a mulher foram presos e depois de alguns dias foi constatado que houve um acidente, a moça tinha tropeçado em casa com o bebê no colo. Uma fatalidade. Na época foi veiculado que os dois tinham sido presos e tal, mas praticamente nada foi falado depois que foi comprovada a inocência deles.

O que me indigna de verdade é isso, é o gosto da sociedade em ver a desgraça dos outros; fica dando uma de moralista, mas mesmo assim exerce todos seus preconceitos todos os dias, to pra ver os judeus aceitarem conversar com os palestinos numa boa para resolver o problema da faixa de Gaza. A mesma sociedade que se indigna com o assassinato de uma criança, acha corriqueiro ver alguém morrer de bala perdida e é incapaz (ou se faz pelo menos!) de ajudar crianças que passam fome do lado de suas casas.

Realmente desprezo o preconceito, mas repudio mais ainda quem compra e corre atrás desse tipo de notícia. Meus sentimentos a família de Isabela e espero que o culpado seja realmente julgado com todo rigor da lei, mas espero mais que todas as mídias tenham mais respeito com a própria memória da menina e que não façam culpados antes da hora.

terça-feira, 8 de abril de 2008

É... Zicou!


Indiscutivelmente, um gênio com a bola! Pouquíssimos estiveram acima do talento dele. Aliás, em talento, acredito que só o Rei mesmo. Mas futebol é mais que isso! É atitude também e um bocado de sorte. E esses elementos não sobram do Galinho de Quintino que coleciona derrotas inexplicáveis. Acho-o um pé-frio e pipoqueiro, mas há quem queira me encher de bordoada, ao me ouvir falar isso.

Mas tá aí! O Fenerbahçe tá começando a entender o que eu costumo dizer sempre. Pro Zico, não diria um chupa, até por tudo o que ele representa pro nosso futebol. Mas desejo realmente não vê-lo no comando de nossa seleção como já se cogitou algumas vezes.

VamPENTA!


É fogo... é bom saber a hora de parar. Vampeta, depois de participar da campanha do Penta do Brasil, só acumulou vergonhas. Aliás, depois de perder o Brasileiro de 2002 para o Santos, jogando pelo Corinthians, o jogador não venceu mais nada e agora conseguiu a incrível marca de ser cinco vezes rebaixado.

Pra quem já falou demais é o momento mais apropriado para dizer: CHUPA, Vampeta!

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Aqui é Profissionalismo Futebol Clube

Ontem com a camisa do Santos eu estava, porque pra mim o que interessa é o meu time, o que importa é o Santos vencer e fazer aquilo que for melhor pro grupo, o melhor para que o os objetivos do clube sejam alcançados. E dane-se se isso pode ajudar A ou B.

Fui totalmente favorável ao que o clube fez de mandar o quanto antes o time titular para Guadalajara para o penúltimo jogo da fase classificatória da Libertadores contra o Chivas. Acho que colocar o time titular em uma partida que não tinha mais valor pro Santos era pedir pra alguém se machucar. Mas quem jogasse tinha que representar e dar o melhor de si, pois era o momento de jogadores que estão sendo pouco aproveitados por Leão mostrarem seu valor. O time que foi a campo contra a Ponte só contava com KP de titular, para ele o jogo valia muito, valia a artilharia do estadual e aí se justificava a presença de um jogador tão importante para o grupo (dizem que o valor do prêmio pra artilheiro é mais ou menos de 300 mil reais).

Um jogo muito pegado, com pouca técnica, mas muita disposição. Todo mundo se empenhou muito no jogo, acho que o time pecou só em forçar demais as jogadas no KP, talvez ele tenha dito que dividiria o prêmio com o grupo, teve uma jogada em que o Tabata tinha o Quiñonez em condição melhor de fazer o gol, mas tocou pro KP. O Quiñonez é que está realmente encontrando seu futebol, jogou muito bem ontem, driblou, se movimentou, criou alguns lances, não acho que será titular do time, mas mostra que será importante para compor o elenco.

O Santos saiu vencendo o jogo com gol de KP, no primeiro tempo. Logo em seguida, a Ponte empatou. O jogo vinha sendo bem disputado até uma falta besta de Evaldo próximo a área, no início do segundo tempo. O camisa 10 da Ponte, Renato – já dado como fora da Ponte pós-Paulista –, bateu bem na bola e colocou no ângulo direito de Douglas. Leão colocou o time pra frente e o Santos foi dominando totalmente a partida, uma vez que a Ponte recuou o time também. Renatinho, que entrou no segundo tempo, fez boa jogada pela ponta-esquerda e recebeu falta. Carleto cobrou e no bate-rebate, Renatinho fez o gol que selava o empate.

O resultado ajudava o Corinthians, que se vencesse o Norusca, avançaria pra semifinal do Paulistão. Mas pouco importava, o Santos tinha que jogar o melhor que podia, mesmo sendo com o time reserva. E não precisávamos nos preocupar, o timinho da marginal se matou sozinho, não era preciso entregar o jogo. O engraçado foi ainda ouvir o choro do Mano, falando que a ‘ajuda’ do Santos veio meio tarde, quando o time dele já estava sendo nabado pelo Noroeste. Vai dormir, Menezes do inferno! Primeiro que o Santos não ajudou a ninguém, fez aquilo que faz sempre: o Santos joga para vencer. Agora, se o time dele se concentrasse apenas no próprio jogo, conseguiria talvez a vaga pra semifinal com esse gol santista no finalzinho. E outro que tem que ir dormir é o Sérgio Guedes que veio falar bobagens que o Santos recebeu dinheiro! Ele é que não cuide do time dele que vai ficar logo na semifinal mesmo. Se o jogo não ficasse tão concentrado no KP, ontem teríamos vencido a Ponte, que fazendo o segundo gol no início do segundo tempo, se amedrontou e se fechando na defesa. Se liga, Mané! Os jogadores tinham como incentivo o próprio ato de vestir a camisa do Santos e de sobra tinha a artilharia do KP. E o Leão não deixa de buscar a vitória porque essa pode vir a ajudar um rival, é só lembrarmos o caso do Atlético no ano passado. O Atlético ajudaria o Cruzeiro se vencesse a última partida contra o Palmeiras, o Leão era técnico do Galo. O Atlético venceu o jogo contra o Palmeiras, em Chiqueiro, e deu de bandeja a classificação à Libertadores para o Cruzerio.

Fica realmente a impressão de que um planejamento mais acertado nos daria reais chances de brigar pelo título. Como coloquei no balanço, pelo começo do campeonato, até que foi bom o que conseguimos!



Nota 1: o que me deixa chateado mesmo é ainda o empate com o Rio Claro. Se tivéssemos vencido, jogaríamos com os titulares contra a Ponte e acredito que venceríamos, já que arrancamos um empate com os reservas. Com os outros resultados da rodada, o Santos estaria classificado! =/... Irônico destino fazer com que justo o Rio Claro tirasse o sonho do TRI do Santos. Mas pior pra eles que acabaram rebaixados naquele jogo também!

Nota 2: esperem agora que vai ser uma chatice até decidirem onde será o segundo jogo da semifinal entre São Paulo e Palmeiras. Agora virá o choro verde, mas um choro imbecil de quem assina o regulamento e depois quer ficar reclamando algo!

Nota 3: eu comemorei muito o segundo gol do Norusca! Hahahahaha... Um golaço! Diria um amigo: genial! Hahahahaha...

Fala, Felipão!

Semana passada, o melhor técnico brasileiro esteve aqui em São Paulo. Felipão é o cara; consegue mesclar a retranca com um bom ataque. É uma pena que só temos filhos da puta na direção da CBF, pois é apenas isso que o afasta do comando de nossa seleção. Felipão veio para cá por causa de uma campanha publicitária, mas é claro que não poderia passar por aqui sem uma coletiva.

Dentre as coisas abordadas nessa coletiva, a polêmica das comemorações esteve presente. Concordo com quase tudo o que ele falou, a única coisa que não concordo foi uma crítica, que ficou meio subentendida, a punições a comemorações onde os jogadores tiram a camisa. Eu acho que essa é única punição que deveria existir, mas nem deve ser por parte da arbitragem, mas por parte mesmo dos clubes sobre os jogadores. Os clubes dependem de patrocínio e na hora que vão ser tiradas várias fotos do jogador, na hora que as câmeras vão dar um close no jogador, o jogador vai lá fica sem camisa, sem aparecer o patrocínio? Aí eu acho errado, pois existem compromissos financeiros que viabilizam o futebol. O último caso foi o do Adriano, tava lá sem camisa na capa de quase todos os jornais. Imagino que a direção de marketing da LG deve ter ficado muito contente com a colaboração do jogador. Eu penso que o jogador de futebol, sempre que estiver representando o clube, deve estar vestido da cabeça aos pés com produtos oficiais do time e dos patrocinadores. Outra coisa que também é complicada é quando acaba a partida e os jogadores ficam com coletes de patrocínios pessoais, aquilo é lamentável e se eu sou clube, puno também o jogador.

Bom... mas fiquemos com a palavra de Felipão. Tem mais da coletiva dele no site da Globo, mas peguei só essa parte pois comentei recentemente aqui no blog.

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Balanço do Paulistão 2008

Infelizmente o sonho do tri-estadual não se concretizou nesse ano. O Santos começou mal demais o campeonato. Era possível ver que o elenco não estava unido e que Leão era orgulhoso demais para dar continuidade no trabalho que vinha sendo feito. Leão começou o trabalho do zero, dispensou toda comissão técnica e quis montar o time de acordo com seu próprio gosto. Acho que a diretoria fez errado em colocá-lo no lugar do Luxa, em minha opinião, era o momento certo de realmente deixar profissional nosso departamento de futebol. Treinadores como os dois citados só trabalham se o clube fizer exatamente tudo aquilo que a cartilha deles mandarem, e eu acredito que isso é errado, pois fica difícil o time manter a base de um trabalho.

O Santos conseguiria manter essa base de trabalho, se trouxesse um outro treinador, como o Dorival Jr.; pessoas como Chulapa, Filé, ficariam no Santos e permitiriam que o início de temporada partisse do ponto que o time terminou no ano passado, vice-campeão brasileiro. Porém, Leão não quis trabalhar com eles e resolveu montar tudo do seu jeito. Jogadores também acabaram deixando o clube com a chegada do treinador, Maldonado é o caso mais escandaloso. O pior é que ele treinou com a equipe até a véspera da estréia do Paulista, e aí veio a notícia de sua venda. Quer dizer, uma extrema falta de planejamento, e agora não do Leão, mas da diretoria que permite uma vergonha dessas. Um jogador que é tido como titular não pode simplesmente da noite pro dia deixar de fazer parte dos planos do técnico.

A equipe sofreu demais até a metade do campeonato por causa dessa teimosia de Leão de montar tudo à sua maneira. O elenco estava extremamente apático, desunido. Ficava difícil não esperar pelo pior - por um rebaixamento que seria extramente vergonhoso e inexplicável, pois eu venho batendo na tecla, desde o início do campeonato, que esse elenco do Santos não deve nada para ninguém, talvez para o do Palmeiras, mas eu ainda não vi esse time dos porcos vencerem nada, então, só quando ganharem é que eu vou poder colocá-lo num patamar acima, e se o Santos não se reforçar.

A diretoria no desespero acabou contratando uma baciada de gringos, a sorte é que nessa baciada estava Mad Molina que vem realmente fazendo a diferença. Quando o time estava bem no fundo do poço, os jogadores fizeram um pacto de tirar o time daquela posição lamentável e fecharam com Leão. A partir da 11ª rodada, o Santos deu uma arrancada incrível, atitude que fez alguns acreditar na classificação. Particularmente, não me iludi com isso, mas achei mais que necessário e essencial essa cara aguerrida que o Santos mostrou. É bem verdade, que a torcida foi fundamental nisso também. A Vila foi determinante pra raça mostrada em campo em vários jogos. Os jogadores absorveram muito bem aquela atmosfera e se faltava técnica, não faltou determinação. Sei que em grande parte o responsável por essa mudança de atitude foi o Leão e não tenho problemas em dar os créditos a ele. Mas acho que se não fosse essa teimosia juntada as inúmeras trapalhadas da diretoria, no próximo domingo, o time estaria disputando uma vaga e não apenas fazendo um jogo treino pra ver se o Kléber Pereira consegue fechar o campeonato como artilheiro.

Se eu era a favor da saída de Leão até determinado ponto do campeonato, pois eu não via um trabalho realmente sendo feito, hoje, mesmo não gostando do estilo do treinador, acho que seria uma burrice a saída dele. Agora a torcida e o time têm que manter toda essa vibração, determinação, empenho, garra, fibra... tudo o que foi conquistado de bons valores nessa reta final de Paulistão, para a disputa da Libertadores que é o nosso grande objetivo. Vendo os outros jogos da competição sulamericana (ou já devemos chamá-la de panamericana?), não há grande diferença técnica entre os times cotados para passar pra segunda fase. O Boca sempre ganha destaque por causa da torcida, mas tá com um futebol sofrível também. Acredito que o time do Cruzeiro, se continuar apresentando o bom futebol de suas apresentações nesse ano, será a grande ameaça a todos que almejam o título.

Para finalizar, vou valorizar o elenco do Santos, que pra mim, possui bons valores. O Fábio Costa em forma mostrou novamente que não deve nada pra ninguém. Quando Leão deixou de insistir em Evaldo e Salles, Betão, Domingo, Marcelo e Adaílton mostraram que nossa zaga não é das mais técnicas, mas que sabe jogar com muita raça. De boa, eu to feliz com o futebol do Domingos, aprendeu a bater sem tomar cartão, tá sabendo marcar, tá sabendo a hora de dar um carrinho pra mostrar quem é que manda na zaga do Santos. Sério... tá com cara de Libertadores, espero que ele evolua ainda mais e que isso não seja passageiro. Ainda não acertamos o lateral-direito, Denis se machuca muito e nem sempre dá contado do recado, mas Adoniram (jogador que elogio desde o ano passado) vem mostrando ser versátil e tem quebrado o galho de ala. Na esquerda, Kléber é o cara e não tem jeito e ainda temos o Carleto que é muito bom também. O meio-campo do Santos também é bom. Souto, Adriano e Guerreiro conseguiram se entrosar e fazem uma marcação muito boa e ainda tem o Adoniram. O Molina vem realmente fazendo a diferença nos jogos, Valdívia logo perderá o posto de melhor estrangeiro jogando no Brasil, aguardem. Ainda temos no banco o Paulo Henrique, que é excelente meia e deve provar isso no domingo contra a Ponte (torço pra isso!). Nosso ataque conta o KP, que é matador, mas é preciso alguém mais. Acredito que o Alemão e o Tiago Luis podem ser os caras que façam boa parceria com o artilheiro do Peixe, mas o Leão prefere ainda o fraquíssimo Wesley (sei que ele é muito importante taticamente, mas não é possível que não se consegue fazer com que o Tiago Luis e o Alemão desempenhem esse papel também).

O Santos terá a baixa do Sebatián Pinto que pediu pra sair. Pinto que realmente só cumpriu sua missão de violentar o timinho da marginal e depois foi embora. Não acho o Sebastián mau jogador, ele tinha noção de tocar bola, mas um cone em campo. Enfim, dizem que ele deu uma entrevista descendo a lenha no Leão, diz ter sido perseguido pelo técnico, em parte concordo com ele, acho que muitas vezes o treinador do Santos é sem noção, fala mais do que deve e desagrega o grupo. A sorte que o que saiu do time era um peso para papel. E dizem por aí que pode pintar o Xuxa do Mirassol no time (caramba, o Santos que um time de famosos, Xuxa, Michael Jackson...). Sério também, espero que não venha, jogador de 26 anos que só veio jogar bem agora, não parece ser o tipo de cara que vai resolver os problemas da equipe.

O negócio é agora é concentrar forças na Libertadores e torcer para que as lições do Paulista tenham realmente sido assimiladas pelo time e, principalmente, pela diretoria. Que daqui pra frente, não vejamos mais trapalhadas.

Vai, Santos, que esse TRI não é impossível, não!

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Depois de Bicharlyson...

... o futebol anda com umas coisas esquisitas....

Nos bagos...



Beijoqueiros...

Liberdade ao CRÉU!

De boa, querem fazer do futebol um jogo igual ao tênis, ao golfe. Só posso pensar que é isso o que querem fazer. Agora estão preocupados com as comemorações. Pô... qual o problema do jogador fazer a dança do Créu após marcar um gol? O jogador só tem que estar ciente que isso pode de certa forma ser um estimulo ao adversário, que pode querer retribuir o gracejo. Como aconteceu no jogo Palmeiras e Rio Claro, onde o Valdívia marcou um gol, fez o créu e o time do interior conseguiu o empate. Hahahahaha... Aí o chileno ficou com cara de quem tomou um crau! Hahahahaha...

Tem gente que critica a comemoração do Créu pela música. Tudo bem... Concordo que é uma bosta. Mas ela nasceu com esse intuito, é uma bosta mesmo, acredito que nem o criador dessa joça reivindica que seu nome fique entre os grandes gênios da MPB. É uma música que é só de zoação, como todo funk, o que importa apenas é a batida para fazer a galera dançar. E claro que uma vez que essa música fosse mais conhecida, muitas outras piadas surgiriam, até porque é impossível não fazer piadas com ela. A comemoração com créu é zoar, extravasar mesmo.

Outras pessoas criticam a comemoração por ser provocativa. Pára! Tirando as comemorações onde os atletas apenas saem vibrando e gritando gol, todas as outras são provocativas. E por que não poderiam ser? Tem que ir lá tirar sarro mesmo, oras o futebol está baseado nisso. E tem que agüentar a onda também no dia em que o troco vier. A brincadeira faz parte do esporte e é uma das coisas que alimenta a paixão pelo jogo. Tem que fazer créu, tem que imitar os chorões, fazer o porco, matador... qualquer coisa é válida, desde que não haja desrespeito ao adversário, pois senão pode acabar em briga. Agora, o que o Botafogo pode reclamar, caso o Souza do Flamengo saia fazendo o choro quando marcar um gol? Não pode reclamar nada, ninguém mandou fazer toda aquela cena ridícula após a derrota no final da Taça Guanabara (aliás, o campeonato carioca é digno de um post! É de dar dó na verdade).

A brincadeira no futebol é normal e tem que ser tratada de forma sadia. Isso é uma das coisas que tornam o futebol tão demais! Pelo menos pra mim. Por favor, que os politicamente corretos e os puritanos fiquem bem longe do futebol... E que a CBF engavete o projeto que faria com os árbitros punissem as comemorações de zoação. Que puna apenas os sem noção que não sabem o limite da brincadeira.

Os precursores do Créu (é sempre no Rio, e isso temos que reconhecer, as torcidas de lá são bem mais criativa dos que a daqui de SP)



E a criatividade do brasileiro realmente não tem limites... hahahahahahaha

Terceiro uniforme

Esse ano a onda pegou. Após o Palmeiras ter feito grande sucesso ano passado com sua terceira camisa marca texto, outros times também começaram a perceber que a terceira camisa é uma grande jogada de marketing. Vamos aos casos aqui de São Paulo...

O caso que deu certo

O único caso que deu certo mesmo foi o do Palmeiras. O primeiro a retornar a idéia de terceiro uniforme, o Porco se deu bem, pois elaborou uma boa estratégia de marketing para o lançamento da camisa. Apesar dos tradicionais ficarem com o pé atrás, a camisa é um sucesso de vendas, normalmente em jogos no Parque Antártica, é sempre possível notar que o número de torcedores com a camisa cresce. Independentemente de qualquer coisas, se gostei ou não da camisa, acho que a parte de marketing do Palmeira está de parabéns, pela foto histórica com os torcedores no lançamento, pelo mistério, acho que o clube saiu ganhando muito com isso.

O caso da imbecilidade

É assim e só pode ser assim que posso classificar o caso do Santos. Atendendo ao pedido da diretoria, a Umbro buscou compor o terceiro uniforme do Peixe resgatando as cores iniciais que o clube teve. O resultado é uma camisa azul com detalhes em dourado. Sem dúvida nenhuma, é o mais bonito dos terceiros uniformes atuais do estado, e só perde pro do Flamengo no Brasil. Contudo, o Santos deixou muito a desejar na questão da venda do uniforme e no jogo de estréia. Até hoje, não está definida como será a venda desse terceiro uniforme. E o pior, o jogo de estréia foi frente ao nada expressivo Mirassol e sem ter vendido com antecedência a camisa pros torcedores. E pra avacalhar de vez, o time nem poderia ter jogado com esse uniforme, pois segundo o estatuto do clube, o Santos Futebol Clube só pode jogar com uniformes onde predominem as cores preta ou branca, ou seja, o uniforme azul ficará guardado pra sempre e se a diretoria não se mexer, nem os torcedores vão querer comprar a camisa.
Agora, custa ir lá e modificar a porra do estatuto pro Santos poder fazer um terceiro uniforme diferente? Já modificou pro Mané-Mor se eternizar no poder, por que não muda isso também? Ou custava ter isso em mente na hora de pedir o terceiro uniforme pra Umbro pra não pagar esse mico todo? Por isso que não vai pra frente... só tem imbecil no comando do Santos. Me desculpem a revolta, mas é burrice demais.

O caso da vergonha

O Corinthians também teve uma boa vontade para fazer uma grande campanha de marketing encima do terceiro uniforme. ‘Corintiano roxo’, esse é o slogan da campanha e a camisa foi criada na cor roxa. E aí é que foi o pecado, pois o mundo do futebol é machista, e não tem o que falar. Não dá para você pedir para a Gaviões da Fiel aderir a onda roxa, pois eles vão é ficar roxo, só que de raiva. Aliás, ficaram e ficaram junto com eles outros vários torcedores mais tradicionais, que não gostaram e protestaram bastante. Também não é pra menos, ver os muros de seu próprio time pintados de roxo deve deixar qualquer um roxo de vergonha. Porém, como a torcida possui muita gente, teve quem gostasse e a venda de certa forma surpreendeu, até pelos protestos. Mas mesmo assim, na partida em que ocorreria a estréia do uniforme, a diretoria corintiana refugou e preferiu mandar o time a campo com as cores tradicionais.
Foi feita toda uma campanha para que todos torcedores fossem de roxo naquele jogo, aliás, muita gente comprou a camisa pra ir àquele jogo, tinha promoções onde na compra da camisa o torcedor ganharia o ingresso pro jogo. E tudo isso foi simplesmente ignorado pela cúpula corintiana. E pra mim, isso foi uma falta de respeito com lojistas, torcedores que aderiram, com quem realizou a campanha e, principalmente, com o departamento de marketing. Vergonha.

Onde o caso não está sendo discutido

O São Paulo foi o único que ainda não aderiu à onda do terceiro uniforme. Questionado pela reportagem da Jovem Pan sobre o projeto que estaria sendo desenvolvido pela Reebok de um terceiro uniforme rosa para o time do Morumbi, o vice-presidente de futebol do São Paulo, Carlos Augusto de Barro e Silva, o Leco, riu e disse que isso só pode ser uma brincadeira. Porém, ele não chegou a dizer porque isso só poderia ser uma brincadeira. Bom... fui atrás de informações e descobri que o motivo de isso ser apenas uma brincadeira é decorrente do estatuto sãopaulino, que nesse ponto é até mais inflexível que o do Santos. Segundo o estatuto bambi, o São Paulo não pode se apresentar em uniformes que não sejam os já estipulados e conhecidos por todos. Ah... agora faz sentido dizer que aquilo só poderia ser uma brincadeira, pois projeto pra um terceiro uniforme do São Paulo é o que não falta.

quarta-feira, 2 de abril de 2008

Chupa, EVO!

7 a 0! É isso aí, o Santos passou o carro, triturou e humilhou o fraquíssimo time do San José. O time do presidente boliviano poderia ter sido substituído por cones que ninguém notaria a diferença.

Leão deixou de ser teimoso e entrou com o time no 4-4-2. Porém, a novidade no meio-campo, Tabata, provou mesmo que tem que ficar na reserva. Tabata infelizmente é um jogador pra compor o elenco apenas e jogar o segundo tempo. Mesmo assim, o time apresentou boa movimentação, muito melhor que a lentidão apresentada quando o time joga com 3 atacantes. O time começou meio nervoso e afoito. Perdeu gols inacreditáveis, Wesley para variar errou passes infantis e perdeu um gol que nem meu avô se recuperando de lesão na coluna e com quase 90 anos perderia.

Mas não tinha jeito, o Santos possui, ainda sim, um elenco bom, um elenco que não perde em nada pro do São Paulo, Palmeiras, Inter e Cruzeiro. Acho que o que faltava às vezes pro Santos era união, agora falta um pouco mais de calma. Mas o time do Santos é infinitamente superior ao do San José, e eu falei para meu irmão que o Santos se jogasse sério, faria 8 gols fácil, se não fosse os perdidos, teríamos inclusive superar essa marca.

O primeiro gol saiu, na etapa inicial, num genial cruzamento do Kléber para Domingos que apenas cumprimentou de cabeça. Aí começou o show de Mad Molida! Em jogada individual, o verdadeiro camisa 10 do time de 2008 veio trazendo a bola da lateral direita pro centro e acertou bom chute de pé esquerdo, que o goleiro Vaca aceitou. Molina fez ainda mais um no primeiro tempo, após cruzamento bisonho de Wesley, o zagueiro do San José rebateu a bola de qualquer forma e Molina com muita classe colocou no canto direito do goleiro.

O que eu gostei no time do Santos foi a determinação e a entrega durante os 90 minutos. Mesmo vencendo por 3 a 0, o time não parou e procurou o gol até o final do segundo tempo. Como o San José estava entregue, não foi difícil encontrar os gols. E logo no início da segunda etapa, Molina de novo marcou um golaço! Um sem pulo num cruzamento de Kléber. Depois, Kléber ainda cruzou para o xará Pereira fazer o seu, o artilheiro do Peixe não poderia passar em branco. O time do Santos continuou indo pra cima e Leão fez alterações para dar mais gás, colocou o Michael Jackson Quiñonez e Tiago Luís. O MJQ ontem surpreendeu, apesar do San José não ser nada assustador, o jogador mostrou boa qualidade, aliás, já tinha mostrado anteriormente, mas era muito afobado. Com calma, fez boas jogadas e marcou o sexto gol da noite e primeiro dele com a camisa do Santos. E ainda tinha tempo pra mais um de Mad Molina, com passe de Tiago Luís (que se movimentou muito bem e mostrou que merece nova chance) pela direita na entrada da área, Molina entrou na área indo pro meio e chutou bem de esquerda não dando chances a Vaca, que foi buscar pela sétima vez a bola na rede.

Depois só festa, olé da torcida e só. Santos atropelou o fraquíssimo San José conforme o previsto. O Santos perdeu pra si mesmo lá em Oruro. O Leão só tem razão em dizer que a altitude venceu o Santos no segundo tempo, mas se nossos atacantes tivessem melhor pontaria, teríamos feito pelo menos uns 4 gols só no primeiro tempo. Fazer o placar de ontem na Vila, era uma obrigação moral do Santos.

Agora é preservar o time e viajar mesmo no sábado se for possível. O Santos pode já garantir a vaga no jogo da próxima quarta no México. E se viajar no sábado, já acaba com a palhaçada de vai entregar pra Ponte no Paulistão pra prejudicar a gambasada. Pois fica clara a posição do Santos que deve dar prioridade à Libertadores. Mas é claro que o time que entrar em campo no domingo vai pra vencer. Mas deverá ser composto apenas de reservas, e de preferência aqueles que nem inscrito na Libertadores estão. Como já disse, incompetente é o Corinthians que está dependendo de outros resultados pra se classificar, assim como foi incompetente o Santos que nem tem mais chances de classificar. Mas já que não tem como classificar, contra Ponte é apenas pra cumprir tabela.

terça-feira, 1 de abril de 2008

Tem que ir pra cima!

Eu to achando uma várzea aí esse papo de falar que o Santos vai entregar o jogo contra a Ponte Preta. Isso é um absurdo!!! E nem venha o Corinthians querer oferecer a ‘mala roxa’, pois vencer no domingo é uma questão de honra! Pague apenas aquilo que é devido pro Leão que tá de bom tamanho.

O Santos tem um elenco que realmente não é dos melhores, mas é aguerrido e não fará corpo mole. Aliás, o Leão fará tudo o que pode para que time jogue completo. O que é isso? Falar de time reserva é brincadeira. Se vai poupar alguém, que poupe o Wesley, aí vai poupar na verdade a torcida daquele futebol ruim! Tem que ir com o que temos de melhor, Fábio Costa, Souto e Klébers! Todos em campo pra cima da Ponte Preta.

O campeonato Paulista é muito importante e temos que terminar na melhor colocação possível, essa é a verdade. E se o Corinthians vai se beneficiar com isso, melhor ainda. pois acho que temos que jogar sempre pra vencer. Se isso beneficiar um clube de grande torcida, temos que ficar felizes.

Pra cima da Ponte, Santos!!!







1º DE ABRIL!!!




kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Vou falar uma coisa só, não pelo Corinthians, mas pelo Santos mesmo. O time não tem mais nada no Paulista e tem que concentrar forças na Libertadores. Como eu disse, na semana que vem tem o Chivas e o time vai viajar domingo à noite. Então, tem que ir a campo mesmo um time reserva, nem misto, tem que ser reserva mesmo. Claro que quem jogar, que jogue com vontade e represente o Santos. Mas não faz sentido nenhum colocar titulares nesse jogo. E se o Corinthians depende dessa vitória do Santos, problema do Corinthians que não teve competência de garantir a vaga pelas próprias forças e agora depende dos outros.

Que o Santos vá de: Felipe (o Muro de Berlim), Filipi (Filho da Brisa), Evaldo (Filho da Puta mesmo), Anderson Salles (segurança de playground) e Carlinhos Boa Vontade; Tábata, Michael Jackson Quiñonez e Luiz Henrique (o bom meia boca); e o ataque de risos, Moraes, Trípodi e Wesley (só pra não dizer que não vai nenhum titular)... hahahahahahahahaha

O esperado

Pois é... o futebol pode gerar coisas realmente impressionantes, mas muita calma nessa hora. O Santos deu uma arrancada incrível nessas últimas rodadas, mas pelo início pífio de campeonato não conseguiria mesmo se classificar e pra falar a verdade nem merecida essa classificação seria.

Na quarta passada, metemos 2 a 1 no Corinthians. A Vila jogou novamente e o time mostrou muita garra e empenho. O jogo foi emocionante, pra mim o melhor clássico do Paulista, digno dos 95 anos dessa partida. Pena que seja o único do ano. Vão fazer falta esses seis pontos garantidos no Brasileiro! E não me venha chorar, hein, corinthianada?! Não me vem com chororô que eu não tenho dó nenhuma. No início do jogo o Corinthians tinha que perder um jogador logo no início, foi mão descarada do Willian e o árbitro não apitou nada. E o pior! E era um chute a gol... então, falta e expulsão. E ainda to em dúvida se não foi pênalti! O Fabinho fez falta naquele lance, aliás, o gol nem foi anulado pra falar a verdade, pois o jogo já estava parado. E o gol do KP não teve falta; se fosse Libertadores, isso nem entrava em discussão. Agora... tem que falar do senhor Herrera que ficou de joelhos sobre o Betão e ainda colocou o pé no toba do Betão e não foi expulso! O Betão tá certo... eu tinha enfiado logo um murro nessa bicha gringa. FDP! E aí o Betão levanta e empurra o jogador e é expulso... Isso não é justo! Mas enfim... 2 a 1 pro Santos e conforme o prometido música de choro pros segundinos.



Porém... como era esperado, o Santos vacilou justo com o time mais fraco. O Rio Claro, primeiro time a ser rebaixado, conseguiu arrancar um empate do Santos. O Santos, no início do jogo, mostrou bom futebol e parecia que um massacre aconteceria. Mas logo depois de fazer um a zero, o time começou a andar em campo e numa falha medonha do Fábio Costa – que catou muito o resto do jogo –, o Rio Claro fez seu golzinho e depois o goleiro dos caras pegou até pensamento.

Enfim... com a vitória dos bambis sobre o Bragantino (aliás, vitória sem vergonha... o time de Bragança parecia entregar o jogo pro São Paulo), o Santos ficou sem chances de se classificar. Agora é concentração total na Libertadores, pois hoje pegamos o fraquíssimo San Jose, mas na semana que vem é pedreira brava contra o Chivas, lá no México (aí, Manu! Sua chance de ver um bom jogo! Hahahaha).

Melhores momento!